Copa: Belo Horizonte dentro do cronograma

18/05/2011 - 18h39

Gestores dizem que obras em Belo Horizonte estão dentro do cronograma 

Os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 em Belo Horizonte (MG) estão dentro do cronograma. A afirmação foi feita por gestores do governo estadual e da prefeitura da capital, nesta quarta-feira (18), em audiência na Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

O secretário estadual extraordinário para a Copa de 2014, Sérgio Alair Barroso, arrolou entre as principais melhorias na infraestrutura da região de Belo Horizonte a reforma do Estádio Magalhães Pinto, o Mineirão; a reforma do aeroporto de Confins; e a construção de corredores de tráfego na capital.

De acordo com ele, o novo Mineirão terá capacidade para 64 mil torcedores e espaço para 3 mil jornalistas. A reforma custará R$ 665,7 milhões, dos quais R$ 11,7 milhões caberão ao governo do estado. O restante será arcado pelo consórcio Minas Arena, que ganhou a licitação para reconstrução e gerenciamento do estádio pelos próximos 25 anos.

A reforma do Terminal 1 do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins (MG), terá um custo de R$ 295 milhões e possibilitará a ampliação da capacidade de 5 milhões para 8,5 milhões de passageiros por ano. Sérgio Barroso destacou a ampliação da área de pátio para o estacionamento de aeronaves, que foi um problema na África do Sul, causando a quadruplicação do custo do seguro dos aviões.

Além disso, o secretário disse acreditar que um novo terminal esteja parcialmente construído em maio de 2014, elevando a capacidade para 13 milhões de passageiros. O projeto executivo desse terminal, informou, será elaborado pelo governo do estado e repassado gratuitamente à Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

A gerente de Turismo e Atração de Investimentos do Comitê Executivo da Copa do Mundo da Prefeitura, Stella de Moura Kleinrath, previu investimentos de R$ 1,43 bilhão para a construção de corredores de ônibus articulados (chamados BRT), dos quais R$ 411 milhões serão gastos apenas com desapropriações. Ela destacou também a ampliação da capacidade hoteleira, que hoje tem 18 mil leitos disponíveis, com ocupação média de 85% de terça a quinta-feira. Ela e Sérgio Barroso ressaltaram a previsão de investimentos de R$ 1,6 bilhão no setor hoteleiro, o que deve ampliar a oferta de leitos em mais de 7 mil unidades. 

Crítica ao governo federal 

Na reunião, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), ex-governador do estado, afirmou que a sinergia entre governo e prefeitura é a grande vantagem dos mineiros nos preparativos para a Copa do Mundo. Mas o parlamentar afirmou que sua maior preocupação é a "grande omissão do governo federal" na organização da Copa, principalmente no que tange a obras de infraestrutura aeroportuária e de mobilidade urbana.

Aécio criticou a disposição do governo federal de investir no trem de alta velocidade ligando Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, em vez de investir nas esgotadas infraestruturas aeroportuária e de mobilidade urbana. Ele afirmou que, quando governador, recebeu negativas do governo federal às propostas que apresentou para ampliar o aeroporto e o metrô de Belo Horizonte.

O senador disse que muitas outras capitais estão na mesma situação e previu que os objetivos almejados com a realização da Copa do Mundo no país não serão alcançados caso o governo federal continue a transferir para os estados e municípios as responsabilidades por sua realização.

O senador Clésio Andrade (PR-MG) afirmou que a presidente Dilma Rousseff tomou a frente do processo de reestruturação aeroportuária brasileira e que o aeroporto de Confins vai estar pronto para a Copa. Ele disse que, com a audiência, passou a ter certeza de que "Minas não vai perder o trem".

O presidente da subcomissão, senador Blairo Maggi (PR-MT), indagou aos palestrantes se os financiamentos prometidos pelo governo federal estavam disponíveis. Sérgio Barroso respondeu que sim, mas esclareceu que o financiamento para a obra do Mineirão, de R$ 400 milhões, a cargo do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), era de responsabilidade exclusiva do Consórcio Minas Arena.

Stella Kleinrath complementou que o financiamento do BRT, feito pela Caixa Econômica Federal, é de responsabilidade da prefeitura e garantiu não ter conhecimento de atrasos nos repasses.

A subcomissão, vinculada à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), já ouviu representantes de três outras cidades-sede da Copa: Curitiba, São Paulo e Natal. Apenas os gestores ligados aos preparativos da capital paulista manifestaram preocupação com o cumprimento dos prazos das obras.

José Paulo Tupynambá / Agência Senado
 

Notícias

Investigação de paternidade em qualquer idade

Investigação de paternidade em qualquer idade 2018-08-09 ARTIGO | DR. LEONARDO MAURINA DIREITO DE FAMÍLIA Você! Você mesmo. Já parou para pensar se sua paternidade registral coincide com a biológica? É muito mais provável que tal ideia jamais lhe tenha ocorrido, não é mesmo? Na sua certidão de...
Leia mais

Não é responsabilidade da parte digitalizar documentos, afirma CNJ

OBSTÁCULO INDEVIDO Não é responsabilidade da parte digitalizar documentos, afirma CNJ 10 de agosto de 2018, 11h03 “A exigência da digitalização pelas partes desconsidera que a transferência a estas ocasiona um ônus que, a priori, estaria entre as atribuições do Poder Judiciário. Confira em...
Leia mais

Senado - CCJ aprova projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos

Senado - CCJ aprova projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto (PLC 56/2018) que estabelece a proibição do casamento de menores de 16 anos. O projeto seguiu com pedido de urgência para votação no...
Leia mais

Condomínio: como fazer a prova do excesso de barulho

Condomínio: como fazer a prova do excesso de barulho Publicado por ADIMPLENTE COBRANÇA CONDOMINIAL há 1 hora Quem mora em condomínio e nunca teve problemas com barulhos no meio da noite que solte um grito. Ninguém está livre de vizinhos barulhentos. A maioria das reclamações em condomínio...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados