Divórcio? Como administrar a relação Pais e Filhos após uma separação

Divórcio? Como administrar a relação Pais e Filhos após uma separação

Por Bertu Teixeira - publicado em 17/07/2018

O que fazer quando descobrimos que o felizes para sempre, não é para sempre? Dedicamos as nossas energias, nossos sonhos, nossa vida para construir algo maior, A Família. E por inúmeros motivos, muitas vezes as famílias se desfazem e precisam se reajustar ou se reinventar. Em meio a frustração do casal, e a insegurança de não saber lidar com a nova realidade estão os filhos que muitas vezes viram até moeda de troca de afeto, carinho e recursos financeiros.

No meu livro, Despedida de Casada abordo este assunto no capítulo Mãe e Pai dos filhos não se separam. Quando um relacionamento Marido e Mulher chega ao fim, é muito importante entender que dos filhos os pais não se separam e este relacionamento é para vida toda. Um vínculo que jamais será quebrado.

Com esse entendimento pacificado  é prudente evitarmos conflitos desnecessários, principalmente se os filhos ainda são crianças formando sua personalidade.É um momento que exige aceitação, perdão e maturidade.

O Filho é  50% pai e 50% mãe. Quando pedimos a Ele, mesmo inconsciente  que “escolha” entre um ou outro , nesse momento estará  rejeitando 50% dele mesmo que corresponde ao preterido. E isso os trará danos psicológicos que os acompanharão até a fase adulta, pois os mesmos não possuem  forças para seguir, como se sempre estivesse faltando alguma coisa. E muitas vezes, em uma solidariedade inconsciente na vida adulta repete a história dos pais.

Pensando nisso, pensando que as crianças de hoje serão os pais de amanhã proponho algumas dicas e reflexões para este momento tão delicado.

Evite comentários pejorativos em relação ao ex cônjuge e a familiares
É comum em um rompimento os defeitos da(o) ex companheira(o) ressaltarem aos olhos, e, no momento de desilusão é comum verbalizarmos sentimentos negativos em relação ao ex ou familiares deste. Seria bom se pudéssemos evitarmos, mas sei que normalmente não é possível no mundo real, então, se isto acontecer observe e cuide para não utilizar esta prática na frente dos filhos.

Evite brigas na frente dos filhos
Assim como evitar comentários desnecessários na frente dos filhos é importante também prestar atenção para que as brigas também sejam evitadas na presença deles, brigas não são boas para ninguém. Além de sugar a energia, o clima fica horrível. Se precisarem conversar de uma forma mais “quente” e acalorada, faça isso longe dos filhos. O melhor é tentar manter a calma e inteligência emocional.

Não deixe seu filho dividido
Não peça ou exija do seu filho que tome posição a seu favor. Não peça aos seus filhos para escolher um dos dois. Não os envolva em nada que os tire do convívio saudável com a mãe ou pai deles, por pura vaidade ou ego ferido. Não exija (mesmo que inconsciente) que seu filho assuma sua dor, ou seja, que ele fique do seu lado. Lembre-se que você está criando um filho para o mundo e não para você.

Provoque momentos de qualidade com os filhos.
É normal que os pais reconstruam suas vidas e iniciem novos relacionamentos. É normal também que os filhos tenham ciúmes destas pessoas que na cabecinha delas são empecilhos para a família voltar a ser o que era antes. Nestes casos, haja com parcimônia. Não tente essa aceitação de forma abrupta. Reserve um momento Pais e filhos. Um pinique, andar de bike, ir ao cinema, fazer umas comprinhas e aproveitar estes momentos para demonstrar carinho, respeito e amor. Vá apresentando a outra pessoa aos poucos, sem exigir reciprocidade no primeiro momento.

Se não consegue sozinha, busque ajuda
Talvez você não consiga superar o fim do relacionamento. Não tenha vergonha, busque ajuda. Um terapeuta, um orientador espiritual ou um Coach de sua confiança com quem você possa conversar e acalmar seu coração. Conversar, refletir, desabafar, poderá fazer você se sentir melhor e encontrar alternativas. Isso é um bom caminho para a superação e equilíbrio das emoções
.

Fonte: São Paulo para Crianças

Notícias

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável Publicado em: 04/12/2018 APELAÇÃO CÍVEL - ANULATÓRIA DE AVAL - GARANTIA PRESTADA PARA A CONSECUÇÃO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL - OUTORGA UXÓRIA -...
Leia mais

Judicial ou extrajudicial?

Judicial ou extrajudicial? Gisele Nascimento Consigna ainda que o inventário iniciando judicialmente pode ser convertido em extrajudicial para evitar a demora no procedimento, caso assim, acordem os interessados. sexta-feira, 30 de novembro de 2018 Inventário pode ser definido como uma listagem de...
Leia mais

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros Equipe de linguistas revela equívocos mais comuns em aplicativo de idiomas que ensina português também para nativos. Por BBC 31/03/2018 13h43  Atualizado há 7 meses "Vi no Facebook uma mulher dizendo que casaria com o primeiro homem...
Leia mais

Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas

CONTINGENTE INJUSTIFICÁVEL Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas 20 de novembro de 2018, 11h43 Na avaliação do criminalista Sergio Gurgel, a maior dificuldade no que diz respeito à questão da superlotação está na contradição dos discursos demagógicos relacionados à...
Leia mais

Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ

PENSÃO ALIMENTÍCIA Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ 13 de novembro de 2018, 16h56 Por Gabriela Coelho “A dispensa inicial de alimentos pela convivente não invalida o acordo que fora entabulado entre as partes posteriormente". Leia em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados