Abertura de casas de bingo e exploração de cassinos

15/02/2011 - 17h52

Permissão para casas de bingo e cassinos aguarda designação de relator

O senado analisará propostas que autorizam o funcionamento de casas de jogos. Uma delas permite a abertura de casas de bingo, a outra permite a exploração de cassinos em hotéis da Região Amazônica e do Pantanal.

Os dois projetos de lei, apresentados este ano, aguardam a designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A comissão deverá se reunir nesta quarta-feira (16).

Ambas de autoria do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), as propostas vão passar por três comissões, mas têm decisão terminativa na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

O jogo de bingo foi proibido em todo o Brasil por força de medida provisória (MP 168/04). O projeto que autoriza o seu retorno (PLS 31/11) prevê que o controle, a sistematização, a arrecadação e o pagamento dos prêmios ficará sob a responsabilidade da Caixa Econômica Federal (CEF), que determinará ainda as regras de funcionamento dos estabelecimentos, bem como expedirá autorização às empresas interessadas em explorar esta modalidade de jogo.

Segundo o autor da proposta, a "abrupta proibição do jogo do bingo" acabou com uma série de ilegalidades, mas também prejudicou vários empresários sérios, " que geravam empregos, renda e impostos".

Mozarildo explica que o projeto pretende transferir, com maior abrangência e controle do que anteriormente, o gerenciamento do jogo do bingo, mas não prevê a liberação de máquinas caça-níqueis.

- A meu entender, são armadilhas para a população menos esclarecida ou para aqueles que sofrem de doenças psíquicas ligadas ao jogo - justificou o parlamentar.

Depois da CCJ, a proposta será ainda analisada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) antes de ser encaminhada à CAE.

Cassinos

A autorização para o funcionamento de cassinos em hotéis de selva e hotéis fazenda nas regiões do Pantanal e da Amazônia engloba os seguintes estados: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Visa, segundo Mozarildo, dotar essas regiões de mecanismos capazes de promover o desenvolvimento e minimizar as desigualdades sociais.

- O funcionamento dos cassinos é fator de desenvolvimento em qualquer parte do mundo e a autorização de funcionamento na região pretendida reveste-se de maior importância à medida que também é um mecanismo de estímulo ao grande potencial da região, que é o ecoturismo - assinalou o senador por Roraima.

Ele explica ainda que o fluxo de turistas terá como ênfase a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, promovendo, por outro lado, geração de empregos, " um dos grandes problemas da região e do país".

Após análise da CCJ, a proposta (PLS 30/11) será apreciada pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) e, em seguida, pela CAE.

Valéria Castanho / Agência Senado
 

Notícias

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro 13 de fevereiro de 2019, 15h46 Por Rhasmye El Rafih Não obstante, as moedas virtuais são sofisticadas tecnologias desenvolvidas para favorecer transações financeiras descentralizadas e céleres, sem a necessidade de intermediação por banco ou...
Leia mais

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame Publicado em: 14/02/2019 Um herdeiro que está preso, condenado pela Justiça, perde seus direitos? Veja a resposta no vídeo de finanças pessoais, com o advogado Samir Choaib, especialista em direito sucessório.   Assista o...
Leia mais

Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria 13 de fevereiro de 2019, 10h25 Por Fernanda Valente Os dados mostram que 95,9% dos juízes ativos de primeira instância são a favor da submissão a uma corregedoria. Confira a pesquisa em Consultor...
Leia mais

A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica

REFLEXÕES TRABALHISTAS A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica 8 de fevereiro de 2019, 8h00 Por Pedro Paulo Teixeira Manus A função institucional do Poder Judiciário é dizer o direito, proporcionando a segurança jurídica aos jurisdicionados. Prossiga em Consultor Jurídico
Leia mais

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições Publicado em 07/02/2019 - 10:49 Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil  Brasília O Conselho Federal de Medicina (CFM) abriu prazo de 60 dias para receber contribuições relativas à Resolução nº 2.227/2018, que atualiza...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados