TIM: Qualidade do serviço comprometida

Comissão vai sugerir que TIM suspenda venda de novas linhas em Minas

A Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Assembleia Legislativa de Minas Gerais vai sugerir que a operadora TIM suspenda a venda de novas linhas enquanto as condições ao acesso de telefonia móvel e internet não forem melhoradas. O requerimento foi aprovado em audiência pública realizada na manhã desta quinta-feira (7/7/11) para discutir a qualidade dos serviços prestados pela operadora em Minas Gerais, considerando o aumento de reclamações por parte dos usuários. O requerimento com a sugestão é do presidente da comissão, Délio Malheiros (PV), e dos deputados Duilio de Castro (PMN) e Antônio Júlio (PMDB).

De acordo com o deputado Délio Malheiros, que solicitou a audiência, o excesso de promoções faz com que muitos celulares sejam vendidos e a qualidade do serviço, comprometida. Ele apresentou dados em relação às reclamações contra a TIM na Anatel: entre junho de 2010 e maio de 2011 a agência recebeu mais de 3700 reclamações. A TIM conquistou 931.967 clientes no Estado, entre maio de 2010 e maio de 2011.

O gerente de Relações Institucionais da empresa, Luiz Peçanha, rebateu as acusações de que a empresa não teria condições de continuar vendendo linhas e afirmou que a rede da operadora funciona em conformidade com as regras estabelecidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e busca resolver os problemas enfrentados pelos consumidores.

Conforme Luiz Peçanha, a rede de serviços da TIM é estável e todos os problemas relatados pelos consumidores, como falha nas ligações ou no envio e recebimento de mensagens, são resolvidos. Luiz Peçanha informou que a operadora tem mais de cinco milhões de clientes em Minas Gerais e que as dificuldades dos consumidores para usar o serviço não são permanentes. Ele indicou a concorrência das operadoras no País e a falta de antenas transmissoras de sinais como elementos que comprometem a qualidade do funcionamento das linhas. Luiz propôs outra audiência para aprofundar os pontos discutidos na reunião.

Délio Malheiros afirmou que esperava que a TIM apresentasse uma proposta para resolver as reclamações dos clientes no Estado. "Não estou convencido de que a TIM está levando a sério essa situação. Se tivesse, suspenderia a venda de novos planos", comentou.

Procons confirmam abuso no direito do consumidor

O coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, mencionou que o número de reclamações sobre a TIM aumentou 20% em 2011 em comparação com 2010 e que é a operadora com mais queixas na instituição. Só em 2011, foram mais de 500. Marcelo apontou a falta de informações aos clientes, a cobrança por serviços não solicitados, descumprimento de ofertas anunciadas e dificuldades para acessar o serviço 3G como as principais reclamações.

Já o coordenador do Procon Estadual, Jacson Campomizzi, criticou a postura do poder público federal, que não estaria fiscalizando a prestação de serviço pelas operadoras de telefonia celular. Ele pediu uma intervenção dos órgãos competentes e sugeriu a suspensão de venda de novas linhas da TIM, como determinado no Ceará e no Rio Grande do Norte, até que o serviço se torne satisfatório para os consumidores.

Parlamentares cobram postura da empresa e da Anatel

O deputado Duilio de Castro (PMN) disse que a empresa "está vendendo um produto que não tem", em crítica às fragilidades relatadas por consumidores nos órgãos de defesa de seus direitos. O deputado Antônio Júlio (PMDB) cobrou uma postura mais rígida por parte da Anatel, que não faria intervenções para coibir a má prestação de serviços. Já o deputado Tadeu Martins Leite (PMDB) considerou que o número de reclamações contra operadoras de telefonia celular varia e que, atualmente, a TIM concentra mais queixas, mas outras operadoras também apresentam problemas.

A comissão aprovou outros dois requerimentos dos deputados Délio Malheiros, Duilio de Castro e Antônio Júlio, pedindo providências sobre o assunto. Um pede que a empresa informe a evolução do número de clientes atendidos no Brasil e em Minas desde o início de suas operações no País, bem como estatísticas de perdas e ganhos de clientes devido a portabilidade de número.

O outro requerimento solicita o envio das notas taquigráficas da audiência pública à TIM, aos acionistas majoritários e à Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), para que ela disponibilize o teor da discussão aos acionistas minoritários.

Presenças - Deputados Délio Malheiros (PV), presidente; Carlos Henrique (PRB); Duilio de Castro (PMN); Tiago Ulisses (PV); Tadeu Matins Leite (PMDB); Antônio Júlio (PMDB). Além dos convidados citados, participaram o gerente de Rede e a consultora de Assuntos Corporativos da TIM, Hélio Polillo e Ana Lídia Ribeiro.

Fonte: Assembleia Legislativa de Minas Gerais
 


 

 

Notícias

Incide IR em valor pago por cláusula de não competição, diz Receita

COMPRA DE AÇÕES Incide IR em valor pago por cláusula de não competição, diz Receita 21 de junho de 2019, 9h45 Por Gabriela Coelho Diferença positiva entre o valor da venda e o custo de aquisição de participação societária caracteriza ganho de capital, afirma Receita Confira em Consultor Jurídico
Leia mais

Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável

MP NO DEBATE Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável 17 de junho de 2019, 8h00 Por Maria Fátima Vaquero Ramalho Leyser Antes da promulgação da Constituição Federal de 1988, a convivência entre homem e mulher, como se fossem casados, isto é, a união estável entre pessoas de sexo...
Leia mais

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará Publicado em 12/06/2019 - 20:49 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil  Brasília Foi publicada hoje no Diário Oficial da União uma lista com 287 atividades econômicas que não precisarão de autorizações prévias para...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados