Alterações no Supersimples devem estimular exportações das micro e pequenas empresas

Alterações no Supersimples devem estimular exportações das micro e pequenas empresas

Das quase cinco milhões de empresas enquadradas no regime tributário, apenas 12 mil exportam

 

11/04/2011

Estimular a exportação por parte das micro e pequenas empresas é um dos principais objetivos proporcionados pelas mudanças no Supersimples, que estão sendo negociadas com o governo. Hoje, das quase cinco milhões de empresas enquadradas no regime tributário, apenas 12 mil exportam.

Pelas propostas colocadas na mesa, as empresas que faturarem com exportações valores superiores aos limites de faturamento permitidos pela legislação do Supersimples poderão, da mesma forma, usufruir dos benefícios fiscais desse regime – até um teto de R$ 7,2 milhões anuais.

De acordo com Glauco Pinheiro da Cruz, diretor do Grupo Candinho Assessoria Contábil, se as mudanças forem aceitas pelo governo, em nada muda a declaração das empresas optantes pelo Supersimples. “Porém, caso as alterações não sejam aceitas, as empresas que, com as exportações, ultrapassarem os limites de faturamento para efeito de enquadramento nesse regime tributário deverão ficar atentas para possíveis penalidades”, alerta Pinheiro da Cruz.

Supersimples

Nesse regime tributário, as empresas pagam uma alíquota única para todos os impostos, inclusive a contribuição previdenciária, que varia de 4% a 12%. As alterações que estão sendo negociadas podem beneficiar empresas com faturamento anual ancorado em exportações de até R$ 7,2 milhões, o dobro do teto de R$ 3,6 milhões que é fixado pelo projeto de lei 591, que tramita na Câmara dos Deputados e corrige as atuais faixas do Supersimples em 50%.

Caso prevaleça o percentual de 50%, as faixas de enquadramento passarão de R$ 36 mil para R$ 54 mil por ano (no caso do faturamento dos empreendedores individuais), de R$ 240 mil para R$ 360 mil (microempresa) e de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões (pequena empresa).

Extraído de Revista INCorporativa

 

 

Notícias

Trisais: ‘Estado não pode se colocar contra essa realidade’, diz advogado

Trisais: ‘Estado não pode se colocar contra essa realidade’, diz advogado Relacionamentos não monogâmicos não são permitidos dentro da constituição brasileira. Os tribunais superiores, o STF e o STJ, entendem que que pessoas que praticam poliamor estão praticando concubinato (relação entre homens e...

Princípio de Saisine: posição jurisprudencial do STJ e direito de herança

OPINIÃO Princípio de Saisine: posição jurisprudencial do STJ e direito de herança 3 de julho de 2022, 17h06 Por Gerson Lopes Fonteles Em recente entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento no recurso especial de um herdeiro que desejava anular deliberações...

Governo entrega primeiras carteiras de identidade nacional

Governo entrega primeiras carteiras de identidade nacional Origem das Imagens/Fonte: Anoreg/BR Detalhes do novo modelo de passaporte também foram apresentados. O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de emissão das novas carteiras de identidade nacional nos estados e do lançamento...

O que há em comum entre o divórcio e a dissolução parcial de sociedade

OPINIÃO O que há em comum entre o divórcio e a dissolução parcial de sociedade 29 de junho de 2022, 7h12 Por Ana Carolina Lessa Um dos principais tema do Direito de Família é o casamento, que estabelece, concomitantemente, sociedade conjugal e vínculo matrimonial. Leia em Consultor Jurídico