"Câmara continuará dando posse a suplentes de coligações"

 

07/02/2011 17:59

Marco Maia: Câmara continuará dando posse a suplentes de coligações

 

J Batista
Marco Maia, ao lado do líder do PT, Paulo Teixeira, participou de seminário interno do partido.

O presidente da Câmara, Marco Maia, disse nesta segunda-feira que a Câmara vai continuar cumprindo o que determina a lei em relação à posse dos suplentes, ou seja, a vaga a ser ocupada pelos suplentes pertence à coligação.

“Nós vamos continuar cumprindo a lei, e a lei estabelece que os suplentes são os integrantes da coligação”, disse Maia, após participar da abertura de seminário interno do PT. O presidente ressaltou que os tribunais regionais eleitorais (TREs) fazem o registro válido dos suplentes. “Portanto, vamos continuar dando posse a eles”, reforçou.

Liminares do STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem concedido liminares favoráveis a mandados de segurança que pedem a posse, na vaga de parlamentares que se licenciaram para assumir cargos em seus estados, de suplentes do partido do deputado eleito. Nesses casos, a Câmara tem empossado suplentes de coligações e não de partidos.

Segundo Marco Maia, a Câmara não está desrespeitando decisões do STF. “Vamos continuar usando o critério que a Câmara sempre usou. Nos casos de liminares, o assunto será solucionado pela Corregedoria, que abre processo e o encaminha para a Mesa Diretora, dando amplo direito de defesa aos que estão sendo cassados pelo STF.”

Salário mínimo
Em relação às discussões sobre o novo valor proposto para o salário mínimo, Marco Maia acredita que a Medida Provisória 516/10, que trata do assunto, deverá ser votada pelo Plenário em abril. “Se for seguir a pauta, será votada em abril”, afirmou. A MP fixou o salário mínimo em R$ 540, mas o governo já acenou com a possibilidade de aumentá-lo para R$ 545.

No entanto, acrescentou, se o governo enviar algum projeto de lei com regime de urgência, “havendo acordo dos líderes, o projeto será votado antes da MP, e ela perderá o efeito”. Ele ressalta, porém, que essa discussão ainda é suposição e que não há data prevista para envio do projeto do governo.

Comissões permanentes
O presidente da Câmara informou ainda que, amanhã (terça-feira, 8), começa o processo de decisão sobre o comando das comissões permanentes, mas ele não sabe se haverá acordo para que saia uma decisão até quinta-feira.

O líder do PT, deputado Paulo Teixeira (SP), disse que a legenda quer o comando da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Ele negou que haja disputa interna no partido, mas acrescentou que ainda não foi definido um nome petista para o cargo.

 

Reportagem - Karla Alessandra/Rádio Câmara
Edição - Newton Araújo - Agência Câmara de Notícias

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados