TRT declara nulo processo ao reconhecer a inexistência de citação válida de espólio

Por unanimidade, a Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região declarou a nulidade de processo a partir da f. 62 ao reconhecer a inexistência de citação válida de espólio. A decisão reforma sentença de Juiz da Vara do Trabalho de Aquidauana que, considerando o falecimento do empregador, determinou a retificação do pólo passivo da ação para constar o espólio e o considerou regulamente citado na pessoa da curadora, sua filha e herdeira.

O Juiz registrou que a filha do empregador havia faltado com a verdade já que em petição protocolada em 23 de fevereiro de 2011, dia anterior a audiência inicial, informou sobre a inexistência do processo de inventário, mas ela seria inventariante nomeada desde 16 de fevereiro de 2011. Ao não comparecer à audiência, o magistrado julgou à revelia, considerando o réu confesso quanto à matéria de fato, julgando parcialmente procedentes o pedido do empregado.

Em recurso, a filha do empregador morto argumentou que só passou à condição de representante legal do espólio em 2 de março de 2011 com a expedição de certidão inventariante e após decurso de prazo para eventual impugnação de sua nomeação, por isso, quando da audiência inicial, não detinha legitimidade para representar o espólio.

Segundo a Juíza Convocada Izabella de Castro Ramos, Relatora do processo, o empregador veio a óbito antes do ajuizamento da ação e, por isso, a demanda deveria ter sido direcionada em face do espólio, representado em juízo pelo inventariante ou, se ainda não prestado o compromisso, pelo administrador provisório.

"Mas assim não ocorreu. A rigor, ação foi ajuizada em face de pessoa falecida e em nome desta foi expedida a citação na pessoa da representante (curadora). Disto resulta a inequívoca conclusão de que o processo estava irregular desde o seu nascedouro, faltando ao sujeito passivo da ação capacidade de ser parte", expôs a Juíza Izabella. Assim, "a citação de pessoa falecida, por herdeira que a representou em vida na condição de curadora, é um 'não-ato', por falta de pressuposto processual. Simplesmente não existe".

Ela ressalta em seu voto que nomeação ulterior da herdeira como inventariante em 16 de fevereiro de 2011 , "não tem o condão de validar a citação, seja porque não é possível validar aquilo que, juridicamente, não existe, seja porque o espólio não se confunde com o de cujus".

Dessa forma, completa a Relatora, o Juiz de origem não poderia, após reconhecer que a notificação foi inválida, validar todos os atos processuais realizados com despacho determinando, somente na sentença, a retificação do pólo passivo da ação para espólio.

"O fato é que o prosseguimento do feito nas circunstâncias relatadas violou o princípio do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa. Assim, provejo o recurso para declarar a nulidade do processo a partir da f. 62, determinar o retorno dos autos à origem para inclusão do processo em pauta de audiência inicial, com apresentação de defesa e documentos", finalizou a Relatora.

Proc. N. 0000005-52.2011.5.24.0031 (RO.1)

 

Fonte: TRT 24ª Região

Publicado em 27/09/2011

Extraído de Recivil

Notícias

Mães não precisam ser casadas para registro de filhos por fertilização

Mães não precisam ser casadas para registro de filhos por fertilização A juíza ressaltou a importância de suprir lacunas na legislação para garantir a proteção dos direitos das crianças e das genitoras. Da Redação quinta-feira, 13 de junho de 2024 Atualizado às 18:14 Não é necessário que genitoras...

Modificações no art. 63 do CPC via Lei 14.879/24: 6 pontos de preocupação

OPINIÃO Modificações no art. 63 do CPC via Lei 14.879/24: 6 pontos de preocupação Murilo Teixeira Avelino 11 de junho de 2024, 18h33 Com a alteração legislativa, a eleição de foro contratual ficou extremamente limitada: as partes só podem escolher, consensualmente, litigar perante os órgãos com...

Certidão com efeito de negativa prova quitação de dívida, decide TJ-DF

TUDO NOS CONFORMES Certidão com efeito de negativa prova quitação de dívida, decide TJ-DF 11 de junho de 2024, 7h51 Relator do agravo, o desembargador Robson Barbosa de Azevedo explicou que o artigo 192 do Código Tributário Nacional estabelece que o formal de partilha só pode ser expedido mediante...

TJ/RO autoriza intimações judiciais via WhatsApp

Inovação TJ/RO autoriza intimações judiciais via WhatsApp A novidade entra em vigor a partir de 16/6, e é totalmente opcional e voluntária aos jurisdicionados. Da Redação segunda-feira, 10 de junho de 2024 O Poder Judiciário de Rondônia, por meio da CGJ - Corregedoria Geral da Justiça, adotou o...

Imunidade de ITBI na integralização de bens no capital social

OPINIÃO Imunidade de ITBI na integralização de bens no capital social João Vitor Calabuig Chapina Ohara Lucas Fulante Gonçalves Bento 10 de junho de 2024, 13h20 A decisão judicial mais relevante sobre o tema foi proferida no Recurso Extraordinário n° 796.376, em que o Supremo Tribunal Federal fixou...

Limitação à autonomia da cláusula de eleição de foro

Limitação à autonomia da cláusula de eleição de foro Davi Ferreira Avelino Santana A eleição de foro (aquela cláusula esquecida na maioria dos contratos) agora não pode se dar sem guardar pertinência com o domicílio ou a residência de uma das partes ou com o local da obrigação. sexta-feira, 7 de...