Aos 60 anos, mulher comemora reconhecimento de paternidade

Aos 60 anos, mulher comemora reconhecimento de paternidade: 'sempre tive esse desejo'

Publicado em: 28/06/2018

Aos 60 anos, a moradora de Gurupi Cícera Alves Macedo tem muito o que comemorar. Ela foi criada longe do pai biológico Amadeu de Souza Costa, hoje com 88 anos, e chegou a pensar que ele estava morto, mas agora teve a paternidade reconhecida e vai ter o nome dele nos documentos. O caso foi acompanhado pela Defensoria Pública do Tocantins.

Para ter o reconhecimento, não foi necessário um processo judicial, já que as partes estavam de acordo. Segundo o Conselho Nacional de Justiça, o reconhecimento espontâneo é a vontade livre de reconhecer o filho e poderá ser feito no registro de nascimento, através de uma escritura pública ou um termo particular.

Nesse caso, pai e filha fizeram um acordo na Defensoria Pública no dia 6 deste mês. O documento foi enviado ao cartório que fez o registro de nascimento para a retificação e a inclusão do nome.

A dona de casa relata que sempre soube da existência do pai biológico, mas não teve a oportunidade de se relacionar com ele. "Quando eu tinha nove meses, ele se separou da minha mãe. Eu fui registrada com o nome do meu padrasto. Ele é uma pessoa maravilhosa, mas no fundo eu tinha vontade de conviver com meu pai. Sempre tive esse desejo, mas as pessoas proibíam o contato".

Em 1982, ela recebeu a informação de que o pai tinha morrido e resolveu mandar uma carta a um irmão dele, que morava em Colinas do Tocantins. "Escrevi falando que era filha de Amadeu, que eu tinha ficado sabendo que ele tinha morrido. Mas na verdade, o meu tio que havia falecido. Dias depois, eu recebi uma carta e o meu pai havia respondido me explicando a situação."

A partir daí, os dois ficaram mais próximos. Em 2006, o pai a procurou e propôs um teste de DNA, que deu positivo. Mas o reconhecimento só foi possível esse mês. "Dentro de mim ficava uma angústia. Estou feliz porque era um sonho e agora vai se realizar, vou ter os documentos com o nome dele. Não pude dar carinho a ele, mas agora posso. Nunca é tarde".

Pai aos 13 anos

A história do vaqueiro Otaciano Almeida, de 61 anos, é parecida com a de Cícera. No dia 14 deste mês, ele finalmente foi reconhecido pelo bai biológico, após um acordo realizado em Gurupi. Foi dispensado exame de DNA porque não havia dúvidas quanto à paternidade.

O pai tinha apenas 13 anos quando Otaciano nasceu. Por causa disso, ele foi criado pelo avô, que morreu anos depois. O vaqueiro, então, passou a morar em outras cidades e perdeu o contato com a família.

A irmã dele, Marisa da Silva, conta que por todos esses anos a família procurou Otaciano. "Anos atrás eu soube que ele estava trabalhando em um fazenda em Formoso do Araguaia. Consegui encontrá-lo e não perdemos mais o contato."

Marisa disse que hoje o irmão e o pai estão felizes com a conquista. "Otaciano está muito alegre e arrependido por passar tanto tempo longe da família.' Hoje o pai está com 74 anos e tem 11 filhos, no total.

O acordo foi encaminhado para o cartório de registro civil do município de Dueré, para acrescentar o nome do pai na documentação, bem como dos avós paternos. O nome de Otaciano também ganhou o sobrenome do pai.

Fonte: G1
Extraído de Recivil

Notícias

Mas o que vem a ser a usucapião extrajudicial?

Usucapião Extrajudicial (*) Jonas Machado Por Redação - 14 de setembro de 2018 A Lei 13.015, de 16 de março de 2015, implementou várias mudanças no Código de Processo Civil (NCPC), assim como a publicação da Lei 13.465/17, que alterou vários artigos do Código Civil no rol dos Direitos de...
Leia mais

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos Published 1 dia atrás em 16/09/2018 Por Susana Küster Documentos sem o nome do pai representam mais do que a falta legal de reconhecimento paterno. Entre outros fatores, o nome traz cidadania e pode, em alguns casos, criar um vínculo...
Leia mais

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos    12/09/2018, 14h29 Atualmente, jovens entre 16 e 18 anos podem se casar, desde que haja o consentimento dos pais ou responsáveis. No entanto, o Código Civil admite, excepcionalmente, a união de quem ainda não...
Leia mais

Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis

JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis 10 de setembro de 2018, 8h00 Por Raul Haidar “Na permuta, com recebimento de torna em dinheiro, será considerado o valor de alienação somente o da torna recebida ou a receber.” Quando ambos os imóveis tiverem...
Leia mais

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, por unanimidade, negou  provimento ao recurso dos autores que objetivava a declaração da prescrição aquisitiva do imóvel em que residem, alegando que preenchem os...
Leia mais

Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito

MP NO DEBATE Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito 3 de setembro de 2018, 11h47 Por Airton Florentino de Barros Assim, antes de punir infratores no trânsito, é dever do Estado — até para cumprir sua função educativa (artigos 5º, 6º, I e 74) ­— promover a necessária...
Leia mais

Casais homoafetivos e a reprodução assistida

Quinta-feira, 30 de agosto de 2018 Casais homoafetivos e a reprodução assistida “Qualquer maneira de amor vale a pena e ninguém, nessa vida, deve ser diminuído em razão dos seus afetos. A vida boa é feita dos nossos afetos, dos prazeres e da busca pela felicidade”. Luiz Roberto Barroso “Os meus, os...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados