No PI, ministra defende fim da "aposentadoria" para juiz corrupto

26/10/11, 21:54

De acordo com a ministra, a lei orgânica da magistratura é de 1970 e está “vetusta”. 

A corregedora do Conselho Nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, defendeu em Teresina a extinção das chamadas “aposentadorias” para os magistrados corruptos. Na capital piauiense, a ministra, que recebeu medalha do mérito, reafirmou que há corrupção no judiciário.

“Precisamos de uma nova lei orgânica da magistratura que traga sansões adequadas, modernas e precisas, que acabe com essa história de que aposentadoria é sansão”, afirmou a magistrada durante entrevista coletiva no Tribunal de Justiça do Estado.

De acordo com a ministra, a lei orgânica da magistratura é de 1970 e está “vetusta” e não é compatível com a Constituição de 1988.

 

Corrupção

Ao discursar para uma plateia de 200 pessoas, a ministra voltou a afirma que há corrupção no judiciário e disse que está sendo alvo de muita especulação, devido suas posições.

“Sim. Nós temos corruptos e é preciso que tenhamos a força moral de dizer que temos (corruptos) e apontarmos quem são, sob pena de estarmos nivelando por baixo”, afirmou a ministra.

Devido o histórico de injustiça, apropriação da coisa pública no País, a ministra disse que é preciso lutar contra a magistratura inerte. “Sou uma crítica ferrenha da magistratura passiva, da magistratura de papel, que só tem poder de caneta”, disse.

Ela admitiu que se preparou para ser corregedora e quer mudar a imagem do judiciário. Segundo a ministra, os magistrados não têm como fugir da gestão transparente.

“Ninguém esconde nada neste século 21. A internet, notebook, o twitter e tantas outras formas de comunicação. Nas entranhas do tribunal, nas entranhas do mundo político, enfim, nada se esconde. E nós estamos parecendo tolos querendo deixar escondido o segredo do polichinelo (expressão usada para aquilo que todos já sabem)”, disse Eliana Calmon.

 

Precatórios

Em Teresina, a ministra denunciou esquema nos tribunais de justiça para agilizar precatórios. “Inclusive, em alguns tribunais é uma verdadeira fonte de corrupção. Onde os cidadãos muitas vezes fazem a negociação (dos precatórios) com deságios de até 90%”, disse.

Eliana Calmon defendeu ainda corregedorias independentes e autônomas para investigar magistrados.

 

Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com

Extraído de cidadeverde.com

Notícias

Incide IR em valor pago por cláusula de não competição, diz Receita

COMPRA DE AÇÕES Incide IR em valor pago por cláusula de não competição, diz Receita 21 de junho de 2019, 9h45 Por Gabriela Coelho Diferença positiva entre o valor da venda e o custo de aquisição de participação societária caracteriza ganho de capital, afirma Receita Confira em Consultor Jurídico
Leia mais

Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável

MP NO DEBATE Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável 17 de junho de 2019, 8h00 Por Maria Fátima Vaquero Ramalho Leyser Antes da promulgação da Constituição Federal de 1988, a convivência entre homem e mulher, como se fossem casados, isto é, a união estável entre pessoas de sexo...
Leia mais

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará Publicado em 12/06/2019 - 20:49 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil  Brasília Foi publicada hoje no Diário Oficial da União uma lista com 287 atividades econômicas que não precisarão de autorizações prévias para...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados