Declaração em cartório manifesta a opção pelo crematório

Extraído de Recivil

132 pessoas registraram em cartório a vontade de serem cremadas

Capela no Jardim da Paz reservada para despedida após a cremação; local tem cascata, música ambiente e capacidade para 196 pessoas

Morrer e retornar à terra em forma de cinzas. Esse é o desejo de 132 pessoas de Rio Preto e região que, nos últimos oito meses, assinaram uma declaração registrada em cartório em que manifestam a vontade de serem cremadas. Elas também já compraram o serviço do crematório, que começou a funcionar em Rio Preto em junho do ano passado, no Cemitério Jardim da Paz, no Jardim Vivendas.

Desde então, 29 corpos foram incinerados na cidade, média de um por semana, segundo o diretor do crematório e do cemitério Jardim da Paz - único particular do município -, Moacir Antunes Júnior. Além de rio-pretenses, famílias de moradores de Franca, Presidente Prudente, Araçatuba, São Paulo, Catanduva, Votuporanga, Campo Grande e José Bonifácio recorreram ao crematório.

Entre aqueles que já garantiram em vida que seus corpos sejam transformados em cinzas, 70 são mulheres e 62 são homens. Um deles é o médico rio-pretense Nelson de Carvalho Seixas, 82 anos. Ele afirma que sempre teve vontade de ser cremado e não quis deixar o encargo para a família. "A cremação é uma questão prática. Que tolice o corpo ficar se decompondo. O ideal é que a cremação se popularize, é sinal de civilidade. Daqui a pouco não terá mais espaço nos cemitérios", afirma. O médico pretende que suas cinzas sejam guardadas no jazigo da sua família, no cemitério da Vila Ercília.

Quando a compra não é feita antecipadamente - o que o diretor do crematório chama de pronto-atendimento -, o custo básico do serviço é de R$ 3,3 mil (inclui taxa de cremação, velório e urna para depositar as cinzas). Dependendo do modelo de urna escolhido, o preço pode aumentar. Uma das mais caras é italiana, em bronze, e custa R$ 900.

"A Igreja não é contrária à cremação do corpo. A ressurreição não é da identidade material, mas da espiritual, que não reside no corpo", diz o padre Geomar Alves dos Santos, da igreja Menino Jesus de Praga, no São Manoel, que já fez celebrações de pessoas que foram cremadas. "A Bíblia fala: 'tu és pó e ao pó retornarás', e isso se torna fato na cremação, quando o corpo vira cinzas." No forno do crematório o corpo se transforma em cinzas entre 90 e 120 minutos, com temperatura a 900 graus.

Legislação

A cremação de cadáver pode ser feita somente se houver declaração de vontade registrada em cartório. Caso contrário, cônjuge, ascendentes, descendentes e irmãos, nessa ordem, podem autorizá-la. Também é necessário atestado de óbito assinado por dois médicos ou um legista, em caso de morte violenta (em que também é necessária autorização judicial). No enterro normal, basta o atestado com registro de um médico.

O procedimento deve ser realizado, no mínimo, 24 horas depois da morte. Antes da cremação, a família promove um velório, seguido de uma cerimônia de despedida, que pode ter a participação de um líder religioso. Nela, o corpo é posicionado em uma base de granito, que desce lentamente e é fechada, simbolizando o ato de sepultamento. A partir daí, a família está liberada para ir embora. A despedida é realizada na capela, que tem cascata, música ambiente, ar-condicionado e capacidade para 196 pessoas sentadas.

Se depois da despedida não se completaram as 24 horas ou a documentação para a cremação ainda não ficou pronta, o corpo fica numa câmara fria. Recentemente, o cadáver de um homem ficou três dias no local, até que os filhos que moram no Japão regularizassem os documentos necessários.

Segundo Antunes Júnior, as cinzas são entregues no prazo de dez dias. Um adulto de porte médio vira cerca de 1,5 quilo de cinzas. Segundo ele, 60% das famílias as espalham num local de preferência do morto, 18% levam para casa e o restante as sepultam.

Para alguns, opção preserva ambiente "Quero que minhas cinzas sejam espalhadas em um jardim, ou em um rio." O desejo da artista plástica Maria Alice Lofrano, 62 anos, por enquanto está concretizado em forma de letras, num termo que ela assinou em dezembro passado, no qual manifesta a vontade de ser cremada.

Para ela, virar cinzas será a melhor escolha, diante do sofrimento já enfrentado em sepultamento de entes queridos. "Visitar túmulo, ver o caixão descendo na cova, tudo isso é muito difícil, quero que minhas filhas fiquem com uma lembrança boa", revela Maria Alice. Além disso, a artista plástica também fala dos benefícios ao meio ambiente. "A cremação é o futuro."

Matéria publicada pelo Diário em abril de 2010 mostrou que o lençol freático das proximidades de oito cemitérios do Noroeste Paulista, incluindo o São João Batista, em Rio Preto, está contaminado com o necrochorume, líquido decorrente da decomposição do corpo.

Valentim Magonaro, 74 anos, morto em 15 de julho do ano passado, deixou por escrito o desejo de ser cremado e pediu que a mensagem fosse lida na cerimônia de despedida, sob silêncio absoluto. Não quis flores nem música, e na mensagem explicou que fez a opção pela cremação por ser a forma mais viável para o meio ambiente. Suas cinzas foram espalhadas em um bosque por um sobrinho.

Pastor auxiliar da 1ª igreja Batista de Rio Preto, João Flávio Martinez, que preside o Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP), considera que a cremação ainda é tema polêmico na sociedade ocidental. "A Bíblia, no Antigo Testamento, orienta a enterrar os mortos. Já no Novo Testamento, não há palavra que afirme que seja pecado", observa. "Se um fiel pedir minha opinião sobre o assunto, irei orientá-lo a enterrar, mas se ele cremar um parente, como cristão não vou condenar."

Fonte: Diário da Região - S. J. do Rio Preto - Últimas/SP

Publicado em 21/02/2011

 

Notícias

TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão

EFETIVIDADE DA EXECUÇÃO TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão 17 de outubro de 2018, 10h29 Por Tadeu Rover Segundo o processo, para fraudar a execução, o devedor simulou uma doação do imóvel aos filhos, reservando o usufruto vitalício a ele e à sua mulher. Leia em...
Leia mais

Homem deve indenizar ex-mulher por traição

Dano moral Homem deve indenizar ex-mulher por traição Juíza considerou que a infidelidade se deu com pessoa que era considerada da família e que trabalhava na empresa pertencente à autora. quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 A juíza de Direito Clarissa Somesom Tauk, da 5ª vara da Família e...
Leia mais

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados