Copa: Belo Horizonte dentro do cronograma

18/05/2011 - 18h39

Gestores dizem que obras em Belo Horizonte estão dentro do cronograma 

Os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 em Belo Horizonte (MG) estão dentro do cronograma. A afirmação foi feita por gestores do governo estadual e da prefeitura da capital, nesta quarta-feira (18), em audiência na Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

O secretário estadual extraordinário para a Copa de 2014, Sérgio Alair Barroso, arrolou entre as principais melhorias na infraestrutura da região de Belo Horizonte a reforma do Estádio Magalhães Pinto, o Mineirão; a reforma do aeroporto de Confins; e a construção de corredores de tráfego na capital.

De acordo com ele, o novo Mineirão terá capacidade para 64 mil torcedores e espaço para 3 mil jornalistas. A reforma custará R$ 665,7 milhões, dos quais R$ 11,7 milhões caberão ao governo do estado. O restante será arcado pelo consórcio Minas Arena, que ganhou a licitação para reconstrução e gerenciamento do estádio pelos próximos 25 anos.

A reforma do Terminal 1 do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins (MG), terá um custo de R$ 295 milhões e possibilitará a ampliação da capacidade de 5 milhões para 8,5 milhões de passageiros por ano. Sérgio Barroso destacou a ampliação da área de pátio para o estacionamento de aeronaves, que foi um problema na África do Sul, causando a quadruplicação do custo do seguro dos aviões.

Além disso, o secretário disse acreditar que um novo terminal esteja parcialmente construído em maio de 2014, elevando a capacidade para 13 milhões de passageiros. O projeto executivo desse terminal, informou, será elaborado pelo governo do estado e repassado gratuitamente à Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

A gerente de Turismo e Atração de Investimentos do Comitê Executivo da Copa do Mundo da Prefeitura, Stella de Moura Kleinrath, previu investimentos de R$ 1,43 bilhão para a construção de corredores de ônibus articulados (chamados BRT), dos quais R$ 411 milhões serão gastos apenas com desapropriações. Ela destacou também a ampliação da capacidade hoteleira, que hoje tem 18 mil leitos disponíveis, com ocupação média de 85% de terça a quinta-feira. Ela e Sérgio Barroso ressaltaram a previsão de investimentos de R$ 1,6 bilhão no setor hoteleiro, o que deve ampliar a oferta de leitos em mais de 7 mil unidades. 

Crítica ao governo federal 

Na reunião, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), ex-governador do estado, afirmou que a sinergia entre governo e prefeitura é a grande vantagem dos mineiros nos preparativos para a Copa do Mundo. Mas o parlamentar afirmou que sua maior preocupação é a "grande omissão do governo federal" na organização da Copa, principalmente no que tange a obras de infraestrutura aeroportuária e de mobilidade urbana.

Aécio criticou a disposição do governo federal de investir no trem de alta velocidade ligando Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, em vez de investir nas esgotadas infraestruturas aeroportuária e de mobilidade urbana. Ele afirmou que, quando governador, recebeu negativas do governo federal às propostas que apresentou para ampliar o aeroporto e o metrô de Belo Horizonte.

O senador disse que muitas outras capitais estão na mesma situação e previu que os objetivos almejados com a realização da Copa do Mundo no país não serão alcançados caso o governo federal continue a transferir para os estados e municípios as responsabilidades por sua realização.

O senador Clésio Andrade (PR-MG) afirmou que a presidente Dilma Rousseff tomou a frente do processo de reestruturação aeroportuária brasileira e que o aeroporto de Confins vai estar pronto para a Copa. Ele disse que, com a audiência, passou a ter certeza de que "Minas não vai perder o trem".

O presidente da subcomissão, senador Blairo Maggi (PR-MT), indagou aos palestrantes se os financiamentos prometidos pelo governo federal estavam disponíveis. Sérgio Barroso respondeu que sim, mas esclareceu que o financiamento para a obra do Mineirão, de R$ 400 milhões, a cargo do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), era de responsabilidade exclusiva do Consórcio Minas Arena.

Stella Kleinrath complementou que o financiamento do BRT, feito pela Caixa Econômica Federal, é de responsabilidade da prefeitura e garantiu não ter conhecimento de atrasos nos repasses.

A subcomissão, vinculada à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), já ouviu representantes de três outras cidades-sede da Copa: Curitiba, São Paulo e Natal. Apenas os gestores ligados aos preparativos da capital paulista manifestaram preocupação com o cumprimento dos prazos das obras.

José Paulo Tupynambá / Agência Senado
 

Notícias

Justiça do RJ suspende união estável feita um mês antes de homem morrer

INDÍCIOS DE FRAUDE Justiça do RJ suspende união estável feita um mês antes de homem morrer 29 de junho de 2020, 21h12 Por Sérgio Rodas Os herdeiros do homem, representados pelo advogado Victor Bastos, alegaram que ele era solteiro e vivia sozinho, tendo apenas o auxílio de empregados. Prossiga em...

Guarda compartilhada, a regra legal do duplo domicílio dos filhos

Guarda compartilhada, a regra legal do duplo domicílio dos filhos 25 de junho de 2020, 12h09 Por Fernando Salzer e Silva Conforme definição legal, a guarda compartilhada é a responsabilização conjunta e o exercício de direitos e deveres dos pais e das mães que não vivam sob o mesmo teto,...

Veja por que a Lei Geral de Proteção de Dados é uma oportunidade para empresas

Postado em 23 de Junho de 2020 - 17:06  Veja por que a Lei Geral de Proteção de Dados é uma oportunidade para empresas Para todas aquelas empresas que coletam dados de clientes para diversos fins, é preciso cautela, afinal, está chegando o momento de implementação da Lei Geral de Proteção de...

Estudo do CNJ estabelece bases para implantação do juiz das garantias

Estudo do CNJ estabelece bases para implantação do juiz das garantias 23 de junho de 2020, 22h25 Por Rafa Santos   Em princípio, a lei teve o prazo prorrogado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, em seis meses. Para o ministro, seria necessário um período para a novidade...