Dissolução de união estável pode ser feita no extrajudicial

Dissolução de união estável pode ser feita no extrajudicial

Um novo provimento da Corregedoria-Geral de Justiça proporcionará rapidez na dissolução de união estável em Mato Grosso do Sul: o Provimento nº 63, publicado no Diário da Justiça nº 2449.

Assim, a partir de agora, as declarações de dissolução de união estável e de reconhecimento com dissolução de união estável poderão ser realizadas por via administrativa, isto é, nos cartórios extrajudiciais, pelo tabelião de notas, não se aplicando as regras de competência do Código de Processo Civil.

Importante lembrar que a utilização da via extrajudicial é facultativa e a nova regra foi implantada pela Corregedoria diante da necessidade de regular, disciplinar e uniformizar o procedimento adotado pelos notários.

Outra questão considerada para a adoção da norma foi que, com o advento da Lei nº 11.441/07, que alterou os art. 982, 983 e 1.031, além de acrescentar o art. 1.124-A ao Código de Processo Civil, acrescida da Resolução nº 35, do Conselho Nacional de Justiça e do Provimento nº 11/08, da Corregedoria, tornou-se possível a realização de inventários, partilhas, separação e divórcio consensuais nos cartórios extrajudiciais.

Detalhes - As escrituras públicas abrangidas pelo provimento não dependem de homologação judicial e as partes devem declarar ao tabelião, no ato da lavratura da escritura, que não têm filhos comuns – se houver, que são absolutamente capazes.

Na escritura deve constar que as partes estão cientes das consequências da extinção da união estável (fim do relacionamento, com recusa de reconciliação) e, se houver bens a serem partilhados, estes devem ser apontados separadamente, de acordo com o patrimônio individual de cada um e o patrimônio comum do casal, conforme o regime de comunhão parcial de bens, previsto no art. 1.725 do Código Civil.

Fica vedada, pelo provimento, a lavratura de escritura pública de dissolução de união estável, ou de reconhecimento com dissolução de união estável, com partilha de bens localizados no exterior. Não poderá ser lavrada escritura pública de dissolução de união estável ou de reconhecimento com dissolução de união estável, com partilha de bens, ainda que resolvidas prévia e judicialmente todas as questões referentes aos filhos menores (guarda, visitas, alimentos).


Fonte: TJMS
Publicado em 19/07/2011

Extraído de Recivil

 

Notícias

Jurisprudência mineira - Ação rescisória - Violação literal a texto de lei - Ação de reintegração de posse - Citação da companheira - Composse e união estável

Jurisprudência mineira - Ação rescisória - Violação literal a texto de lei - Ação de reintegração de posse - Citação da companheira - Composse e união estável Publicado em: 29/04/2016 JURISPRUDÊNCIA MINEIRA JURISPRUDÊNCIA CÍVEL AÇÃO RESCISÓRIA - VIOLAÇÃO LITERAL A TEXTO DE LEI - AÇÃO DE...
Leia mais

Urna eletrônica é vulnerável

Urna eletrônica é vulnerável, mostram testes Embora o TSE diga que o sistema é totalmente seguro, especialistas que testaram a urna eletrônica em 2016 apontam quatro ameaças de violação quanto ao sigilo e à totalização dos votos, mostra a Revista Congresso em Foco POR CONGRESSO EM FOCO | 28/04/2016...
Leia mais

Aprovada na CAS ajuda financeira às santas casas

Aprovada na CAS ajuda financeira às santas casas   27/04/2016, 13h31 - ATUALIZADO EM 27/04/2016, 13h35 Hospitais filantrópicos que integram o Sistema Único de Saúde (SUS) poderão ter novo programa de financiamento: o “Pró-Santas Casas”. Projeto (PLS 744/2015) do senador José Serra...
Leia mais

IBGE aponta os nomes mais comuns no Brasil; confira o seu

IBGE aponta os nomes mais comuns no Brasil; confira o seu Em todo o país, 11,7 milhões de brasileiras se chamam Maria. É mais que o dobro do número de pessoas com o nome masculino mais comum, José. Saiba quantas pessoas têm o seu nome, por unidade federativa, e a frequência dele por década POR...
Leia mais

Guarda compartilhada é uma tentativa de diminuir a alienação parental

Guarda compartilhada é uma tentativa de diminuir a alienação parental 27 de abril de 2016, 9h05 Por Alencar Frederico Margraf e Meg Francieli Svistun *Versão resumida do artigo “Guarda compartilhada: uma tentativa de diminuir a alienação parental”, publicado na Revista de Direito Privado, vol....
Leia mais

40% dos presos no Brasil são provisórios, aponta levantamento oficial

EM JULGAMENTO 40% dos presos no Brasil são provisórios, aponta levantamento oficial 26 de abril de 2016, 10h00 Por Marcelo Galli Cerca de 40% das pessoas que estão presas no Brasil sequer foram julgadas na primeira instância, aponta levantamento feito pelo Departamento Penitenciário Nacional...
Leia mais

Restrições impostas pelo novo CPC na interposição de agravo

Restrições impostas pelo novo CPC na interposição de agravo Publicado por Consultor Jurídico - 5 horas atrás Por Leandro Soares Ranieri Com o advento da Lei 13.256/16, o novo Código de Processo Civil sofreu alterações no tocante ao processo e o julgamento do recurso extraordinário e do recurso...
Leia mais

Projeto altera definição de direitos da personalidade no Código Civil

Projeto altera definição de direitos da personalidade no Código Civil Publicado em: 20/04/2016 A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 4385/16, do deputado Célio Silveira (PSDB-GO), que altera a definição de direitos da personalidade no Código Civil (Lei 10.406/02). O projeto estabelece...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas