Pai tenta registrar filha com nome incomum

Pai que quer registrar filha com nome incomum já tentou em três cartórios de Curitiba; até agora nada

A tentativa de Alexandre Salomé em registrar o nome da terceira filha dele, nascida na terça-feira da semana passada, ganhou mais um capítulo nesta quarta-feira (13). Oito dias depois, Hyzaboh já está em casa com a família, mas segue sem registro. Segundo Alexandre, dois outros cartórios, um de Curitiba e outro de Pinhais, região metropolitana da capital, não quiseram realizar o registro, com isso, já são três tabelionatos que não aceitaram o nome Hyzaboh.

"Fui a um cartório em Pinhais perto de casa hoje de manhã e não quiseram registrar. Anotaram num papel o nome dela para levar ao promotor para analisar, mas com certeza é capaz de que ele não vai querer. Eles não querem registrar com este nome, mas eu vou bater o pé até o final, não vou arredar", detalhou Alexandre à Banda B.

Alem do cartório de Pinhais, o pai de Hyzaboh esteve presente em um tabelionato de Curitiba, aonde havia registrado as outras duas filhas, que também tem nomes incomuns: Ayniha e Raihana "Fui lá neste cartório, mas também rejeitaram, alegando que tem um mapeamento feito para o registro e, com isso, não posso fazê-lo em cartórios de Curitiba, apenas em Pinhais, onde moro atualmente", explicou.

Agora, Alexandre espera a resposta do promotor e afirma que, caso necessário, vai entrar na justiça para conseguir registrar sua menina como Hyzaboh.

Relembre o caso

Na terça-feira da semana passada nascia, no Hospital Evangélico, em Curitiba, a terceira filha de Alexandre Salomé. Dois dias depois do nascimento o bebê ainda não havia sido registrado, já que o cartório localizado no hospital não aceitou fazer o registro, uma vez que o nome escolhido pela família, Hyzaboh, foi considerado incomum.

"Não consegui registrar o nome, cheguei ao cartório e falaram que não existia registro no computador. Daí a moça pediu para eu entrar em contato com outro tabelionato e passaram o telefone de dois outros cartórios, só que ainda não fui, mas sinceramente não entendi, qual o problema do nome? Não é constrangedor nem nada", disse na época Alexandre à Banda B.

No Brasil, existe uma lei permitindo que os cartórios não aceitem os registros de nomes considerados exóticos ou constrangedores.

Ainda de acordo com Alexandre, o nome Hyzaboh faz referências a um personagem do filme "O Feitiço de Átila". A personagem é uma mulher que tem a capacidade de se transformar em ave. Um detalhe é que a grafia correta da personagem é Isaboh, no entanto, Alexandre não abre mão e quer registrar a filha como Hyzaboh, com esta grafia.


 

Fonte: O Estado do Paraná - Online
Publicado em 14/07/2011

Extraído de Recivil

 

Notícias

Arábia Saudita designa pela primeira vez 12 mulheres como tabeliãs

Arábia Saudita designa pela primeira vez 12 mulheres como tabeliãs 09/07/201808h49 A Arábia Saudita outorgou pela primeira vez na história permissão a 12 mulheres para trabalhar como tabeliãs, informou nesta segunda-feira o Ministério de Justiça saudita. As novas tabeliãs poderão emitir poderes e...
Leia mais

Aos 60 anos, mulher comemora reconhecimento de paternidade

Aos 60 anos, mulher comemora reconhecimento de paternidade: 'sempre tive esse desejo' Publicado em: 28/06/2018 Aos 60 anos, a moradora de Gurupi Cícera Alves Macedo tem muito o que comemorar. Ela foi criada longe do pai biológico Amadeu de Souza Costa, hoje com 88 anos, e chegou a pensar que ele...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados