Restaurantes self-service podem significar risco à saúde

Self-Service: prático sim, mas perigoso!

Pesquisa revela que restaurantes self-service podem significar risco à saúde. Para otimizar a conservação de alimentos, equipamentos potentes e especializados devem estar presentes no serviço de buffet

Pela redação - www.incorporativa.com.br
11/08/2011

Com o dia-a-dia agitado, milhares de pessoas não podem se dar ao luxo de almoçar em casa nem de preparar o seu próprio alimento. Por conta disso, optam por almoçar em restaurantes, como, por exemplo, os de autosserviço ou self-service – como são mais conhecidos. Mas você já parou para pensar em como esses estabelecimentos têm armazenado e manejado os alimentos disponíveis no buffet? Sabia que a mesma opção de alimentação que parece acessível na sua rotina pode representar uma ameaça à sua saúde?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), milhões de pessoas adoecem todos os anos em virtude de ingestão de alimentos contaminados. E as causas vão desde os descuidos com a conservação dos alimentos, sejam eles frios ou quentes, até o manuseio incorreto das comidas – fatores que aumentam as chances de intoxicação.

Uma pesquisa realizada pela USP, em janeiro desse ano, mostrou que almoçar em restaurantes self-service na cidade de São Paulo entre 14h e 15h pode significar um risco à saúde. Segundo o estudo, nesse horário a maioria dos alimentos disponíveis nos restaurantes está imprópria para o consumo devido ao longo tempo de exposição a uma temperatura inadequada. O ideal é que as saladas e os demais pratos frios devem estar sobre recipientes com gelo, a uma temperatura que não pode passar dos 10ºC. Já os pratos quentes devem ser conversados a um calor de 60ºC, para que não haja o risco de contaminação.

Para Nilton Cunha, responsável pelo Marketing da COZIL, a principal preocupação desse tipo de estabelecimento deve ser, principalmente no equipamento utilizado. “Não basta ter ótimos cozinheiros, vasta opção no cardápio e não oferecer a segurança necessária naquilo que está será servido. Uma comida em temperatura inadequada não é fica apenas com gosto insosso, mas também é nocivo à saúde do consumidor”, alerta.

Outro erro que compromete a saudabilidade do alimento é a reposição de comida sem troca de recipiente. Os resíduos que permanecem na porção anterior podem estar contaminados e com isso passa para o restante da comida. Os famosos ‘paninhos’ que são utilizados para a limpeza também são exemplos do que não fazer. Dados do Ministério da Saúde indicam que alimentos crus, como ovos e carnes vermelhas, são responsáveis em média, por 34,5% dos surtos de doenças transmitidas por alimentos que ocorrem no Brasil.

Equipamentos são fundamentais

O aquecimento e resfriamento dos alimentos nos estabelecimentos de self-service é algo que está ligado aos equipamentos utilizados. A COZIL, empresa líder de mercado no segmento de cozinhas profissionais, possui uma linha especializada para esse tipo de serviço, a Buffet Line, que oferece requinte e funcionalidade para servir os alimentos, sejam eles quente ou frio. Além disso, a empresa oferece também sua linha de Cocção Power Line, que otimiza as fases de produção e permite que se produza grande capacidade de alimentos de modo seguro, eficiente e prático.

“A COZIL preza pela qualidade em seus produtos, que resfriam e mantém aquecidos os alimentos conforme necessidade. Além disso, os equipamentos são desenvolvidos com sistema antiaderente, o que facilita a higienização do produto”, finaliza o responsável pelo Marketing da empresa, Nilton Cunha.

 

Fonte INCorporativa


 

 

Notícias

Imunidade do ITBI não alcança valor que excede capital integralizado, diz STF

VITÓRIA DO FISCO Imunidade do ITBI não alcança valor que excede capital integralizado, diz STF 6 de agosto de 2020, 14h40 Por Danilo Vital “Nada impede que os sócios ou os acionistas contribuam com quantia superior ao montante por eles subscrito, e que o contrato social preveja que essa parcela...

Incide ICMS na venda de veículos por locadoras, diz STF

CONVÊNIO DO CONFAZ Incide ICMS na venda de veículos por locadoras, diz STF 5 de agosto de 2020, 20h26 Por Danilo Vital Ao serem revendidos, perdem essa característica e passam ser considerados mercadoria, pois introduzido no processo circulatório econômico. Por isso, incide ICMS. Confira em...

Quando o divórcio ultrapassa o âmbito das varas cíveis

Quando o divórcio ultrapassa o âmbito das varas cíveis Martina Catini Trombeta Quando o processo de divórcio ou dissolução de união estável passa a ter um agressor e uma vítima, pode ser necessária a adoção de medidas protetivas. Nesse momento ultrapassa -se o âmbito do direito de família, e há uma...

A casa depois do divórcio. E agora?

A casa depois do divórcio. E agora? A casa de morada da família pode ser entregue ou atribuída a ambos os cônjuges. Redação 04 agosto 2020, 5:11 O que acontece à casa de morada da família quando há um ponto final numa relação? Com o divórcio – a pandemia da Covid-19 está a contribuir para que haja...

Cartórios lançam Campanha Nacional para Proteção Patrimonial dos Idosos

Cartórios lançam Campanha Nacional para Proteção Patrimonial dos Idosos Ouça a entrevista com Fernanda de Almeida Abud Castro, diretora executiva da Anoreg/BR Revista Brasil No AR em 29/07/2020 - 12:25 Os idosos têm sido foco de atenção dos cartórios de todo o país,...