Desembargador do TJMG fala sobre a otimização do trabalho das serventias extrajudiciais no estado

Origem da Imagem/Fonte: CNBMG
“O balcão das serventias tende a ser unicamente virtual”

Desembargador do TJMG fala sobre a otimização do trabalho das serventias extrajudiciais no estado

15 de setembro de 2020 cnbmg

Em entrevista exclusiva ao CNB/MG, desembargador Marcelo Guimarães Rodrigues fala sobre o novo Código de Normas mineiro, a necessidade de melhor estrutura e divisão territorial e do necessário equilíbrio econômico-financeiro da atividade

O Colégio Notarial do Brasil – Seção Minas Gerais (CNB/MG) entrevistou o desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) Marcelo Guimarães Rodrigues sobre as principais mudanças, novidades e desafios do trabalho extrajudicial no estado. O magistrado, que foi membro da comissão de trabalho para revisão do Código de Normas de Minas Gerais, destacou a adaptação dos serviços notariais e de registro ao meio eletrônico, diante das novas exigências da sociedade.


Entre os principais pontos para otimização do trabalho das serventias, Rodrigues citou a necessidade de melhoria na estrutura e divisão territorial das unidades. Destacou, ainda, o trabalho dos tabeliães e registradores na garantia da segurança jurídica e no movimento de desjudicialização no País.

Leia abaixo a íntegra da entrevista.

CNB/MG: Recentemente, foi aprovado o novo Código de Normas de Minas Gerais – fruto de um trabalho importante, do qual o senhor fez parte. Quais foram as mudanças mais importantes trazidas para o trabalho extrajudicial em Minas Gerais?

Des. Marcelo Rodrigues – A nova consolidação mineira (Prov. Conjunto 93) avançou em muitos temas, eliminou pontos de divergências e dúvidas e, como em uma fotografia, atualizou-se até o momento em que se deu por concluído o trabalho de sua Comissão. O texto atual, assim como sua estrutura, está mais limpo e organizado. Poderíamos ter avançado ainda mais? Sim, certamente que poderíamos. Mas, em um trabalho de equipe, é natural que surjam algumas divergências. O mais importante, a meu ver, é que esse trabalho de equipe continue permanentemente e com ampla liberdade, de modo que esse retrato possa continuar evoluindo. 

CNB/MG: A pandemia colocou em evidência a necessidade da prestação de serviços extrajudiciais em meio eletrônico. Neste sentido, o Provimento n.100 do CNJ, trouxe novidades significativas. Como avalia essas mudanças?

Des. Marcelo Rodrigues – Esse provimento da Corregedoria Nacional coloca o serviço notarial no século XXI, com infraestrutura e segurança adequadas às novas exigências da sociedade. De modo geral, no futuro muito próximo, (quase) tudo o que não couber na tela de um smartphone estará fadado à obsolescência e, por desdobramento, ao desaparecimento. As novas gerações exigem tecnologia, portabilidade, celeridade e segurança. E o notário precisa estar capacitado para continuar prestando sua relevante missão com eficácia, ou seja, cada vez mais próximo dos anseios e legítimas demandas da sociedade, validando as manifestações de vontade com segurança jurídica. Novos modelos de negócios, todos disruptivos, estão aí para provar a assertiva. O Airbnb é hoje a maior imobiliária do mundo sem possuir um único imóvel sequer. A Uber é já das maiores empresas de transportes em que a frota não é sua, sequer locada, por sinal. As moedas virtuais avançam significativamente, à revelia dos órgãos tradicionais da política monetária. Os jovens estão cada vez mais sintonizados com tudo o que vem para romper.  Nos próximos tempos, o balcão das serventias tende a ser unicamente virtual.

CNB/MG: Qual sua avaliação sobre o trabalho realizado pelos cartórios extrajudiciais em Minas Gerais?

Des. Marcelo Rodrigues – Minas Gerais e os mineiros podem se orgulhar de seus tabeliães e oficiais registradores. Esses profissionais do Direito, em ampla medida, são dedicados e interessados no bem servir. Precisamos, lado outro, melhorar a estrutura e divisão territorial das serventias e apostar cada vez mais na formação inicial e, sobretudo, continuada, inclusive para os magistrados (e servidores) que têm por dever exercer a fiscalização e, eventualmente, exercitar a jurisdição sobre temas relacionados a essas atividades. A especialização é mais do que necessária, diria até, indispensável. A justa equação econômico-financeiro dessas delegações deve ser norteada pelo equilíbrio, sem olvidar a natureza pública que molda esses serviços. 

CNB/MG: Nos últimos anos, diversos atos, antes exclusivos do Poder Judiciário, foram delegados para atividade de notários e registradores com o objetivo de desobstruir a Justiça. Como vê este movimento de desjudicialização?

Des. Marcelo Rodrigues – É como digo sempre: trata-se mesmo de desoprimir o Poder Judiciário brasileiro, um dos mais demandados do planeta, se já não for exatamente o que recebe o maior número de novos processos a cada ano, por diferentes razões. Neste cenário, é inteiramente pertinente adotar políticas públicas racionais e inteligentes. Temos de fazer cada vez mais, com menos. E, permitir ao jurisdicionado, a opção de equacionar as mais diversas questões não contenciosas, entre partes maiores e capazes, inclusive aquelas diretamente afetadas à cidadania, desde que pertinentes com suas atribuições jurídicas, nos serviços notariais e de registros, em proveito de sua imensa capilaridade, com a segurança da autenticidade, menores dispêndios de tempo e de recursos, representa um valor a ser perseguido. Todos saem ganhando.

CNB/MG: Quais são os próximos passos para otimizar o trabalho das serventias extrajudiciais em Minas Gerais? O que os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário de Minas Gerais poderiam fazer para apoiar esse progresso?

Des. Marcelo Rodrigues – Quando voltamos o olhar para o passado recente podemos ter a convicção  de que estamos no caminho certo. Em relação aos serviços notariais e de registros, muito já foi feito nos últimos seis anos em Minas Gerais, possivelmente mais do que nas últimas seis décadas. Os concursos públicos se tornaram uma realidade e vieram para ficar. Todos, administração e candidatos, devem se educar para que esses certames sejam cada vez mais justos, transparentes e fluídos. Aprimorar a divisão territorial, reforçar a formação dos profissionais, prover segurança normativa continuamente atualizada, aliada à fiscalização por quem seja especializado na matéria são desafios que se apresentam doravante.  Em breve, a Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (EJEF) lançará dois cursos permanentes em sua grade programática, voltados exclusivamente aos tabeliães, registradores, magistrados e servidores, formatando histórica lacuna e resgatando antiga dívida, em justo reconhecimento à importância, até mesmo estratégica, dessas atividades. 

Fonte: Assessoria de Imprensa CNB/MG

Notícias

MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos

LEI 14.063/20 MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos 24 de setembro de 2020, 12h22 Por Tiago Angelo A normativa (Lei 14.063/20) prevê a criação de duas modalidades de assinatura: a simples e a avançada. Clique aqui para ler a lei Confira em Consultor Jurídico

Alteração do regime de bens do casamento

Alteração do regime de bens do casamento Marina Aidar de Barros Fagundes Aqui cabe apenas um parêntesis para destacar que casamento celebrado para maiores de 70 anos enseja a aplicação do regime da separação legal, ou separação obrigatória de bens. quarta-feira, 23 de setembro de 2020 Ao se...

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr.

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr. Podemos, enfim, comemorar. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que regulará o tratamento de dados pessoais, veio, enfim, ao mundo (18/9). Porém ao estabelecer como todos nós poderemos exercer nossos direitos, ela traz em sua...

STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas

INSTRUMENTO DE COERÇÃO STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas 22 de setembro de 2020, 7h26 Por Danilo Vital Na avaliação do ministro Benedito Gonçalves, no caso, as astreintes foram transformadas em uma forma indireta de agravar a multa administrativa. Confira em Consultor...

Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos

VOTO 'CAFÉ COM LEITE' Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos 20 de setembro de 2020, 7h18 No caso julgado, o TJ-SP entendeu que o voto pode ser desconsiderado quando este for o único integrante de uma das classes de créditos do processo. Confira em Consultor...

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck Contrariando as expectativas daqueles que acreditavam que a Lei 13 709/2018 (LGPD) teria vigência a partir de janeiro de 2021, o atual cenário indica que a entrada em vigor acontecerá nos próximos dias. Do ponto de vista do titular...