Mega eventos internacionais

Pequenos negócios e os megaeventos que ocorrerão no País


Só a Copa de 2014 mobilizará cerca de 660 mil turistas estrangeiros, injetando R$ 133,4 bilhões na economia
 

 

06/12/2010 - Dilma Tavares

 

A partir de 2011 até 2016 o Brasil vai sediar pelo menos cinco mega eventos internacionais, principalmente esportivos, que mobilizarão multidões e grandes volumes de recursos. Só a Copa do Mundo de 2014 vai atrair cerca de 660 mil turistas estrangeiros, além dos locais, e injetar R$ 143,4 bilhões na economia brasileira, conforme pesquisa da Ernest & Young e fundação Getúlio Vargas. E o os micro e pequenos negócios precisam se preparar para aproveita essas oportunidades, incluindo aquelas da economia solidária.

O alerta é do ex-diretor técnico e atual consultor do Sebrae, Luiz Carlos Barboza, especialista em desenvolvimento e em pequenos negócios. Barboza mediou e promoveu palestra no painel sobre Desenvolvimento integrado e a realização dos megaeventos esportivos,’ nesta quarta-feira (1º), dentro da programação da Expo Brasil Desenvolvimento Local, promovido no Rio de Janeiro com o apoio do Sebrae.

“A Copa de 2014 e as Olimpíadas 2016 podem tirar o Brasil da estagnação de cinco anos do fluxo de turistas estrangeiros para receber, dos atuais 5 milhões, até para 7,5 milhões de visitantes até 2014 e 9 milhões em 2018”, avaliou. Conforme Barboza, dos 142,4 bilhões investidos, 20,8%, o equivalente a cerca de R$ 30 bilhões, serão em compras de produtos e serviços e uma parcela desses recursos certamente pode ser capturada pelos micro e pequenos negócios.

“Precisa-se de tudo ao mesmo tempo. O número de encomendas que teremos é impressionante e teme-se até a incapacidade de atendimento a toda essa demanda”, disse Barboza. Ele lembrou, por exemplo, que os recursos serão investidos em áreas que vão da indústria têxtil a móveis e madeira. Conforme as pesquisas apontam, os principais gastos dos turistas são com hotéis, seguidos de alimentação, compras, transporte, cultura e laser - a maioria, áreas em que os micro e pequenos negócios atuam.

Conforme o consultor, a Copa de 2014 gera grandes potenciais de negócios para produtos e serviços provenientes de micro e pequenos empreendimentos de desenvolvimento territorial ou local de comunidades urbanas ou rurais, de empreendimentos da economia solidária, do comércio justo, da agricultura familiar, alimentos orgânicos ou agroecológicos, artesanato e souvenirs, entre outros, como confecções e acessórios e das manifestações culturais e artísticas.

“Não se pode passar a vergonha de o turista comprar aqui artesanato que vem da China”, incentivou, citando outros exemplos como na área de alimentação onde, entende, “estará melhor quem conseguir se diferenciar e a alimentação orgânica pode ser um diferencial”. Mas Barboza explicou que para aproveitar ainda mais essas oportunidades, além de preparados, os micro e pequenos negócios também precisam estar organizados.“Haverá oportunidades, mas o grau de aproveitamento depende do grau de organização desses negócios”, afirmou.

Uma das principais iniciativas, lembrou, é procurar orientação do Sebrae e outros órgãos que atuam na área. Ele lembrou que a instituição já vem desenvolvendo o Projeto Sebrae na Copa 2014, destinado a preparar as micro e pequenas empresas para aproveitar as oportunidades geradas por pelos grandes eventos esportivos. O trabalho envolve capacitação, sistema de informação sobre essas oportunidades e estreitamento de parcerias comerciais entre fornecedores e compradores, inclusive por meio virtual. “As empresas que passarem por essa experiência ganharão a Copa”, afirmou.

Gol da paixão

Segundo o gerente de Desenvolvimento Territorial do Sebrae, Juarez de Paula, as oportunidades geradas com a Copa 2014 extrapolam para todos os estados. “O Brasil é o País do futebol e a Copa não acontece todos os dias na nossa casa. Então, todos se mobilizarão e todos vão querer participar”, lembrou, alertando que haverá oportunidades para negócios mesmo nas cidades que não sediarão os jogos. “As oportunidades estão em todo lugar e se soubermos lidar bem com essa paixão nacional, todos sairão ganhando”, afirmou.

No painel da Expo Brasil também foi apresentada iniciativa do Sebrae no Rio de Janeiro para orientação das empresas para a Copa 2014 e casos de empreendimentos que já estão sendo preparados para o evento, como integrantes dos pólos gastronômicos e comerciais da capital fluminense.


Revista INCorporativa

 

 

Notícias

Justiça de Uberaba divide pensão em benefício de viúva

Justiça de Uberaba divide pensão em benefício de viúva Valor estava sendo destinado unicamente à filha do falecido 13/01/2021 13h57 - Atualizado em 13/01/2021 15h24 O juiz Lúcio Eduardo de Brito, da 1ª Vara Cível da Comarca de Uberaba, condenou o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de...

Clipping – IstoÉ – A ordem é recuperar empresas?

Clipping – IstoÉ – A ordem é recuperar empresas? Nova Lei de Falências foi pensada para tornar o processo de recuperação judicial mais seguro e eficiente. Para especialistas, os seis vetos de Bolsonaro tornaram as mudanças tímidas Entra em vigor no próximo dia 24 uma lei que prevê tornar o processo...

Memorial Descritivo: o que é e para que serve?

Memorial Descritivo: o que é e para que serve? Ademi-PR explica quais as informações presentes no documento e a sua importância para a segurança jurídica do comprador do imóvel. por Ademi PR[07/01/2021] [18:23] O lançamento de um empreendimento imobiliário envolve diversos documentos e aprovações....

Em 2021, Câmara dos Deputados deve votar proposta de lei sobre teletrabalho

OPINIÃO Em 2021, Câmara dos Deputados deve votar proposta de lei sobre teletrabalho 7 de janeiro de 2021, 12h05 Por Valéria Wessel S. Rangel de Paula Quanto à jornada de trabalho, o projeto dispõe que os empregados em teletrabalho total ou híbrido não terão direito a horas extras, desde que não...

As inovações na recuperação e na falência por força da Lei 14.112/2020

As inovações na recuperação e na falência por força da Lei 14.112/2020 6 de janeiro de 2021, 7h12 Por Gleydson K. L. Oliveira Poderá agir como credora qualquer pessoa, inclusive os credores sujeitos ou não aos efeitos da recuperação, familiares, sócio e outra sociedade integrante do grupo econômico...