Entenda a proibição dos faróis de xênon

Entenda a proibição dos faróis de xênon

aparentes vantagens da lâmpada de xênon, entre elas uma luz mais intensa, saltaram aos olhos de muitos motoristas que possuem carros cujos faróis não são preparados para receber tais lâmpadas

Pela redação - www.incorporativa.com.br
11/06/2011

A instalação de faróis de xênon -gás xenônio- em veículos foi proibida pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) em todo o país. A resolução 384, que proíbe as potentes lâmpadas de xênon foi implantada para garantir a segurança do motorista, já que a luz forte pode ofuscar a visão e causar acidentes.

A substituição dos faróis de xênon em veículos que possuem os modelos em seu projeto original foi permitida pelo Contran. A instalação irregular do modelo resulta em multa de R$ 127,69 e cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Lázaro Moraes, gerente de desenvolvimento de produtos da Nino Faróis, empresa que está há mais de 20 anos no mercado de iluminação automotiva, explica por que o Contran proibiu a instalação. “A lâmpada de xênon é muito específica, de base própria, e não monta em nenhum outro tipo de base e, mesmo com os tipos de lâmpadas convencionais mais utilizadas (H4, H7, H1 e H3), é impossível se fazer adaptações”. Segundo Lázaro, as lâmpadas automotivas [halógenas, de gás inerte ou xênon] possuem bases totalmente diferentes. “Isso significa que o farol de xênon só pode ser usado em veículos projetados para ele, do contrário, há grandes chances de atrapalhar quem vem em sentido contrário ou à sua frente”, explica.

Mesmo assim, as aparentes vantagens da lâmpada de xênon, entre elas uma luz mais intensa, saltaram aos olhos de muitos motoristas que possuem carros cujos faróis não são preparados para receber tais lâmpadas. Surgiram, assim, lâmpadas importadas xênon que simplesmente conseguiram adaptar-se em faróis halógenos.

O feito dos fabricantes destas fontes de luz “adaptáveis” foi o de pegar o reator de xênon e criar bases de medidas idênticas às lâmpadas de filamento resistivo compatíveis com diversos faróis. O problema está no fato desta lâmpada entrar em um projeto de farol não foi feito para isso. “Desta forma, a adaptação foge de qualquer ação normativa, o que, seguramente, atrapalha a vida no trânsito”, explica Lázaro. “Assim como cada fechadura só pode ser aberta com sua correspondente chave, cada farol, para que funcione corretamente, possui sua lâmpada certa”, finaliza.

Uma luz estranha

O xenônio, ou xênon, é um elemento químico que, à temperatura ambiente, encontra-se em estado gasoso. Sua utilização como fonte de luz é explicada pelo fato de, ao ser excitado com uma descarga elétrica, produz uma intensa luz que tende para o azul. Mas sua aplicabilidade vai muito além das pistas e estradas. Em hospitais, o xenônio é fundamental, não para iluminar, mas para servir como anestésico.

Fonte: Revista INCorporativa
 

Notícias

Você sabe qual a diferença entre herança e seguro de vida?

Você sabe qual a diferença entre herança e seguro de vida? Veja o que prevê o Código Civil Redação 18 Jul 2019 às 17h05 A situação é a seguinte: você contratou um seguro de vida para que, caso algo aconteça com você, sua família tenha alguma estabilidade financeira e não fique desamparada. Mas você...
Leia mais

Doações a fundos de proteção animal poderão ficar isentas de IR

18/07/2019 - 13h46 Proposta permite deduzir do IR a doação feita a fundo de proteção de animal doméstico O Projeto de Lei 3226/19 prevê a dedução no Imposto de Renda de doações da pessoa física a fundos municipais, estaduais e nacional de proteção e defesa de animal doméstico. A doação...
Leia mais

Pensão por morte: Nova lei torna mais difícil obter o benefício

Pensão por morte: Nova lei torna mais difícil obter o benefício 12 de julho de 2019 Longe de algum dia ter sido fácil. A comprovação de união estável perante o INSS complica a cada mudança legislativa promovida pelo governo federal. Com a Lei 13.846 foram estabelecidas regras mais rigorosas na...
Leia mais

Inventários e partilhas: melhor fora do Judiciário

Inventários e partilhas: melhor fora do Judiciário        Luciana Gouvêa* 12 de julho de 2019 | 06h00 Quando morre uma pessoa e existem bens a serem passados para herdeiros (sucessão), legalmente isso só pode ser feito por intermédio de Inventário e de Partilha. O...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados