Estado da mesa de trabalho impacta a imagem profissional

 

Profissional: O que sua mesa diz de você?

O estado da mesa de trabalho impacta a imagem profissional. Preocupe-se não só em fazer um bom trabalho, mas em manter o espaço organizado

Pela redação - www.incorporativa.com.br
09/06/2011 - Lívia Pontes/O Povo 

Uma pilha de papéis transbordando sem ordem, canetas e copos espalhados. Se essa cena parece com o estado atual da sua mesa de trabalho, fique atento.

Há um crescente número de empresas que priorizam no perfil profissional habilidades organizacionais. Como reflexo do mercado cada vez mais exigente, a imagem profissional também se constrói na forma como a mesa de trabalho é mantida.

Organização no ambiente de trabalho está sendo associada à produtividade individual, explica Sabrina Vale, coordenadora do departamento de Recursos Humanos da Bratt Consultoria Organizacional.

Sabrina, que é chamada para reestruturar setores de empresas, vê problemas sérios que impactam a produtividade e a imagem de quem ocupa mesas repletas de porta-retratos com a família inteira, arranjos de flores, e bonequinhas de porcelana.

A gerente executiva de seleção Valéria Mota, da empresa de recursos humanos MRH, acha que em alguns casos desorganização pode ser motivo para demissão.

Observe os hábitos do seu chefe, pois quem é organizado muitas vezes não quer ou não consegue trabalhar com alguém desorganizado, aponta Valéria.

Sabrina afirma que a forma como as pessoas mantém a mesa impacta a visão que diretores e chefes tem dos funcionários. Então, evite colocar na mesa a sua coleção de bichinho de pelúcia, ou seu mouse e teclado personalizados.

A desorganização também pode prejudicar a produtividade no trabalho

Mas não se deve generalizar. Cássio Braz, coordenador do Núcleo de Psicologia do Trabalho (Nutra), da Universidade Federal do Ceará (UFC), vê a necessidade de organização na mesa de trabalho “como uma metáfora” para a inserção do indivíduo no local de trabalho. Para ele, é impossível fazer julgamentos sobre a conduta profissional somente observando a sua mesa de trabalho.

Na aparente desorganização, pode haver uma ordem para quem trabalha ali, diz o professor. Uma mesa organizada não indica diretamente um alto nível de produtividade. Pode até indicar uma falta de relação do indivíduo com o espaço, diz.

É importante que haja uma negociação desse aspecto entre a empresa e o profissional, afirma Cássio. Para quem não consegue se organizar, mas é imprescindível para a produtividade da empresa, vale complementar o grupo de trabalho com perfis diferentes.

Extraído de Revista INCorporativa

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados