A instituição da certidão negativa de débitos trabalhistas

Fonte: Migalhas

 

 

A instituição da certidão negativa de débitos trabalhistas e suas repercussões no cotidiano das empresas

Carlos Eduardo Amaral de Souza*

Foi publicada no dia 7 de julho de 2011 a lei 12.440/2011 (clique aqui) que instituiu a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas - CNDT. Após tramitar no Senado Federal (PLS 77 de 2002 - clique aqui) e na Câmara dos Deputados (PL 07077/2002 - clique aqui), os projetos foram objeto de várias manifestações do TST em defesa da implantação da Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas.

Inclusive, em encontro realizado no segundo trimestre de 2011, o ministro presidente do TST destacou que era necessário criar mecanismos eficazes de incentivo à quitação dos débitos trabalhistas. Em nota técnica apresentada foi manifestado que "só não receberiam a certidão as empresas que tivessem processo já totalmente transitados em julgado e cujas dívidas não tivessem ainda sendo discutidas na fase de execução. O Tribunal garante ainda que tem condições de expedir, em tempo hábil, a certidão de forma eletrônica e gratuita. Para isso, o TST está totalmente aparelhado e capacitado para avaliar a existência de débitos" (clique aqui).

O Ministro Presidente do TST ainda "avaliou que, enquanto o Fisco exige a comprovação de que as empresas estão com os seus impostos em dia, não há a mesma cobrança para saber se as companhias pagam regularmente os seus funcionários. Essa situação representaria uma inversão de valores: as empresas que não pagam impostos em dia não podem participar de licitações públicas, mas as companhias que não pagam corretamente os seus trabalhadores podem. Se aprovada, a Certidão deverá reduzir a contratação de empresas terceirizadas com dívidas trabalhistas tanto no serviço público quanto no privado. (FONTE - Autor: Juliano Basile, De Brasília, Valor Econômico - 14/04/2011 - clique aqui)

Conforme se depreende da redação do noviço artigo 642-A da CLT (clique aqui), onde consta expressamente que fica "instituída a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT), expedida gratuita e eletronicamente, para comprovar a inexistência de débitos inadimplidos perante a Justiça do Trabalho". Ou seja, a partir da entrada em vigor da referida lei, as empresas poderão consultar sua situação perante a Justiça do Trabalho, vislumbrando o passivo existente e ainda não pago.

A regularidade trabalhista instituída pelo artigo 642-A da CLT compreenderá não só os débitos de natureza trabalhista, mas também os débitos previdenciários e fiscais decorrentes das verbas trabalhistas deferidas ao trabalhador, conforme se depreende do § 1º, I e II do novo dispositivo celetista, impondo esclarecer que o interessado não obterá a certidão quando em seu nome constar:

I - o inadimplemento de obrigações estabelecidas em sentença condenatória transitada em julgado proferida pela Justiça do Trabalho ou em acordos judiciais trabalhistas, inclusive no concernente aos recolhimentos previdenciários, a honorários, a custas, a emolumentos ou a recolhimentos determinados em lei;

II – o inadimplemento de obrigações decorrentes de execução de acordos firmados perante o Ministério Público do Trabalho ou Comissão de Conciliação Prévia.

O inciso II estipula que a situação de regularidade também levará em conta os acordos celebrados nos âmbitos das Comissões de Conciliação Prévia – CCP e no âmbito do Ministério Público do Trabalho, especialmente nos casos de multas decorrentes de não cumprimento de Termos de Ajustamento de Conduta (título executivo extrajudicial na forma do artigo 5º, § 6º, da Lei de Ação Civil Pública (clique aqui) e do artigo 876 da CLT).

Observe-se que a certidão de débitos levará em conta a época do trânsito em julgado e não o início do processo de execução. Por isso, a nosso ver, o correto seria constar a situação irregular somente quando a sentença transitada em julgado for líquida ou em caso negativo, seja definitivamente liquidada mediante procedimento próprio. Isso porque para se desvencilhar da obrigação trabalhista ou previdenciária é imprescindível que o interessado saiba exatamente o valor desta obrigação. Inserir a restrição cadastral para fins de CNDT quando não se sabe o valor da obrigação, impedindo que o devedor cumpra a sua obrigação e obtenha o reconhecimento de sua regularidade, viola o princípio da ampla defesa e do contraditório, pois mesmo nos casos de Dívidas Fiscais o devedor sabe exatamente qual o valor do débito que precisa pagar ou impugnar.

A Lei 12.440/2011 altera não só a CLT, mas também a Lei de Licitações e Contratos (lei 8.666/1993 - clique aqui), alterando o inciso IV do artigo 27, que trata da exigência de documentos para a habilitação nas licitações, para inserir a comprovação de "regularidade fiscal e trabalhista". Antes a exigência era apenas a regularidade fiscal.

A referida lei ainda altera a redação do artigo 29 da Lei 8.666/1993 e insere no referido dispositivo o inciso V, descrevendo como documentação relativa à comprovação da regularidade fiscal e trabalhista a "certidão negativa, nos termos do Título VII-A da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1º de maio de 1943 (clique aqui)".

Ao que parece até mesmo nos casos de responsabilidade subsidiária a regularidade cadastral dependerá da quitação das verbas, pois o sobre o nome devedor subsidiário constará a mesma restrição do devedor principal. Da forma como instituída a exigência de CNDT terá forte influência sobre a terceirização de mão de obra. Neste caso, as empresas contratantes de empresas terceirizadas precisarão redobrar o cuidado e intensificar a fiscalização dos terceirizados quanto ao cumprimento das obrigações trabalhistas e previdenciárias daí decorrentes, sob pena de não obterem a certidão negativa e sofrerem as consequências restritivas respectivas.

Para os casos em que os débitos trabalhistas e previdenciários estiverem integralmente garantidos por penhora ou estejam com exigibilidade suspensa, será expedida Certidão Positiva de Débitos Trabalhistas em nome do interessado com os mesmos efeitos da CNDT.

A Lei 12.440/2011 entrará em vigor 180 dias após a data da sua publicação.

___________

*Advogado trabalhista do escritório Cheim Jorge & Abelha Rodrigues Advogados Associados. Mestre em Direitos e pós-graduado em Direito Processual Civil, ambos pela FDV (Faculdade de Direito de Vitória) e pós-graduado e em Direito Tributário pelo IBET (Instituto Brasileiro de Estudos Tributários)

 

 

 

 

 

Notícias

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz'

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz' Publicado em: 16/01/2018 Em 2009, Polly Kitzinger sobreviveu a um acidente de carro, mas ficou com sérias lesões cerebrais. A irmã dela, Jenny, diz que Polly não teria desejado ser submetida a tantas intervenções médicas que a permitiram ficar...
Leia mais

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer 15 de janeiro de 2018, 8h00 Por Ivan Carneiro Castanheiro e Andreia Mara de Oliveira Núcleo urbano informal, segundo artigo 11 da Lei 13.465 de 11 de julho de 2017, é o assentamento clandestino, irregular ou no qual não foi possível...
Leia mais

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME SOB PENA DE TER QUE INDENIZAR por AF — publicado em 11/01/2018 18:57 A juíza da 6ª Vara Cível De Brasília condenou o comprador de uma motocicleta a pagar R$ 5 mil a título de danos morais ao vendedor, por não ter providenciado a...
Leia mais

Condenados podem passar a arcar com o custo da tornozeleira

09/01/2018 - 09h01 Proposta determina que condenado pagará pelo custo de tornozeleira eletrônica A Câmara analisa proposta para que condenados monitorados eletronicamente podem passar a arcar com o custo da tornozeleira. O texto (PL 8806/17), do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), altera a...
Leia mais

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias

Uso de criptomoedas é possível em operações societárias 8 de janeiro de 2018, 7h00 Por Thiago Vasconcellos O ineditismo do tema descortina uma série de oportunidades e questionamentos, especialmente na esfera jurídica. Uma pergunta interessante diz respeito à possibilidade (e os efeitos daí...
Leia mais

Justiça gaúcha revoga doação de imóvel de mãe para filho ingrato

Justiça gaúcha revoga doação de imóvel de mãe para filho ingrato Publicado em: 08/01/2018 Uma mãe ofendida e injuriada por seu filho pode retomar um imóvel que doou a ele anteriormente. O artigo 555 do Código Civil prevê a revogação, por ingratidão do donatário, enquanto o artigo 557 elenca os...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados