“Doutor, não tenho advogado”

Extraído de JusClip

Defensoria Pública é obrigação do Estado

11/07/2011 - SÃO PAuLO

“Doutor, não tenho advogado” – o réu, acusado de roubo, jovem, morador de rua, viciado em crack dizia ao juiz que não tinha conversado com advogado algum e que tinha várias testemunhas que poderiam provar que não praticara o crime, que estava longe do local na ocasião.

“Mas e o seu defensor presente nesta audiência?” – o juiz apontava para o advogado, defensor dativo nomeado com base na Lei Complementar do Estado de Santa Catarina 155/97, que sustenta convênio do Estado com a OAB para que advogados façam as vezes do defensor público.

“Nunca o vi antes” – arrematou o réu.

“Doutor” – agora o defensor interferia – “não tive como sair do meu escritório para ir ao presídio.

Muito serviço, o senhor sabe.”

“Não, não sei, doutor” – respondeu o juiz – “o senhor é o defensor do réu e deveria no mínimo ter conversado com ele antes no presídio, procurado a sua família, as testemunhas que diz ter.”

A audiência era de instrução e julgamento, mas o juiz suspendeu o ato, destituiu o defensor, nomeou outro, anulou o processo a partir da citação, relaxou a prisão por excesso de prazo na formação da culpa e entregou cópia ao réu do nome, endereço e telefone profissionais do novo defensor.

A situação acima narrada faz parte da praxe diária da Justiça Comum do Estado de Santa Catarina. Prevista na Constituição Federal, como instituição essencial à Justiça (artigo 134), a Defensoria Pública, mesmo quase vinte e três anos a pós a promulgação da Magna Carta, diversamente de todas as outras unidades da federação, ainda não se fez realidade no estado barriga verde.

O resultado é que os necessitados mencionados no artigo 134, caput, da Constituição continuam nesse estado tão ou mais necessitados do que antes, em todas as áreas jurídicas, civis, fazendárias, familiares, coletivas, agravando-se na penal, destino último da roda da miséria de dignidade que os flagela.

Nesta quadra da história, ultrapassado está o momento de fundamentação da Constituição. Cumpre levá-la a sério, protegê-la e afirmá-la. Isso, e apenas isso, deveria bastar para a superação de todos os obstáculos e contingências que impedem a satisfação do comando constitucional em Santa Catarina. Porém, como a legitimidade do Estado se fundamenta no poder político, que deriva da crença na racionalidade do comportamento conforme a lei, a sociedade precisa acreditar que há um fundamento racional/legal que rege seus representantes.

Aliás, há mais de 30 anos, ao discorrer sobre reorganização das bases da convivências social e da indissociável reforma do Estado, o filósofo político italiano Norberto Bobbio (Estado Governo e Sociedade. RJ: Editora Paz e Terra) já ensinava que a razão das instituições políticas é a de responder às demandas da sociedade. Esta sociedade, transformada pela resposta dada, outra demanda apresenta, cabendo às instituições novamente responder e assim por diante. Há um processo de mudança contínua da sociedade e por óbvio das instituições políticas. Havendo correspondência entre as demandas e respostas, a mudança é gradual. Se as demandas não forem respondidas satisfatoriamente, a mudança é brusca e pode acabar em completa modificação das instituições políticas vigentes. Em razão disso, para além dos fundamentos constitucionais, é preciso lembrar as conseqüências práticas da ausência de Defensoria Pública no Estado de Santa Catarina.

É fato notório que o principal obstáculo à Defensoria vem da OAB-SC, sob o argumento de que nos moldes como existe, a defesa dativa alcança a todas as Comarcas, tendo em seus quadros milhares de advogados. A questão é que a Defensoria, conforme a Constituição, atua em várias outras frentes, como órgão distinto e independente, alcançando não só as searas individuais forenses como também lides coletivas e situações extrajudiciais. Além disso, muitas vezes o defensor dativo é recém-egresso da universidade e, após dois ou três anos, acaba por comunicar que está se desligando do convênio. Sem generalizações, isso acaba deixando aos mais carentes, muitas vezes, um profissional inexperiente.

Por outro lado, é preciso registrar que a remuneração pelo convênio da OAB é feita com base em uma tabela de Unidade de Referência de Honorários (URH), que variam de 10 (550 reais) a 20 URHs (1,1 mil reais) por processo. O valor é muito inferior ao que o advogado ganha com clientes particulares, o que propicia em muitos casos que o advogado dativo, que também tem uma carteira de clientes, dê prioridade aos particulares. Além disso, do repasse de cerca de 1,2 milhão de reais por mês que o estado faz à OAB para o pagamento dos advogados, 10% são retidos como indenização pelos gastos administrativos.

A criação de uma Defensoria Pública em Santa Catarina, portanto, receberia por certo o valor que já é repassado à OAB, como início orçamentário. Posteriormente, com o fortalecimento e crescimento do órgão, dotação maior seria destinada, é claro. Ainda é certo que, com o passar do tempo, consolidando-se a instituição, o quadro estabilizar-se-ia e o custo também acabaria por se estabilizar.

O Estado contemporâneo tem se colocado no centro e principal papel de construção social. Seu crescimento, adentrando em praticamente todas as camadas do homem, resulta em crescentes exigências dos cidadãos, não só no respeito aos direitos individuais, mas na implementação dos direitos sociais. Isso resulta, é claro, em graves problemas de legitimação. E é exatamente por uma questão de legitimidade, nos redutos mais fundamentais dos direitos sociais, onde está a Justiça, que o Estado não pode atuar com base somente na análise econômica do Direito.

Se pretendemos um Estado Democrático de Direito, se pretendemos alcançar um padrão de civilidade onde Justiça significa uma perspectiva ética sobre Direito e Estado, então é preciso com urgência que Santa Catarina acompanhe os outros estados da Federação e respeite os preceitos constitucionais, criando a Defensoria Pública Estadual, com autonomia funcional e administrativa. Os cidadãos catarinenses agradecem.

 

FONTE: Artigo do de João Marcos Buch, Juiz de Direito na 2ª Vara Criminal da Comarca de Joinville/SC e membro do Conselho de Administração da Associação Juízes para a Democracia, publicado em 11-07-2011, no Consultor Jurídico

 

 

Notícias

MEC permite uso de nome social de transexuais no ensino básico

MEC permite uso de nome social de transexuais no ensino básico Publicado em: 19/01/2018 Está permitido pelo MEC o uso de nome social de travestis e transexuais nos registros escolares de ensino básico. Portaria 33, que homologa parecer com a permissão, foi publicada nesta quinta-feira, 18, no...
Leia mais

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz'

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz' Publicado em: 16/01/2018 Em 2009, Polly Kitzinger sobreviveu a um acidente de carro, mas ficou com sérias lesões cerebrais. A irmã dela, Jenny, diz que Polly não teria desejado ser submetida a tantas intervenções médicas que a permitiram ficar...
Leia mais

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer 15 de janeiro de 2018, 8h00 Por Ivan Carneiro Castanheiro e Andreia Mara de Oliveira Núcleo urbano informal, segundo artigo 11 da Lei 13.465 de 11 de julho de 2017, é o assentamento clandestino, irregular ou no qual não foi possível...
Leia mais

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME SOB PENA DE TER QUE INDENIZAR por AF — publicado em 11/01/2018 18:57 A juíza da 6ª Vara Cível De Brasília condenou o comprador de uma motocicleta a pagar R$ 5 mil a título de danos morais ao vendedor, por não ter providenciado a...
Leia mais

Condenados podem passar a arcar com o custo da tornozeleira

09/01/2018 - 09h01 Proposta determina que condenado pagará pelo custo de tornozeleira eletrônica A Câmara analisa proposta para que condenados monitorados eletronicamente podem passar a arcar com o custo da tornozeleira. O texto (PL 8806/17), do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), altera a...
Leia mais

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias 8 de janeiro de 2018, 7h00 Por Thiago Vasconcellos O ineditismo do tema descortina uma série de oportunidades e questionamentos, especialmente na esfera jurídica. Uma pergunta interessante diz respeito à possibilidade (e os efeitos daí...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados