Indenização e perdão para homem preso por causa de relação amorosa com a irmã

Fonte: www.espacovital.com.br

Indenização e perdão para homem preso por causa de relação amorosa com a irmã

(25.05.11)

O alemão Patrick Stuebing, de 34 anos, cobra do Estado alemão, na Justiça de seu país, uma indenização de 40 mil euros (cerca de R$ 91 mil) depois que foi preso por manter - sem saber - uma longa relação incestuosa com sua irmã Susan Karolewski.
 
Stuebing tinha sido adotado ainda bebê e conheceu Susan e sua família biológica quando ele tinha 23 anos. Patrick e Susan nunca tinham se visto antes e acabaram se apaixonando. Eles passaram a viver juntos e tiveram quatro filhos. Em junho de 2008 as curiosas circunstâncias foram descobertas.

Patrick ficou dois anos e 20 dias preso por causa da relação com a irmã. Na Alemanha, o relacionamento sexual entre irmãos biológicos é considerado crime - mas no caso específico, só ele foi condenado.

Em 2004, Patrick chegou a fazer voluntariamente uma cirurgia de vasectomia. As informações são do jornal holandês "AD".

Uma decisão judicial, mais tarde, concedeu o perdão judicial - mas o julgado foi atacado por recurso da Procuradoria de Justiça alemã. Agora, Patrick e Susan criaram um saite em que pedem a adesão de pessoas compreensivas e de bem, para deem sua adesão a um abaixo assinado.

"O pano de fundo: dois anos e 20 dias Patrick já passou na prisão. E tudo porque a mulher com quem tem quatro filhos é sua irmã biológica". A revelação vem na página que o casal colocou na Internet. "A chamada pode ser imoral e irresponsável" - diz a página.

"A penalidade não cria nada, mas  traz um sofrimento indescritível" - é o apelo para que cidadãos alemãos subscrevam o manifesto a ser enviado à Justiça. São necessárias 1.000 assinaturas. Até hoje pela manhã já tinham sido obtidas 314.

Para acessar o saite do casal de irmãos biológicos, clique aqui. 
 

Notícias

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz'

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz' Publicado em: 16/01/2018 Em 2009, Polly Kitzinger sobreviveu a um acidente de carro, mas ficou com sérias lesões cerebrais. A irmã dela, Jenny, diz que Polly não teria desejado ser submetida a tantas intervenções médicas que a permitiram ficar...
Leia mais

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer 15 de janeiro de 2018, 8h00 Por Ivan Carneiro Castanheiro e Andreia Mara de Oliveira Núcleo urbano informal, segundo artigo 11 da Lei 13.465 de 11 de julho de 2017, é o assentamento clandestino, irregular ou no qual não foi possível...
Leia mais

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME SOB PENA DE TER QUE INDENIZAR por AF — publicado em 11/01/2018 18:57 A juíza da 6ª Vara Cível De Brasília condenou o comprador de uma motocicleta a pagar R$ 5 mil a título de danos morais ao vendedor, por não ter providenciado a...
Leia mais

Condenados podem passar a arcar com o custo da tornozeleira

09/01/2018 - 09h01 Proposta determina que condenado pagará pelo custo de tornozeleira eletrônica A Câmara analisa proposta para que condenados monitorados eletronicamente podem passar a arcar com o custo da tornozeleira. O texto (PL 8806/17), do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), altera a...
Leia mais

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias 8 de janeiro de 2018, 7h00 Por Thiago Vasconcellos O ineditismo do tema descortina uma série de oportunidades e questionamentos, especialmente na esfera jurídica. Uma pergunta interessante diz respeito à possibilidade (e os efeitos daí...
Leia mais

Justiça gaúcha revoga doação de imóvel de mãe para filho ingrato

Justiça gaúcha revoga doação de imóvel de mãe para filho ingrato Publicado em: 08/01/2018 Uma mãe ofendida e injuriada por seu filho pode retomar um imóvel que doou a ele anteriormente. O artigo 555 do Código Civil prevê a revogação, por ingratidão do donatário, enquanto o artigo 557 elenca os...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados