Não permita que o “Zé da Esquina” aprove ou reprove o seu veículo

Inspeção - Veículo aprovado ou reprovado, eis a questão!

Não permita que o “Zé da Esquina” aprove ou reprove o seu veículo

Pela redação - www.incorporativa.com.br
09/07/2011 - Renato Orsi * 

Há algum tempo um grupo de pessoas da área questionou-me sobre a validade de determinados laudos apresentados por empresas privadas que estariam aprovando ou reprovando os veículos inspecionados.

A partir desta pergunta indaguei em qual ponto técnico estaria a reprovação geral dos veículos inspecionados. E a resposta para a minha pergunta foi unânime: em todos os aspectos!

Direcionei, então, a explanação sobre o assunto esclarecendo que existem inúmeros itens como o mecânico, a carroçaria, a elétrica, a identificação e a documentação, os quais podem ser aprovados ou reprovados. E, ainda, perguntei se o profissional que estaria avaliando o veículo seria um engenheiro mecânico ou se a empresa teria um vínculo com o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) ou com o INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia); se o veículo havia sido submetido a algum tipo ultra-som, teste de torção, frenagem, osciloscópio, etc. No entanto, para minha surpresa, a resposta foi negativa em todos os aspectos.

Como a área de inspeções automotivas é bastante ampla, o mais importante é conhecer o tipo de empresa, a qualificação profissional do responsável que está executando o serviço, assim como, questionar sobre os equipamentos que serão utilizados a esse tipo de inspeção.

A Resolução 05, 282 do Contran e as Portarias 131 e 1334, credenciaram inúmeras empresas privadas à inspeção da numeração de identificação de motores à transferência de veículos, ou seja, para que essas empresas realizem apenas este tipo de inspeção de identificação. Ela não aborda testes mecânicos, elétricos, estruturais, de análises de serviços de funilaria ou de pintura. Traduzindo, está focado apenas na a identificação veicular.

A estrutura de um veículo ou a qualidade de um reparo pode ser avaliada por meio de um equipamento denominado de ultra-som, que pode medir a qualidade de pintura, a extensão ou a abertura do leque de tinta aplicado; o tipo de repintura utilizada; a quantidade de massa plástica aplicada; as zonas de emendas e soldas etc. No entanto, é fundamental que o profissional que opere este tipo de equipamento tenha conhecimento e embasamento técnico.

Quanto à verificação do sistema elétrico do automotivo é muito importante que o inspetor automotivo possua e saiba operar os scanners de eletrônica embarcada, ou seja, um tipo de equipamento que checa inúmeros itens do sistema elétrico do automotor, minimizando a possibilidade de ocorrência de falhas nos componentes, além de outros testes realizados por osciloscópios, multímetros, endoscópios entre outros.

Na área mecânica, inúmeros testes podem ser realizados visando também a minimização de falhas no motor, câmbio e diferencial. Entre eles destaca-se a utilização do estetoscópio eletrônico automotivo, o qual amplifica o som de possíveis ruídos anormais.

Um outro exame bastante eficiente e abrangente corresponde ao exame das condições internas do motor por meio da análise técnica do óleo lubrificante existente no veículo. Ou seja, este exame permite identificar, na maioria dos casos, qual o tipo de manutenção que o mesmo vem sendo submetido, se há algum tipo de vazamento interno do sistema de refrigeração, se existe algum tipo de desregulagem do motor e, principalmente, identifica a possibilidade de desgastes prematuros nas peças internas ao motor, câmbio ou diferencial.

No tocante à identificação veicular podem ser utilizados softwares específicos à decodificação, traduzindo a numeração do chassi ou motor em parâmetros que verificam o ano de fabricação, a região, o tipo de motor, etc., além do confronto dos dados eletrônicos obtidos junto às bases de dados oficiais. Além disso, devem ser checadas as características técnicas da documentação, as etiquetas de segurança, as datas dos componentes internos ao veículo, as características das placas de identificação, entre outros itens.

Durante uma inspeção completa de um veículo deve-se observar também os itens de segurança veicular, os quais são inúmeros e fundamentais à circulação adequada de um automotor.

Dessa forma, quando se fala em aprovação ou reprovação de um veículo, aborda-se uma área bastante complexa e ampla, na qual o profissional deve ter conhecimento técnico específico, embasamento bibliográfico por meio de normas técnicas, ferramentas focadas no tipo de inspeção a ser realizada, dirigindo-se à obtenção de dados numéricos e quantitativos, cujo resultado não permita um “achismo” fundamentado numa única palavra “reprovado” ou “aprovado”.

Portanto, quando se observa um laudo de avaliação veicular deve-se verificar quais os exames realizados, quais as ferramentas utilizadas aos resultados apresentados, quais os profissionais envolvidos, quem são os responsáveis técnicos e suas respectivas formações acadêmicas, qual o tempo de atuação da empresa no mercado, entre outros inúmeros pontos destinados à aceitação, à credibilidade e à validade de um laudo técnico automotivo.

Não permita que o “Zé da Esquina” aprove ou reprove o seu veículo. Avalie primeiro a competência técnica, o ferramental utilizado, confronte o credenciamento obtido e o tipo de atividade desenvolvida e tipo de serviço oferecido por essa empresa. Em analogia, não é porque um bom pedreiro constrói um grande hospital que também deve ter autorização para operar pacientes quando esse hospital estiver pronto, ou mesmo, um engenheiro que constrói estradas pode também construir os veículos que irão trafegar sobre a mesma.

A aceitação de um laudo de aprovação ou reprovação de um veículo é ampla e complexa e o resultado dependerá dos itens descritos anteriormente e, principalmente, do seu bom-senso na distinção de parâmetros adequados e confiáveis. Lembre-se que não existe verdade absoluta, mas sim bons profissionais que podem conduzi-lo a sua busca.

Aprovado ou reprovado, eis a sua questão !!!

*Renato Orsi é engenheiro mecânico e perito judicial; diretor técnico do Instituto de Avaliações e Perícias de Piracicaba (IAPA); integra organizações periciais existentes no Brasil, Estados Unidos, Canadá, França, Bélgica, Inglaterra, Austrália e Pacífico Sul.

Fonte: INCorporativa
 


 

 

Notícias

As inovações na recuperação e na falência por força da Lei 14.112/2020

As inovações na recuperação e na falência por força da Lei 14.112/2020 6 de janeiro de 2021, 7h12 Por Gleydson K. L. Oliveira Poderá agir como credora qualquer pessoa, inclusive os credores sujeitos ou não aos efeitos da recuperação, familiares, sócio e outra sociedade integrante do grupo econômico...

Condomínio não é responsável por carro danificado pelo portão da garagem

PROBLEMA ATRÁS DO VOLANTE Condomínio não é responsável por carro danificado pelo portão da garagem 3 de janeiro de 2021, 14h47 Segundo o relato registrado, o homem acionou o portão enquanto ainda estava na vaga de garagem, "o que retrata que ocorreu erro de cálculo do condômino". Prossiga em...

Quais serão as tendências da tecnologia para o setor imobiliário em 2021

Quais serão as tendências da tecnologia para o setor imobiliário em 2021 Edifícios inteligentes, big data Blockchain e realidade virtual São algumas delas LUIZA SATO, DANIELA MARTINUSSI e CAROLINA BORBA 29.dez.2020 (terça-feira) - 6h00 Um dos setores da economia que mais vem sofrendo transformações...

Advocacia extrajudicial aplicada ao direito de família e sucessões

Advocacia extrajudicial aplicada ao direito de família e sucessões Abordagem acerca de inventário, planejamento sucessório e divórcio extrajudiciais. Nos casos em que a lei permite, o advogado e as partes podem resolver as questões através dos cartórios extrajudiciais. Por Ana Paula Cruz DIREITO DE...

Criptoativos podem ser usados na integralização de capital social

SOCIEDADES EMPRESÁRIAS Criptoativos podem ser usados na integralização de capital social 15 de dezembro de 2020, 7h44 Para a Receita Federal, as criptomoedas são consideradas como ativo financeiro, e por isso exige a indicação delas na declaração anual do imposto de renda, no campo de "outros bens"...