Polícia Militar de MG oferecerá registro de BO pela internet

15.07.2011

Polícia Militar de MG oferecerá registro de boletim de ocorrência pela internet

Sai a burocracia da espera e da papelada e entram o conforto e a agilidade virtual. A internet vai se tornar, em breve, a mais nova aliada da Polícia Militar para facilitar o atendimento ao cidadão e a coleta de dados em Minas Gerais. Em agosto deve ser lançado um serviço on-line que, entre outras novidades, oferecerá ao usuário a possibilidade de registro de um boletim de ocorrência a partir da web, eliminando um procedimento remanescente do século passado que hoje toma horas daqueles que necessitam comunicar formalmente um fato à polícia.

O assunto ainda é tratado com sigilo pela cúpula da PM. O setor de tecnologia da corporação trabalha na fase de conclusão do projeto. Forças de segurança de estados como Rio da Janeiro e São Paulo já atravessaram os portões da era digital e, com base em tais experiências, é possível ter uma noção sobre o que está por vir.

Em Minas, falta, por exemplo, a definição sobre quais crimes serão incluídos nesse sistema e outros detalhes operacionais. Provavelmente, delitos de menor potencial ofensivo, como furtos, ou incidentes como perda de bens materiais e documentos pessoais poderão ser comunicados a distância. Há a expectativa de que o cidadão consiga até mesmo imprimir o boletim de ocorrência a partir do computador de casa. O Estado de Minas apurou que o pacote de avanços tecnológicos irá além dessas possibilidades, mas oficiais se limitam a confirmar que o sistema entra em operação neste semestre.

O único serviço on-line oferecido pelas forças de segurança mineiras é da Polícia Civil. Por ele é possível obter via internet, no site da PC (www.pc.mg.gov.br), atestado de antecedentes criminais. No endereço eletrônico da PC há um link chamado “Delegacia Virtual” que, ao ser clicado, exibe uma mensagem informando: “Você poderá preencher uma pré-ocorrência policial, que será registrada no programa Registro de Eventos de Defesa Social (Reds) e acessada em todas as delegacias de polícia de Minas Gerais”.

Enquanto isso… São Paulo e Rio já têm

Em São Paulo, o internauta dispõe da Delegacia do Cidadão, para comunicar furtos de veículos ou de placas, desaparecimento de pessoas, furto ou perda de documentos, celulares, e acompanhamento do boletim. As alternativas são idênticas no site da Secretaria da Segurança Pública e no portal da Polícia Civil. O documento emitido tem caráter oficial e é exigido o fornecimento de endereço eletrônico. Delito que envolva ameaça à pessoa, como roubo, ou perda de dinheiro e objetos como máquinas fotográficas, deve ser comunicado pessoalmente. Já no endereço da Polícia Militar há o cadastro de ocorrências na capital e boletim de ocorrência de acidentes de trânsito em vias estaduais. No Rio de Janeiro, a Polícia Civil criou a Delegacia de Dedicação Integral ao Cidadão, em bairros como Copacabana, Ipanema e Barra da Tijuca. Ela registra extravio de documentos e denúncias. Funciona como pré-registro e exige a ida a uma delegacia para validar o procedimento, com data pré-agendada via e-mail.

 

Fonte: Estado de Minas

Extraído de DNT

 

Notícias

Em busca do pai - Revista Veja

Em busca do pai - Revista Veja Publicado em: 27/03/2017 VEJA conversou com filhos que não têm o nome do pai em seus documentos e que estão em busca do progenitor para entender a ausência e tentar uma reaproximação. Clique aqui e assista. Fonte: Site Revista Veja Extraído de Recivil
Leia mais

Justiça de MS reconhece maternidade afetiva para casal de mulheres

Justiça de MS reconhece maternidade afetiva para casal de mulheres Publicado em: 24/03/2017 Uma decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul garantiu o direito de um casal de mulheres e de seu filho de terem reconhecido o nome de ambas as mães no registro civil. A decisão monocrática do...
Leia mais

Estabilidade provisória de grávida não alcança contratos temporários

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA Estabilidade provisória de grávida não alcança contratos temporários 22 de março de 2017, 8h42 A auxiliar assinou contrato de três meses em julho de 2014 e, conforme o previsto, teve o vínculo encerrado em outubro do mesmo ano. Ela então ajuizou reclamação trabalhista...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados