Ação de partilha - Regime de comunhão parcial de bens (CC/1916) - Bem imóvel

Ação de partilha - Regime de comunhão parcial de bens (CC/1916) - Bem imóvel - Certidão do registro público - Documento indispensável - Ausência de juntada - Impossibilidade de partilha

DIREITO DE FAMÍLIA - AÇÃO DE PARTILHA - APELAÇÃO CÍVEL - REGIME DE COMUNHÃO PARCIAL DE BENS (CC/1916) - BEM IMÓVEL - CERTIDÃO DO REGISTRO PÚBLICO - DOCUMENTO INDISPENSÁVEL (ART. 302, II, C/C 366 DO CPC) - AUSÊNCIA DE JUNTADA - IMPOSSIBILIDADE DE PARTILHA - AÇÕES DE SOCIEDADE ANÔNIMA INTEGRALIZADAS NA CONSTÂNCIA DO CASAMENTO - COMUNICABILIDADE - RECURSO PROVIDO EM PARTE

- A escritura pública é essencial à validade do negócio jurídico que vise à constituição de direitos reais sobre imóveis, nos termos do art. 108 do CC/2002, de forma que a certidão do respectivo registro é documento indispensável para se comprovar a aquisição do bem pretendido, nos termos do art. 302, II, c/c art. 366, ambos do CPC. Por conseguinte, não pode ser acolhido o pedido de partilha de bem imóvel cuja certidão de registro público não consta dos autos.

- No regime de comunhão parcial, comunicam-se os bens adquiridos na constância do casamento por título oneroso, ainda que só em nome de um dos cônjuges, a teor do art. 271 do CC/1916 c/c art. 2.039 do CC/2002. A esse respeito, vale ressaltar que, pelo princípio da comunicabilidade, ainda que não haja participação financeira efetiva do cônjuge na aquisição do patrimônio, presume-se o esforço comum, devendo-se dividir os bens igualitariamente após o rompimento da sociedade conjugal, ressalvada eventual causa de exclusão, cujo ônus probatório incumbe ao cônjuge que a alega.

Apelação Cível n° 1.0024.08.198277-9/001 - Comarca de Belo Horizonte - Apelante: C.C.M. - Apelado: G.M.H.D. - Relator: Des. Mauro Soares de Freitas

A C Ó R D Ã O

Vistos etc., acorda, em Turma, a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, sob a Presidência do Desembargador Mauro Soares de Freitas, incorporando neste o relatório de fls., na conformidade da ata dos julgamentos e das notas taquigráficas, à unanimidade de votos, em dar provimento parcial.

Belo Horizonte, 27 de janeiro de 2011. - Mauro Soares de Freitas - Relator.

N O T A S T A Q U I G R Á F I C A S

DES. MAURO SOARES DE FREITAS - Cuida-se de recurso de apelação interposto contra a sentença de f. 130/138, proferida nos autos de ação de partilha que julgou improcedente o pedido inicial, condenando a autora ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios, fixados em R$ 1.800,00 (mil e oitocentos reais), suspensa a exigibilidade na forma da Lei nº 1.060/50.

Em suas razões recursais de f. 139/142, a apelante pugna pela reforma da sentença, na parte relativa à vaga de garagem (item A- f. 134) e às ações do Hospital Materno Infantil, sob o argumento de que referidos bens, por terem sido adquiridos na constância do casamento, devem ser partilhados pelo casal.

Contrarrazões às f. 144/153, em óbvia infirmação.

Desnecessária a intervenção da Procuradoria-Geral de Justiça.

É o relatório.

Conheço do recurso, porquanto presentes os seus pressupostos extrínsecos e intrínsecos de admissibilidade.

Ausentes preliminares, passo à análise do mérito.

Como sabido, no regime de comunhão parcial, comunicam-se os bens adquiridos na constância do casamento por título oneroso, ainda que só em nome de um dos cônjuges, a teor do art. 271 do CC/1916 c/c art. 2.039 do CC/2002.

A esse respeito, vale ressaltar que, pelo princípio da comunicabilidade, ainda que não haja participação financeira efetiva do cônjuge na aquisição do patrimônio, presume-se o esforço comum, devendo-se dividir os bens igualitariamente após o rompimento da sociedade conjugal, ressalvada eventual causa de exclusão, cujo ônus probatório incumbe ao cônjuge que a alega.

Registre-se, por fim, que, embora a separação judicial e o divórcio ponham termo à sociedade conjugal, é a separação de fato do casal que, realmente, põe fim ao regime de bens, porquanto já ausente o ânimo socioafetivo, verdadeira motivação da comunicação patrimonial.

Assim, o regime de bens entre os cônjuges vigora entre a data do casamento e a data do rompimento da vida em comum, que, no caso presente, corresponde ao período de 11.04.1996 a 05.10.1999, conforme certidão de casamento de f. 07 (Autos apensos nº 198277-9) e certidão de f. 09-v. (Autos apensos nº 198277-9).

Feitas tais considerações, extrai-se dos autos que a apelante, ao insurgir-se contra a sentença, pretende a partilha dos seguintes bens:

1) vaga de garagem no edifício situado na Avenida do Contorno, nº 4849, Bairro Funcionários, Belo Horizonte-MG.

2) 74.000 (setenta e quatro mil) ações da sociedade Instituto Materno Infantil de Minas Gerais S.A., situado na Alameda da Serra, nº 499, Bairro Vila da Serra, Nova Lima-MG.

Pois bem. Primeiramente, quanto ao imóvel descrito no item 01, verifica-se que não foi juntado aos autos o respectivo registro público, mediante o qual se comprovaria a propriedade do bem, ônus esse que, vale ressaltar, incumbia à parte autora/apelante, na forma do art. 333, I, do CPC.

Ora, como sabido, a escritura pública é essencial à validade do negócio jurídico que vise à constituição de direitos reais sobre imóveis, nos termos do art. 108 do CC/2002, de forma que a juntada da respectiva certidão do registro público é documento indispensável para comprovar a aquisição do bem pretendido, nos termos do art. 302, II, do CPC. Por conseguinte, ainda que exista nos autos o contrato de f. 46/48, bem como a declaração de f. 20, tais provas não têm o condão de suprir a ausência do respectivo registro, nos termos do art. 366 do CPC, verbis:

``Art. 366. Quando a lei exigir, como da substância do ato, o instrumento público, nenhuma outra prova, por mais especial que seja, pode suprir-lhe a falta''.

Dessarte, escorreita a sentença primeva ao concluir que, não tendo sido juntado o documento registral, não há como deferir a partilha do bem em apreço (f. 135).

Passando adiante, quanto às ações societárias descritas no item 02 supra, infere-se dos autos que elas foram adquiridas após o início da convivência conjugal, conforme reconhecido pelo próprio apelado, tendo o casal integralizado o valor de R$ 144.623,09 (cento e quarenta e quatro mil seiscentos e vinte e três reais e nove centavos) no período de 02.08.1996 a 18.11.1999, de acordo com a certidão de f. 57.

Logo, conforme consignado alhures, tendo o bem descrito no item 02 sido integralizado na constância da sociedade conjugal, presume-se a sua comunicabilidade. Assim, cabia ao cônjuge varão ilidir tal presunção, provando que a aquisição do bem teve por título uma causa anterior ao casamento (art. 272 do CC/16). Contudo, após analisar detidamente os autos, observo que o apelado não comprovou a sua alegação de que as ações societárias teriam sido integralizadas com valores a ele pertencentes antes do casamento, provenientes de aplicações financeiras, da venda de ações do Hospital Santa Helena e da alienação de um imóvel (f. 150/151).

Ora, embora os extratos bancários de f. 28/29 atestem que o apelado possuía aplicações financeiras anteriores ao casamento, não se extrai do conjunto probatório que tais ativos tenham sido utilizados na integralização das ações ora discutidas. O mesmo raciocínio se aplica aos contratos de f. 50/55, que, embora demonstrem a venda de ações do Hospital Santa Helena, também não comprovam que o produto tenha sido revertido para a integralização de outras ações. Ademais, quanto à suposta venda de imóvel, além de não constar a autorização da esposa no contrato de f. 23/25 (art. 235, I, do CC/16), tal alegação diverge das informações constantes das declarações de imposto de renda de f. 18/21. Além disso, percebe-se da certidão de f. 120 que a integralização das ações não se deu por meio de vultosos aportes, como alegado pelo varão, mas por meio de pequenos aportes mensais, no curso de todo o casamento.

Destarte, não tendo o apelado comprovado que a aquisição do bem descrito no item '02' supra teve por título uma causa anterior ao casamento, conclui-se pela comunicabilidade das ações efetivamente integralizadas no período de 11.04.1996 a 05.10.1999, que deverão ser partilhadas em 50% (cinquenta por cento) para cada consorte.

Por fim, urge esclarecer que a dívida mencionada à f. 74 não pode ser partilhada nos presentes autos, pois não há provas de que tenha sido contraída na constância do casamento, de que a virago tenha com ela anuído ou de que tenha revertido em proveito do casal.

Diante de todo o exposto, dou parcial provimento ao recurso para, reformando a sentença, determinar que sejam partilhadas, à razão de 50% (cinquenta por cento) para cada parte, as ações da sociedade Instituto Materno Infantil de Minas Gerais S.A. que tenham sido efetivamente integralizadas no período de 11.04.1996 a 05.10.1999.

Custas processuais recursais, em 50% (cinquenta por cento) para cada parte, suspensa a exigibilidade na forma da Lei nº 1.060/50.

Votaram de acordo com o Relator os Desembargadores Barros Levenhagen e Maria Elza.

Súmula - DERAM PROVIMENTO PARCIAL.

 

Fonte: Diário do Judiciário Eletrônico de MG - 26/08/2011.

Publicado em 29/08/2011

Extraído de Recivil

Notícias

Justiça de Minas Gerais concede a transexual direito de mudar nome

Justiça de Minas Gerais concede a transexual direito de mudar nome Publicado em: 23/01/2018 "A dignidade da pessoa humana, enquanto princípio fundamental da República Federativa do Brasil, consagrada no art. 1º, III, da Constituição Federal, constitui diretriz que deve nortear a alteração de...
Leia mais

MEC permite uso de nome social de transexuais no ensino básico

MEC permite uso de nome social de transexuais no ensino básico Publicado em: 19/01/2018 Está permitido pelo MEC o uso de nome social de travestis e transexuais nos registros escolares de ensino básico. Portaria 33, que homologa parecer com a permissão, foi publicada nesta quinta-feira, 18, no...
Leia mais

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz'

'Os médicos não deixaram minha irmã morrer em paz' Publicado em: 16/01/2018 Em 2009, Polly Kitzinger sobreviveu a um acidente de carro, mas ficou com sérias lesões cerebrais. A irmã dela, Jenny, diz que Polly não teria desejado ser submetida a tantas intervenções médicas que a permitiram ficar...
Leia mais

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer

A regularização fundiária de condomínios e ranchos de lazer 15 de janeiro de 2018, 8h00 Por Ivan Carneiro Castanheiro e Andreia Mara de Oliveira Núcleo urbano informal, segundo artigo 11 da Lei 13.465 de 11 de julho de 2017, é o assentamento clandestino, irregular ou no qual não foi possível...
Leia mais

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME

COMPRADOR DEVE TRANSFERIR VEÍCULO ADQUIRIDO PARA SEU NOME SOB PENA DE TER QUE INDENIZAR por AF — publicado em 11/01/2018 18:57 A juíza da 6ª Vara Cível De Brasília condenou o comprador de uma motocicleta a pagar R$ 5 mil a título de danos morais ao vendedor, por não ter providenciado a...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados