Desjudicializar é a meta

Desjudicializar é a meta

Opinião 3 dias atrás

O Brasil continua a oferecer ao planeta um quadro insólito e bizarro. Um país com 208 milhões de habitantes, vê tramitarem por seus vários Judiciários mais de cem milhões de processos. Há quem considere isso um termômetro democrático: a Constituição de 1988 escancarou as portas da Justiça e hoje todos têm acesso a ela. Só que não encontram saída!

Cinco ramos de Justiça, quatro graus de jurisdição, sistema recursal caótico: mais de cinquenta possibilidades de reapreciação do mesmo tema, antes de se chegar a uma decisão. E nem sempre esta soluciona o conflito. Acaba com o processo, mas não com o problema que fez alguém ingressar em juízo.

O processo já foi considerado a mais civilizada forma de resolver uma controvérsia. Hoje ele foi substituído por aquilo que há poucos anos chamávamos “alternativas”. Os anglo saxões, com seu pragmatismo, preferem acabar com as demandas sentados a uma mesa. Dialogando, argumentando, ouvindo a parte contrária. Procurando um consenso.

Conciliar, mediar, transigir, acordar, transacionar, tudo é preferível a uma sentença que atalha o final do litígio respondendo processualmente. Nesse caso, o desentendimento fica até mais agudo. Os envolvidos mais aflitos e angustiados. E desiludidos do sistema Justiça.

Os pensadores e os realmente interessados em pacificar o Brasil precisam ajudar a encontrar fórmulas de composição consensual de conflitos que deixe o Judiciário reservado para as questões complexas. Não para ações repetitivas, rotineiras, que demandam o trabalho digital da assessoria do julgador, mas não extraem dele o acervo de conhecimento amealhado no estudo e na experiência.

O equipamento judiciário é sofisticado e dispendioso. Enquanto isso, o Brasil já dispõe de uma estrutura apropriada para suprir as necessidades da população. As delegações extrajudiciais, os antigos cartórios, que exercem função pública, sem a natureza de governo. O Estado não coloca um tostão nas delegações, mas delas retira excelente percentagem dos emolumentos. Todas elas têm condições de atenuar a elevada carga de trabalho dos juízes. E contribuem para formar a verdadeira cidadania, outorgando protagonismo aos que litigam. Essa a meta que atenderia à urgência da pacificação nacional, sem elevação do custo Brasil.

José Renato Nalini
Reitor da Uniregistral, docente, conferencista e autor de Ética Ambiental

Fonte: GCN

Notícias

Você sabe qual a diferença entre herança e seguro de vida?

Você sabe qual a diferença entre herança e seguro de vida? Veja o que prevê o Código Civil Redação 18 Jul 2019 às 17h05 A situação é a seguinte: você contratou um seguro de vida para que, caso algo aconteça com você, sua família tenha alguma estabilidade financeira e não fique desamparada. Mas você...
Leia mais

Doações a fundos de proteção animal poderão ficar isentas de IR

18/07/2019 - 13h46 Proposta permite deduzir do IR a doação feita a fundo de proteção de animal doméstico O Projeto de Lei 3226/19 prevê a dedução no Imposto de Renda de doações da pessoa física a fundos municipais, estaduais e nacional de proteção e defesa de animal doméstico. A doação...
Leia mais

Pensão por morte: Nova lei torna mais difícil obter o benefício

Pensão por morte: Nova lei torna mais difícil obter o benefício 12 de julho de 2019 Longe de algum dia ter sido fácil. A comprovação de união estável perante o INSS complica a cada mudança legislativa promovida pelo governo federal. Com a Lei 13.846 foram estabelecidas regras mais rigorosas na...
Leia mais

Inventários e partilhas: melhor fora do Judiciário

Inventários e partilhas: melhor fora do Judiciário        Luciana Gouvêa* 12 de julho de 2019 | 06h00 Quando morre uma pessoa e existem bens a serem passados para herdeiros (sucessão), legalmente isso só pode ser feito por intermédio de Inventário e de Partilha. O...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados