Aprovação da reforma política exigirá mobilização popular

03/02/2011 - 19h49

Para líderes do PT, aprovação da reforma política exigirá mobilização popular

O senador Humberto Costa (PE), líder do PT e do Bloco de Apoio ao Governo no Senado, e o presidente do partido, ex-senador José Eduardo Dutra (SE), defendem uma mobilização popular em prol da reforma política. A informação consta de matéria da jornalista Luciane Bacellar, publicada no boletim eletrônico Notícias do PT.

Costa tem pregado a necessidade de as bancadas do partido travarem esse debate. Dutra é de opinião que a reforma política só se concretizará como resultado de um movimento da sociedade. "Eu acredito que é necessário haver uma mobilização, inclusive externa ao Congresso Nacional, para se aprovar a reforma", afirmou Dutra, conforme o boletim. Ele e reconhece que talvez o tema não sensibilize a população, mas avalia que "do jeito que está não pode continuar".

O boletim chama a atenção para a mensagem que a presidente da República, Dilma Rousseff, encaminhou na quarta-feira (2) ao Congresso Nacional, na qual advogou a retomada dos debates acerca do assunto.

Ainda que defenda a reforma política, o presidente do PT observou com realismo que "não é uma reforma fácil de fazer". Ele se lembra de ter lidado com o tema ao tempo em que era senador (1994-2002). Participou inclusive de uma comissão no Senado responsável por aprovar um projeto de reforma política que estabelecia o voto distrital misto, voto em lista e financiamento público. "Todas essas matérias continuam na ordem do dia", assinalou Dutra ao boletim do PT.

O ex-parlamentar acha que é preciso modificar particularmente os aspectos relativos aos financiamentos de campanha e caminhar para o voto em lista. "Seja o voto 100% proporcional, com lista fechada, seja tentando um meio termo, que seria o voto distrital misto - metade seria eleita pelo sistema majoritário e a outra metade pelo sistema proporcional, com lista fechada", exemplificou.

De acordo com o Notícias do PT, ao defender a proposta da lista de candidatos por partido, o senador Humberto Costa argumenta que o voto partidário vai dar às legendas discurso unificado, levando ao fortalecimento de ideários e de concepções ideológicas. "Nós vamos ter uma sociedade realmente representada proporcionalmente", analisa o parlamentar. Para ele, a principal razão para a defesa da lista partidária na eleição proporcional é que assim será possível implantar o financiamento público.

No entender de Costa, para que a democracia avance é fundamental a criação de mecanismos que garantam a diversidade e o mínimo de recursos para as campanhas. "Até porque um dos objetivos do financiamento público e da limitação de gastos é dar condições iguais a todos", sustenta o senador.

Agência Senado
 

Notícias

Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ

PENSÃO ALIMENTÍCIA Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ 13 de novembro de 2018, 16h56 Por Gabriela Coelho “A dispensa inicial de alimentos pela convivente não invalida o acordo que fora entabulado entre as partes posteriormente". Leia em Consultor Jurídico
Leia mais

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO Publicado em: 12/11/2018 Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados colhidos entre 1984 e 2016 indica que, no Brasil, um em cada três casamentos resulta em divórcio. E na maioria das...
Leia mais

Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável

Postado em 08 de Novembro de 2018 - 15:31 Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável Por conta do entendimento de que o núcleo de afeto permite o reconhecimento de uma união familiar, pessoas tem, de modo cada vez mais frequente entabulado contratos de namoro, de namoro...
Leia mais

Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão

DECISÃO 09/03/2017 08:42 Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão Em decisão unânime, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou que a ameaça de emprego de forças espirituais para constranger alguém a entregar dinheiro é apta a caracterizar o...
Leia mais

O sobrenome do enteado

O sobrenome do enteado          Regina Beatriz Tavares da Silva* 08 Novembro 2018 | 05h00 Em 2009, a Lei 11.924/09, também conhecida com Lei Clodovil por ser de autoria de famoso costureiro, que também foi deputado, alterou a Lei dos Registros Públicos, dando a...
Leia mais

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo Publicado em: 07/11/2018 Pela primeira vez na Argentina uma pessoa obteve sua certidão de nascimento, da qual deriva toda a documentação restante, sem qualquer menção de sexo, conforme a Lei de Identidade de Gênero aprovada em 2012 no...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados