Especialistas cobram medidas para reduzir mortalidade materna

Críticas à ação das autoridades marcaram o debate na CDH 

14/11/2013 - 15h30 Comissões - Direitos Humanos - Atualizado em 14/11/2013 - 16h52

Especialistas cobram medidas para reduzir mortalidade materna

Iara Guimarães Altafin

Onze anos depois da morte da gestante Alyne da Silva Pimentel Teixeira por falhas na assistência prestada pela rede pública de saúde no Rio de Janeiro e dois anos após o Estado brasileiro ter sido responsabilizado pelo caso por órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), ainda é precário o atendimento às gestantes no Brasil.

A conclusão é de especialistas que participaram nesta quinta-feira (14) de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), que discutiu a implementação das recomendações da Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (Cedaw), vinculada ONU, no caso Alyne.

Em novembro de 2002, então no sexto mês de gestação, Alyne Teixeira, uma jovem negra de 28 anos, foi vítima de uma sequência de erros e falhas na assistência médica em Belford Roxo (RJ). O caso foi levado à Cedaw e se tornou a primeira condenação internacional do órgão por morte materna evitável, conforme ressaltou a presidente da CDH, senadora Ana Rita (PT-ES).

– É um caso emblemático, uma referência para discutirmos outras situações semelhantes. Apesar da redução do óbito materno no Brasil nas últimas décadas, a mortalidade materna persiste como sério problema de saúde pública no país – frisou.

Ao concordar, a advogada Beatriz Galli, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio de Janeiro, apelou aos governantes por medidas concretas.

– Não é mais aceitável tratar da morte materna evitável como um destino das mulheres, uma fatalidade – disse.

Ela apresentou conclusões de levantamentos feitos no início do ano nas unidades de atendimento a gestantes nos municípios da Baixada Fluminenses envolvidas no caso Alyne, que indicam o não cumprimento de recomendações de melhoria dos serviços. Conforme observou, persistem problemas de infraestrutura, instalações insalubres, número insuficiente de médicos, carências de vagas nas UTIs e falta de ambulâncias.

Reparação

Os procuradores Rodrigo da Costa Lines, do município de São João do Meriti (RJ), e Flávia Piovesan, do estado de São Paulo, também apontaram urgente necessidade de cumprimento das recomendações da Cedaw. Eles consideraram injustificável que a família de Alyne ainda não tenha sido indenizada e disseram haver um “jogo de empurra” entre a União, os municípios envolvidos e o governo estadual.

– Implementar integralmente a decisão internacional é uma exigência jurídica decorrentes dos tratados firmados. Não há desculpa – frisou Flávia Piovesan.

Mônica Arango, do Centro de Direitos Reprodutivos de Nova York, lembrou as recomendações do comitê, em especial a adoção de medidas para a promoção da maternidade segura e o acesso a serviços obstétricos de emergência, e cobrou o pagamento imediato de indenização à família da jovem.

– Faz um ano que se chegou a um acordo sobre o valor da reparação e, no entanto, ainda não se fixou uma data para esse pagamento – disse.

Buscando agilizar o cumprimento das recomendações, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) apresentou requerimento para que os apelos feitos durante o debate pelos especialistas sejam enviados aos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo; dos Direitos Humanos, Maria do Rosário; e da Saúde, Alexandre Padilha; ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral; e aos secretários de Saúde dos municípios envolvidos.

Discriminação

Em sua apresentação aos senadores, Beatriz Galli citou dados sobre situação verificada no Rio de Janeiro, onde morrem cinco vezes mais mulheres negras do que mulheres bancas.

– Esses dados comprovam um racismo institucional e uma tolerância em relação a essa discriminação na assistência obstétrica no estado do Rio de Janeiro.

Para Jurema Werneck, coordenadora da organização não governamental Criola, a situação se repete em todo o país. Nas localidades onde há predominância de população negra, disse, são frequentes situações de negligência e de baixa qualidade dos serviços públicos de saúde.

Para o senador Paulo Paim (PT-RS), o país precisa se mobilizar para acabar com todo tipo de preconceito e de discriminação.

– Quando acompanhamos o caso Alyne, a gente se lembra de quantas Marias, quantas Joanas, quantas Robertas não passaram por situação semelhante ou ainda poderão passar, se nada for feito – ressaltou.

 

Agência Senado

______________________

 

14/11/2013 - 15h30 Comissões - Direitos Humanos - Atualizado em 14/11/2013 - 16h46

Entenda o caso Alyne

Da Redação

Em 14 de novembro de 2002, Alyne da Silva Pimentel Teixeira estava no sexto mês de gestação e buscou assistência na rede pública em Belford Roxo, no estado do Rio de Janeiro. Alyne era negra, tinha 28 anos de idade, era casada e mãe de uma filha de cinco anos. Com náusea e fortes dores abdominais, buscou assistência médica, recebeu analgésicos e foi liberada para voltar a sua casa.

Não tendo melhorado, retornou ao hospital, quando então foi constatada a morte do feto. Após horas de espera, Alyne foi submetida a cirurgia para retirada dos restos da placenta. O quadro se agravou e foi indicada sua transferência para hospital em outro município, mas sua remoção foi feita com grande atraso.

No segundo hospital, a jovem ainda ficou aguardando por várias horas no corredor, por falta de leito na emergência, e acabou falecendo em 16 de novembro de 2002, em decorrência de hemorragia digestiva resultante do parto do feto morto.

O caso foi apresentado à Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (Cedaw), órgão ligado à ONU, pela mãe de Alyne, Maria de Lourdes da Silva Pimentel. Em 2011, o Cedaw responsabilizou o Estado brasileiro por não cumprir seu papel de prestar o atendimento médico adequado desde o início das complicações na gravidez de Alyne. Para o órgão, a assistência à saúde uterina e ao ciclo reprodutivo é um direito básico da mulher e a falta dessa assistência consiste em discriminação, por tratar-se de questão exclusiva da saúde e da integridade física feminina.

O Cedaw determinou que o Estado brasileiro indenizasse a família de Alyne Teixeira e apresentou recomendações a serem adotadas no serviço público de saúde, para melhorias no atendimento de gestantes.

 

Agência Senado

 

 

Notícias

TJ isenta banco de indenizar cliente que caiu em golpe de e-mail

TJ isenta banco de indenizar cliente que caiu em golpe de e-mail Publicado por Tribunal de Justiça de Minas Gerais - 16 minutos atrás Um cliente do Bradesco que forneceu seus dados a terceiros pela internet e foi vítima de saques fraudulentos não vai receber indenização da instituição bancária. A...
Leia mais

Valor da causa deve corresponder ao benefício pretendido

Valor da causa deve corresponder ao benefício pretendido Sendo a finalidade da ação de reintegração de posse a retomada do bem objeto do contrato de comodato, a estimativa econômica perseguida consubstancia-se no valor do bem, devendo este ser o valor da causa Publicado por Bernardo César Coura -...
Leia mais

Direitos reais

Quem tem usufruto pode reivindicar direito de uso e gozo de imóvel 24 de novembro de 2014, 19h29 Quem tem o usufruto de um imóvel pode propor ação para reivindicar os seus direitos de usar e gozar do bem caso esses direitos estejam sendo ameaçados pelo proprietário. Com esse entendimento, a 3ª...
Leia mais

Prescrição de título não enseja cancelamento do protesto

Prescrição de título não enseja cancelamento do protesto Publicado em 24/11/2014 Só por requerimento do interessado ou decisão judicial protesto é cancelado. A prescrição de título executivo não tem como consequência automática o cancelamento do protesto. Isso porque o protesto se prende à...
Leia mais

Usufrutuário tem legitimidade para propor ação reivindicatória

Usufrutuário tem legitimidade para propor ação reivindicatória O usufrutuário é parte legítima para propor ação reivindicatória com o objetivo de fazer prevalecer o seu direito real de usufruto sobre o bem. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a...
Leia mais

Venda de imóvel anterior ao ajuizamento da ação não é fraude

Venda de imóvel anterior ao ajuizamento da ação não é fraude TRT - 15ª Região - SP (Campinas) - 13/11/2014 A 7ª Câmara do TRT-15 negou provimento a agravo interposto por um exequente que alegou fraude à execução pela executada, uma empresa do ramo metalúrgico que teria alienado um bem imóvel em...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas