Aprovada retirada da CLT de artigo considerado preconceituoso contra a mulher

 

23/03/2011 - 11h52

Aprovada retirada da CLT de artigo considerado preconceituoso contra a mulher 

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou, nesta quarta-feira (23), projeto de lei da Câmara (PLC 81/07) que revoga artigo da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) relativo à permissão para maiores de 18 anos e menores de 21 anos e mulheres casadas fazerem reclamações trabalhistas sem o auxílio de seus pais, tutores ou maridos.

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) também já havia aprovado a supressão deste dispositivo ao votar a proposta em 2009. O parecer favorável ao PLC 81/07 apresentado pelo relator na CAS, senador João Durval (PDT-BA), incorporou as duas emendas de redação aprovadas pela CCJ.

No relatório elaborado para a Comissão de Constituição e Justiça, o senador Lobão Filho (PMDB-MA) argumentava que, com a entrada em vigor do novo Código Civil, em 2003, a menoridade passou a cessar aos 18 anos completos, habilitando, assim, a pessoa acima dessa idade à prática de todos os atos da vida civil.

Já o trecho do artigo relativo à mulher foi suprimido por recomendação do autor do projeto, o então deputado Alberto Fraga, que argumentou a necessidade de adequação do texto à realidade social de igualdade entre homens e mulheres. Em vez de sua revogação, ele propôs inicialmente a retirada apenas das expressões "mulheres casadas" e "maridos", preservando a parte relativa aos maiores de 18 anos e menores de 21 anos. Isso porque o novo Código Civil ainda não havia sido aprovado quando a proposta foi apresentada na Câmara.

O texto original do PLC 81/07 foi alterado por substitutivo ainda na Câmara dos Deputados que, com o início da vigência do novo Código Civil, aprovou a revogação do artigo inteiro da CLT.

A matéria será submetida agora a exame pelo Plenário do Senado. Se o projeto não sofrer novas mudanças, segue direto à sanção presidencial. Caso contrário, volta para a Câmara.

Simone Franco / Agência Senado
 

Notícias

TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão

EFETIVIDADE DA EXECUÇÃO TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão 17 de outubro de 2018, 10h29 Por Tadeu Rover Segundo o processo, para fraudar a execução, o devedor simulou uma doação do imóvel aos filhos, reservando o usufruto vitalício a ele e à sua mulher. Leia em...
Leia mais

Homem deve indenizar ex-mulher por traição

Dano moral Homem deve indenizar ex-mulher por traição Juíza considerou que a infidelidade se deu com pessoa que era considerada da família e que trabalhava na empresa pertencente à autora. quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 A juíza de Direito Clarissa Somesom Tauk, da 5ª vara da Família e...
Leia mais

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados