Desconhecimento de lei leva a abandono de bebês, diz especialista

Mães não sabem que é possível fazer isso sem ser punida, afirma psicóloga. Justiça do DF tem programa para mãe que quer entregar filho para adoção.

No último dia 16 de setembro, um bebê recém-nascido foi abandonado pela mãe em um hospital de Santa Maria, região administrativa do Distrito Federal. No dia anterior, quatro crianças entre 1e 6 anos haviam sido deixadas sozinhas pelos pais, de um dia para outro, em uma casa na região do Paranoá, e devem responder por abandono de incapaz. Os casos se repetem no DF e em outras unidades da federação com enredo parecido – crianças e recém-nascidos são abandonados em hospitais, carros, casas, sacolas e até no lixo.

Para  a psicóloga especialista em adoção Lidia Weber, o que existe em comum nessas histórias é que os pais ignoram que podem entregar os filhos indesejados em segurança ao poder público. Isso passou a ser permitido a partir da nova lei de adoção em vigor desde 2009. “Existe um desconhecimento total de que é possível entregar seu filho para a adoção”, diz Lidia.

Além da ignorância, os que desistem abertamente da guarda dos filhos, especialmente as mães, precisam enfrentar o julgamento da sociedade. “Além do preconceito que elas sofrem, as pessoas não entendem. Nas casas que cuidam de mulheres existe uma insistência terrível pra que fiquem com as crianças, o que muitas vezes é um engano”, diz.

O supervisor da Seção de Colocação em Família Substituta da Vara da Infância do DF, Walter Gomes, que lida diretamente com essas histórias, confirma: “Ela tem que lidar com o julgamento social de ser vista como 'bruxa', maquiavélica, desqualificada”

Diante desse quadro, alguns pais ficam com filhos com os quais não têm vinculação afetiva e mães abandonam seus bebês na surdina. Não existem estatísticas oficiais do número de crianças abandonadas no DF. Procurada pelo G1, a Polícia Civil disse não possuir uma compilação das ocorrências de abandono de incapaz.

A psicóloga Lidia disse acreditar que o número total de casos supere em muito os que são noticiados pelos meios comunicação ou mesmo os registrados pela polícia. “Só se noticia os casos dramáticos, mas há locais mais neutros, como crianças abandonadas em hospitais, creches e abrigos. O lugar que mais deixam é na maternidade. E ainda há as crianças que nunca são encontradas”, disse.

Em uma pesquisa em um abrigo de Curitiba, Lidia descobriu que 24 dos 28 bebês recebidos no local foram abandonados em lugares públicos.

Para diminuir a quantidade de abandono de bebês, o poder público tem iniciativas em diversos estados para orientar mães. No Distrito Federal, a Vara de Infância tem um programa especial de acompanhamento de mães que pensam em entregar seus filhos para a adoção.

Elas fazem terapia, são orientadas sobre suas opções legais e questões socioeconômicas. “O programa não constitui uma apologia pró-adoção. Queremos garantir uma espécie de acolhimento para ela falar, organizar seus pensamentos e construir uma decisão segura”, explica Gomes.

Segundo ele, 70 gestantes e genitoras foram atendidas desde 2006. Metade delas desistiu de entregar o filho. As que o fizeram, agiram com tranquilidade. “Passamos para ela uma releitura desse ato, que não será interpretado como abandono, mas como ação de cidadania, de prezar pelo bem da criança”, afirma.

 

Fonte: G1

Publicado em 05/10/2011

Extraído de Recivil

Notícias

TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão

EFETIVIDADE DA EXECUÇÃO TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão 17 de outubro de 2018, 10h29 Por Tadeu Rover Segundo o processo, para fraudar a execução, o devedor simulou uma doação do imóvel aos filhos, reservando o usufruto vitalício a ele e à sua mulher. Leia em...
Leia mais

Homem deve indenizar ex-mulher por traição

Dano moral Homem deve indenizar ex-mulher por traição Juíza considerou que a infidelidade se deu com pessoa que era considerada da família e que trabalhava na empresa pertencente à autora. quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 A juíza de Direito Clarissa Somesom Tauk, da 5ª vara da Família e...
Leia mais

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados