O que diz a lei - Direito de família

Clipping - O que diz a lei - Direito de família - Casamento - Critérios para transferência de bens

Jornal Estado de Minas

O que diz a lei - Direito de família

As perguntas devem ser enviadas para o e-mail direitoejustica.em@uai.com.br
Ana Carolina Brochado Teixeira - Advogada especializada em Direito de Família e Sucessões, professora de Direito Civil no Centro Universitário UNA, diretora do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Casamento

Critérios para transferência de bens


Sou casada com um cidadão americano, apesar de ele ser brasileiro, somente nos Estados Unidos. Não homologuei o meu casamento no Brasil. Nos casamos em New York e atualmente vivemos na Flórida. Antes desse casamento, adquiri alguns bens imóveis no Brasil. Vendi um apartamento aqui no Brasil e pretendo comprar um imóvel nos Estados Unidos, na Flórida. Meu marido já teve alguns relacionamentos anteriores e tem dois filhos, sendo um deles menor de idade (atualmente com nove anos), com esposas diferentes. Nós temos uma filha que reside no Brasil. O meu questionamento é: o que devo fazer para que os bens que eu adquirir, com o dinheiro proveniente da venda dos meus bens no Brasil, sejam herdados somente pela minha filha no caso da minha falta ou da dele? Não quero que os filhos e/ou ex-mulheres dele tenham direito, uma vez que os recursos foram por mim adquiridos antes do meu casamento com ele.

>> Solange Coimbra, por e-mail

Cara Solange,

Primordialmente, a resposta depende do regime de bens em que vocês são casados, pois é o regime que determinará o estatuto patrimonial, as regras que regerão as relações patrimoniais entre os cônjuges e entre estes e terceiros. Na sua pergunta, não consta essa informação; todavia, tudo indica que o casamento realizou-se sob a égide da comunhão parcial de bens, pela articulação argumentativa que você construiu.

Então, tomando-se como base esse regime, pertencem igualmente ao casal todos os bens adquiridos onerosamente na constância do casamento, fruto do esforço direto ou indireto do casal.

Por esse raciocínio, são bens particulares aqueles comprados antes do casamento ou os que foram recebidos por doação ou herança a qualquer tempo. Também pertencem apenas a um dos cônjuges os bens que são fruto da subrrogação de bens particulares, ou seja, se você vende um bem que é apenas seu e compra outro bem pelo mesmo valor, mesmo que seja na constância do casamento, a característica de bem particular se transmite a esse novo bem.

Situação semelhante acontece quando o bem particular é usado em parte para a aquisição de novo bem; neste caso, apenas o percentual do novo bem, produto da venda do bem individual, pertencerá somente a um dos consortes.

Por exemplo, a pessoa vende um imóvel próprio por R$ 100 mil e compra outro na constância do casamento por R$ 150 mil. No momento da partilha desse novo bem, ela terá direito aos R$ 100 mil iniciais e mais R$ 25 mil, já que os R$ 50.000,00 são comuns, razão pela qual deverão ser divididos.

No seu caso, o que você pretende é que os bens que você adquiriu antes do casamento sejam somente seus e, no caso do seu falecimento, sejam atribuídos à sua filha.

Nessa hipótese, temos duas situações:

Uma vez alienados os bens que têm como origem a data anterior ao casamento - e que pertencem apenas a você -, deve constar na escritura do novo bem a causa, isso é, a forma de aquisição, para que se caracterize a subrrogação. No Brasil, trata-se de obediência às regras do regime de bens.

Além disso, pelas leis brasileiras, é possível fazer um testamento - no seu caso, destinando até 50% do seu patrimônio para alguém, o que seria uma forma de beneficiar sua filha, destinando a ela essa parte dos seus bens. A outra parte, ela poderá ou não dividir com o seu marido, dependendo do regime que vocês são casados.

 

 

Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno Direito e Justiça
Publicado em 25/07/2011

Extraído de Recivil

 

Notícias

Bem de família é impenhorável se dado em garantia por sócio de empresa

EU VOU SOPRAR, SOPRAR... Bem de família é impenhorável se dado em garantia por sócio de empresa 28 de setembro de 2020, 18h44 Por Tábata Viapiana No entanto, o terceiro juiz, desembargador Alberto Gosson, divergiu do relator. Para ele, não está preenchido o requisito para afastamento da constrição...

Bens alienados fiduciariamente podem ser alvo de busca e apreensão

Bens alienados fiduciariamente podem ser alvo de busca e apreensão De acordo com a decisão, o decreto-lei que permite ao credor ou ao proprietário fiduciário requerer a medida foi recepcionado pela Constituição de 1988. 24/09/2020 17h16 - Atualizado há O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF)...

MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos

LEI 14.063/20 MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos 24 de setembro de 2020, 12h22 Por Tiago Angelo A normativa (Lei 14.063/20) prevê a criação de duas modalidades de assinatura: a simples e a avançada. Clique aqui para ler a lei Confira em Consultor Jurídico

Alteração do regime de bens do casamento

Alteração do regime de bens do casamento Marina Aidar de Barros Fagundes Aqui cabe apenas um parêntesis para destacar que casamento celebrado para maiores de 70 anos enseja a aplicação do regime da separação legal, ou separação obrigatória de bens. quarta-feira, 23 de setembro de 2020 Ao se...

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr.

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr. Podemos, enfim, comemorar. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que regulará o tratamento de dados pessoais, veio, enfim, ao mundo (18/9). Porém ao estabelecer como todos nós poderemos exercer nossos direitos, ela traz em sua...

STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas

INSTRUMENTO DE COERÇÃO STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas 22 de setembro de 2020, 7h26 Por Danilo Vital Na avaliação do ministro Benedito Gonçalves, no caso, as astreintes foram transformadas em uma forma indireta de agravar a multa administrativa. Confira em Consultor...

Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos

VOTO 'CAFÉ COM LEITE' Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos 20 de setembro de 2020, 7h18 No caso julgado, o TJ-SP entendeu que o voto pode ser desconsiderado quando este for o único integrante de uma das classes de créditos do processo. Confira em Consultor...