As mulheres estão fugindo do campo

Extraído de Recivil


As mulheres estão fugindo do campo

 

 

As moças que nascem na zona rural estão, cada vez mais, saindo dela atrás de estudo e trabalho na cidade.

Há 17 anos, a capela São José, que fica na localidade de Linha Narciso, no interior de Bom Jesus, na região Oeste do Estado, não realiza um casamento. A construção de madeira chega a estar desbotada, com alguns vidros quebrados e com capim crescendo em volta. O local é usado apenas uma vez por semana, para a missa. A situação do pequeno templo reflete uma situação cada vez mais comum: a falta de casamentos no interior. Bom Jesus é uma das 15 cidades que não teve nenhuma união no registro civil durante o ano de 2009, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

E não há perspectiva de que a capela São José será utilizada em breve. Das únicas cinco moças solteiras que moram na Linha Narciso, apenas uma pretende casar nos próximos cinco anos.

"Agora ainda não, mas daqui a um tempo, quero casar", diz Vanessa Dariz, 17 anos.

Adelita Malinski, 19 anos, tem namorado, mas não pretende casar antes dos 25 anos: "Até dá tempo de construir uma igreja nova", brinca. A comunidade pode ficar sem nenhuma delas em poucos anos.

"Eu não vejo nenhum futuro aqui", afirma Francieli Bogoni, 15 anos, que quer sair da comunidade para cursar Medicina.

Andressa Bieleski, 16 anos, em breve vai deixar Linha Narciso para morar com a irmã em Bom Jesus, onde vai buscar emprego. Aline Malinski, 17 anos, quer estudar. Sua irmã, continua na casa dos pais, mas trabalha na cidade de Bom Jesus e vai começar o curso de Letras em Xanxerê. O grupo de jovens da comunidade, que tinha cerca de 20 pessoas, já não existe mais. A maioria deixou a cidade.

A situação da Linha Narciso é o retrato dos dados do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos últimos 10 anos, houve redução de 137.943 pessoas no campo, baixando de 21,25% para apenas 16% da população catarinense. Enquanto o país e o Estado crescem, o campo encolhe. O êxodo rural das mulheres é ainda mais intenso, como revela o documentário Celibato no Campo, lançado no final do ano passado pelos jornalistas Cassemiro Vitorino e Ilka Goldschmidt. Eles se basearam em um estudo do pesquisador da Epagri Milton Silvestro. De acordo com a pesquisa, em 18 municípios do Oeste catarinense, o número de rapazes entre 15 e 19 anos era 16,7% superior ao de meninas em 2000. De acordo com o pesquisador, está ocorrendo uma masculinização e um envelhecimento no campo.


Fonte: Diário Catarinense
Publicado em 10/01/2011

 

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados