"Brasil não pode abrir mão da energia nuclear"

Presidente da Eletronuclear critica entidades que defendem apenas fontes de energia eólica e solar para o Brasil

23/03/2011 11:34 Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, afirma que não há como o Brasil ser autossuficiente em termos energéticos, fazendo uso apenas de energia eólica e solar. Na avaliação dele, o país não pode abrir mão, até pelas vantagens geográficas que tem, da energia nuclear, apesar dos riscos que ela possa implicar.

“O Brasil precisa de toda forma de energia. Quem diz que o país pode explorar apenas energia eólica e solar não tem o menor conhecimento sobre planejamento energético. É muito amadorismo afirmar isso”, argumentou Othon que participou hoje (23) de uma audiência pública organizada de forma conjunta por diversas comissões do Senado. “A maioria da população brasileira vive em cidades, onde, até [para ter] saneamento, precisa de energia para funcionar”, justificou.

Segundo o presidente da Eletronuclear, a tragédia ocorrida no Japão e a infraestrutura das usinas japonesas são bem diferentes da situação das usinas nucleares brasileiras. “Antes de tudo, entre os terremotos em área popular, o do Japão foi o maior da história”, contextualizou Othon.

“No que se refere à estrutura [das usinas japonesas], as centrais nucleares responderam bem ao terremoto”, disse se referindo ao fato de que os problemas nas usinas japonesas foram em consequência do corte no fornecimento de energia e do aquecimento dos reatores.

Ele acrescentou que o tipo de reator adotado no Brasil é diferente e tem maior nível de segurança. Ele pondera, entretanto, que “não existe nada no mundo 100% seguro, o que buscamos fazer é nunca ficar satisfeitos com a segurança”, explicou. “O que mais matou no Japão foi teto de casa caindo na cabeça das pessoas. Nem por isso se proibirá construir tetos no país.”

Othon reiterou que um terremoto como o do Japão não poderia ocorrer no Brasil. A probabilidade, segundo ele, “é praticamente zero” uma vez que o país está distante das bordas das placas tectônicas. A situação, afirma o especialista, é mais tranquila porque o tipo de sismo do Atlântico Sul não provoca tsunamis, já que as placas da região estão se afastando enquanto as do Japão se chocam. “Além disso, as usinas brasileiras não precisam de eventos externos para resfriar seus reatores”, acrescentou.
 

Edição: Lílian Beraldo
Agência Brasil

 

Notícias

Filha pode trocar de paternidade se achou o pai biológico, diz TJ-RS

VONTADE DO FILHO Paternidade socioafetiva não impede direito à herança de pai biológico 9 de dezembro de 2018, 9h17 Por Jomar Martins Por isso, a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve sentença que deu procedência a uma investigatória que tramita na Comarca de...
Leia mais

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável Publicado em: 04/12/2018 APELAÇÃO CÍVEL - ANULATÓRIA DE AVAL - GARANTIA PRESTADA PARA A CONSECUÇÃO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL - OUTORGA UXÓRIA -...
Leia mais

Judicial ou extrajudicial?

Judicial ou extrajudicial? Gisele Nascimento Consigna ainda que o inventário iniciando judicialmente pode ser convertido em extrajudicial para evitar a demora no procedimento, caso assim, acordem os interessados. sexta-feira, 30 de novembro de 2018 Inventário pode ser definido como uma listagem de...
Leia mais

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros Equipe de linguistas revela equívocos mais comuns em aplicativo de idiomas que ensina português também para nativos. Por BBC 31/03/2018 13h43  Atualizado há 7 meses "Vi no Facebook uma mulher dizendo que casaria com o primeiro homem...
Leia mais

Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas

CONTINGENTE INJUSTIFICÁVEL Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas 20 de novembro de 2018, 11h43 Na avaliação do criminalista Sergio Gurgel, a maior dificuldade no que diz respeito à questão da superlotação está na contradição dos discursos demagógicos relacionados à...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados