Proposta que muda a Lei de Licitações aguarda votação na CCJ

06/09/2012 11:11

Proposta que muda a Lei de Licitações aguarda votação na CCJ

Enquanto o líder da Minoria defende a criação de uma comissão especial para discutir o assunto, na internet a sociedade apresenta sugestões para modificar a legislação.

Arquivo/ Leonardo Prado
Fabio Trad
Trad quer debater o assunto em audiência pública antes de elaborar o parecer.

A Câmara analisa várias propostas que modificam a Lei de Licitações (8.666/93). A principal é o Projeto de Lei 1292/95, do Senado. O texto, que tem 150 propostas apensadas, aguarda votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. O projeto já foi rejeitado nas comissões de Trabalho, Administração e Serviço Público; e de Finanças e Tributação.

Segundo o relator na CCJ, deputado Fabio Trad (PMDB-MS), a maioria dos projetos busca aumentar penas para quem fraudar o processo licitatório. Há ainda propostas para ampliar o alcance do pregão eletrônico e outras que procuram importar mecanismos do RDC para a Lei 8.666. “Há uma demanda social muito intensa em defesa de uma lei de licitações que, além de vedar as práticas fraudulentas, também não impeça que haja uma agilidade no processo licitatório”, afirma Trad.

Algumas propostas, por exemplo, preveem a publicação do edital na internet e o pagamento da taxa por boleto bancário para que os participantes não se conheçam e não possam combinar o processo licitatório. “Precisamos readequar a lei à modernidade e fazer com que haja mais segurança jurídica sem comprometer a agilidade na máquina burocrática para que as licitações surtam resultados satisfatórios”, analisa o relator.

Comissão
Na opinião do líder da Minoria, deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), seria necessário uma comissão para se discutir a 8.666/93. “Em lugar de votar alguma coisa que melhore o arcabouço jurídico, estamos votando uma lei que permite gambiarras”, critica.

Ele lembrou que a criação da Lei de Licitações veio como reflexo da CPI dos “anões do orçamento”, de 1992, em que parlamentares cobravam propinas de prefeitos e empresários para incluir obras no Orçamento. “Quando o Brasil inteiro ficou estarrecido com o queijo suíço que era a nossa legislação, formou-se uma comissão e o produto final foi a 8.666/93. Foi um trabalho profícuo para proteger a população e o Erário”.

 
Câmara - Participação Popular - Selo internet - mouse
Quem quiser pode dar sugestões ao projeto, artigo por artigo, no Wikilegis

Debate virtual
A sociedade também pode sugerir mudanças na Lei de Licitações por meio da comunidade virtual no e-Democracia. A página já teve quase 18 mil visualizações e recebeu mais de 200 sugestões.

A ampliação da abrangência do pregão para, por exemplo, obras de construção civil e concessões de serviços públicos é um dos temas mais discutidos na comunidade. Outro ponto debatido é a ampliação ou não das sanções para os crimes no processo licitatório e a necessidade de maior transparência do processo para aumentar o controle social.

Trad já adiantou que poderá adotar algumas das sugestões apresentadas pela sociedade no relatório final.

 

Veja quais são as modalidades de licitações no Brasil

 

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Natalia Doederlein

Agência Câmara de Notícias

 

Notícias

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias A proposta é um importante mecanismo de aprimoramento do mercado imobiliário e de oferta ao crédito No fim de novembro, o governo federal enviou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei nº 4.188/21, o novo Marco Legal das...

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos O texto, que tramita no Senado, tem como objetivo deixar as decisões dos Tribunais Superiores e de 2ª instância mais claras. quarta-feira, 5 de janeiro de 2022 Está em tramitação no Senado Federal o PL 4.311/21, de autoria do senador Rodrigo Cunha,...

Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ

FUNÇÃO PÚBLICA Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ 23 de dezembro de 2021, 18h19 Por Danilo Vital Em seu voto, a ministra Nancy Andrighi explica que os imóveis públicos, mesmo desocupados, possuem finalidade específica, de atender a necessidades da...

Artigo: Pacto antenupcial e contrato de namoro – Por Luís Ricardo S. Vinhaes

Artigo: Pacto antenupcial e contrato de namoro – Por Luís Ricardo S. Vinhaes O contrato de namoro é o estabelecimento de regras ao namoro entre pessoas, que visa afastar os efeitos da presunção da união estável. Já o pacto antenupcial é um instrumento de prevenção de conflitos entre cônjuges, um...

JusBrasil – É importante regulamentar a União Estável?

JusBrasil – É importante regulamentar a União Estável? A União Estável está presente na vida de muitos casais, muitos ainda não sabem a importância da regulamentação da União Estável, para fins de prova, após, uma eventual separação. Infelizmente, somente após uma separação, é possível perceber a...

STF valida georreferenciamento obrigatório para registro de propriedade rural

QUESTÕES DE TERRA STF valida georreferenciamento obrigatório para registro de propriedade rural 28 de dezembro de 2021, 11h15 O interesse público é atendido porque a obrigatoriedade de georreferenciamento dos imóveis rurais e sua consequente certificação pelo INCRA permite combater a grilagem de...

Enfim, uma boa notícia no âmbito do Imposto de Renda

JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Enfim, uma boa notícia no âmbito do Imposto de Renda 27 de dezembro de 2021, 8h00 Por Fernando Facury Scaff Como se vê, é um projeto simples e direto, em busca daquilo que a sociedade necessita, que é o alívio da carga tributária — parabéns ao Senador e sua assessoria. Confira em...

Condomínio não é parte legítima para pagar IPTU de áreas comuns, diz TJ-PB

PAGA OU NÃO PAGA? Condomínio não é parte legítima para pagar IPTU de áreas comuns, diz TJ-PB 21 de dezembro de 2021, 7h23 O magistrado pontuou, ainda, que a jurisprudência do STJ estabelece que "somente a posse com animus domini é apta a gerar a exação predial urbana, que não ocorre com o...