Corretoras de câmbio ganham dois concorrente de peso

Extraído de DCI
25/02/11 - 00:00 > CÂMBIO

Governo decide concorrer indiretamente no câmbio

Eduardo Puccioni

São Paulo - As corretoras de câmbio ganharam dois concorrente de peso na compra e venda de moeda estrangeira. Ontem o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou lotéricas e Correios - que já atuam como correspondentes bancários - a efetuar operações de compra e venda de moeda estrangeira de até US$ 3 mil.

A entrada dos novos players nesse segmento promete complicar a vida das pequenas corretoras que atuam no mercado de câmbio. "Acho a medida positiva para o mercado. Porém, com certeza irá trazer problemas para as pequenas corretoras, ainda mais as menos estruturadas", afirma Paulo Volpe, vice-presidente de Marketing do Grupo Confidence.

Segundo Volpe, este processo de início de negociação de moeda estrangeira em lotéricas e Correios leva, no mínimo, dois anos para entrar em funcionamento. "É preciso investir em funcionários treinados, logística e em locais mais seguros. A lotérica não tem blindagem, muito menos as agências dos Correios", explica Volpe, relembrando que os quesitos de segurança são exigências do próprio Banco Central.

O executivo não se mostrou muito preocupado com os rivais. "É a mesma coisa que pedir para uma agência de câmbio fazer uma entrega de correspondência. Ela vai até fazer, mas não vai ser com a mesma qualidade que a entrega dos Correios", brinca.

Um ponto que preocupa o mercado é concorrência nas taxas que podem ser cobradas pelas empresas do governo. Mas Volpe acredita que as taxas de quem trabalha diariamente com o mercado de câmbio serão melhores, pois essas companhias trabalham com volume superiores.

 

Notícias

TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão

EFETIVIDADE DA EXECUÇÃO TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão 17 de outubro de 2018, 10h29 Por Tadeu Rover Segundo o processo, para fraudar a execução, o devedor simulou uma doação do imóvel aos filhos, reservando o usufruto vitalício a ele e à sua mulher. Leia em...
Leia mais

Homem deve indenizar ex-mulher por traição

Dano moral Homem deve indenizar ex-mulher por traição Juíza considerou que a infidelidade se deu com pessoa que era considerada da família e que trabalhava na empresa pertencente à autora. quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 A juíza de Direito Clarissa Somesom Tauk, da 5ª vara da Família e...
Leia mais

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados