TJ é finalista de prêmio de reportagem

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) é finalista do “1º Prêmio Anoreg de Jornalismo” pela reportagem de TV que faz um diagnóstico sobre a importância do registro civil de nascimento no Brasil. O prêmio é mantido pela Associação dos Notários e Registradores do Estado de São Paulo e, pela primeira vez, vai homenagear trabalhos em mídia impressa, rádio, webjornalismo e em televisão que mostraram como as atividades dos cartórios extrajudiciais previnem vários tipos de conflitos e aumentam a segurança jurídica. O trabalho do repórter Marcelo Almeida foi veiculado, ano passado, no programa “Justiça em Questão”, produzido pelo TJMG e exibido na TV Justiça. A entrega da premiação será no final do mês de outubro em São Paulo.

A reportagem destaca histórias inusitadas sobre o primeiro documento oficial que um cidadão brasileiro recebe, a certidão de nascimento. A equipe de reportagem visitou o Memorial do Registro Civil para mostrar documentos que comprovam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem duas datas de nascimento. O trabalho conta ainda que o compositor mineiro Ary Barroso e o desenhista Maurício de Sousa foram registrados em cartório sem o sobrenome. Na certidão de ambos consta somente o primeiro nome, respectivamente, “Ary” e “Maurício” escrito à mão e entre aspas. A reportagem também revela documentos de uma menina registrada na década de 1920 com um nome chulo, que expunha a garota ao ridículo.

Essa reportagem finalista do prêmio integrou um programa “Justiça em Questão” produzido especialmente para falar sobre registro civil de nascimento. Segundo a associação dos registradores de São Paulo, a reportagem foi selecionada seguindo critérios de inovação, originalidade, abordagem e contribuição crítica à atuação dos cartórios no Brasil.

Esta é a segunda indicação para prêmio, este ano, de trabalhos do TJMG na televisão. Em junho, o programa institucional “Justiça em Questão” recebeu em 1º lugar o Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça. A premiação elegeu, em 20 categorias, os melhores trabalhos das assessorias de comunicação do Judiciário, Ministério Público, Defensoria, Tribunal de Contas e instituições afins.

 

Fonte: TJMG

Publicado em 11/10/2011

Extraído de Recivil

Notícias

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO Publicado em: 12/11/2018 Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados colhidos entre 1984 e 2016 indica que, no Brasil, um em cada três casamentos resulta em divórcio. E na maioria das...
Leia mais

Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável

Postado em 08 de Novembro de 2018 - 15:31 Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável Por conta do entendimento de que o núcleo de afeto permite o reconhecimento de uma união familiar, pessoas tem, de modo cada vez mais frequente entabulado contratos de namoro, de namoro...
Leia mais

Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão

DECISÃO 09/03/2017 08:42 Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão Em decisão unânime, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou que a ameaça de emprego de forças espirituais para constranger alguém a entregar dinheiro é apta a caracterizar o...
Leia mais

O sobrenome do enteado

O sobrenome do enteado          Regina Beatriz Tavares da Silva* 08 Novembro 2018 | 05h00 Em 2009, a Lei 11.924/09, também conhecida com Lei Clodovil por ser de autoria de famoso costureiro, que também foi deputado, alterou a Lei dos Registros Públicos, dando a...
Leia mais

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo Publicado em: 07/11/2018 Pela primeira vez na Argentina uma pessoa obteve sua certidão de nascimento, da qual deriva toda a documentação restante, sem qualquer menção de sexo, conforme a Lei de Identidade de Gênero aprovada em 2012 no...
Leia mais

Inventário. Participação acionária. Sociedade anônima. Alteração do poder de controle. Acervo patrimonial. Alienação. Impossibilidade. Atuação.

Inventário. Participação acionária. Sociedade anônima. Alteração do poder de controle. Acervo patrimonial. Alienação. Impossibilidade. Atuação. DESTAQUE: O inventariante, representando o espólio, não tem poder de voto em assembleia de sociedade anônima da qual o falecido era sócio, com a pretensão...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados