Parlamentares apresentam novas propostas de correção da tabela do IR

 

10/02/2011 21:00

Deputados apresentam propostas de correção do Imposto de Renda

Em meio à discussão entre governo e sindicalistas, parlamentares apresentam novas propostas de correção da tabela do IR. Deputados defendem índices maiores do que os 4,5% sugeridos pelo Executivo.

Arquivo - Laycer Tomaz
Silva quer correção de 6,46% para recuperar inflação de 2010.

A necessidade de correção da tabela do Imposto de Renda é consenso na Câmara, mas deputados ainda divergem sobre o percentual. Discutido entre governo e centrais sindicais, o tema já está presente em propostas apresentadas neste início de legislatura.

A correção da tabela pretende preservar o aumento real de salário que algumas categorias conquistaram nos anos anteriores. Quando o salário é reajustado e a tabela não é corrigida, muitos trabalhadores acabam saindo da faixa de isenção do tributo ou passam a ser submetidos a alíquotas maiores. Ou seja: apesar de ganharem mais, pagam mais impostos.

Neste momento, o governo sinaliza que pode corrigir a tabela em 4,5%, mas quer, em contrapartida, que as centrais sindicais concordem com um salário mínimo de R$ 545. Já o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), propõe uma correção de 6,46%, o que recuperaria a inflação do ano passado.

Silva apresentou uma emenda à MP 516/10, que trata do salário mínimo. "A ideia que a gente tem não é nem pedir o atrasado. É pedir aquilo que a inflação corroeu", disse. De acordo com o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal, a defasagem acumulada desde 1995 na correção da tabela já chega a 64%.

Outra proposta apresentada neste ano, o PL 20/11, do deputado Milton Monti (PR-SP), reajusta a tabela do Imposto de Renda em 7,6%. O índice se baseou no IPCAMede a variação de preços referentes ao consumo de famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos, entre os dias 1º e 30 do mês de referência. Abrange nove regiões metropolitanas do País (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Porto Alegre e Curitiba), além do município de Goiânia e de Brasília. Calculado desde 1980, oferece uma medida do movimento geral dos preços no mercado varejista. Desde 1999 é usado pelo Banco Central para medir as metas de inflação. acumulado de 2007 a 2010, subtraído das correções autorizadas pelo governo no mesmo período.

Correção gradual
Há parlamentares que defendem, de outro lado, uma correção gradual da tabela, a médio prazo. O deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) apresentou o PL 177/11 que propõe uma tabela progressiva de correção com base no INPC, até 2014. "Estou propondo fazer a correção daqui para a frente e, depois, negociar o que ficou para trás. Acredito que o projeto vai atender a necessidade de geral de quem paga impostos", afirma Avelino.

O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) também prepara um projeto de lei com uma tabela de correção a médio prazo. Na proposta de Garotinho, porém, a correção seria calculada com base no PIB, assim como ocorre com o salário mínimo. “A mesma regra deveria valer para os dois. Se não, os salário sobem numa proporção e a tabela do Imposto de Renda, em outra”, defende.

 

Reportagem - José Carlos Oliveira / Rádio Câmara
Edição – Daniella Cronemberger - 
Agência Câmara de Notícias

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados