Garoto volta para os braços da família adotiva

Mãe devolve filho à família adotiva após decisão judicial

Após quase três dias, o garoto de 3 anos que estava com a mãe biológica desde o Natal voltou para os braços da família adotiva na tarde desta quarta-feira. Uma liminar do juizado da Infância de Juventude de Campo Grande (MS) determinou a busca do menino.

A mãe adotiva mora em Sorriso (MT) e tem a guarda provisória há oito meses, depois que os pais biológicos não quiseram cuidar da criança. No Natal, foi a Campo Grande e deixou a criança passar o dia com a mãe biológica - com a promessa de que ela o entregaria na segunda-feira, o que não aconteceu. A família adotiva fez um boletim de ocorrência do desaparecimento do menino e a briga judicial começou. Os pais biológicos entraram com pedido de revisão da guarda da criança e os adotivos com uma ação de busca e apreensão do menino, que foi deferida nesta quarta-feira.

Com a liminar em mãos, a família acompanhou o oficial de Justiça por vários endereços, porém não encontraram a mulher. Foi preciso entrar em contato com o advogado da mãe biológica para que ela fosse localizada. Quase quatro horas depois, o menino foi entregue ao oficial de Justiça na Delegacia Especializada de Proteção a Criança e ao Adolescente. Os pais adotivos e os familiares que aguardavam no Fórum da Capital foram até a delegacia, onde receberam a criança emocionados. Dizendo que estava com saudade, o menino abraçou e beijou os pais, e ganhou presentes do irmão de 14 anos e parentes.

"É como se ele tivesse nascido novamente a emoção de recebê-lo de volta. Porque amamos ele demais", disse a mãe adotiva. Ela afirmou que, mesmo com a liminar favorável, irá lutar até o fim para ter a guarda definitiva. "Enquanto tivermos chances, recursos, nós vamos lutar pela guarda". Os pais adotivos afirmaram que não estão preocupados se os pais biológicos, que tinham escondido o garoto, vão responder ou não na Justiça pelo crime e que querem apenas o bem do menino.

O Terra tentou conversar com o advogado da mãe biológica, mas ele não atendeu os telefonemas.

 

Fonte: Site Terra

Publicado em 29/12/2011

Extraído de Recivil

Notícias

Pactos conjugais e convenciais e o anteprojeto de revisão do Código Civil

Pactos conjugais e convenciais e o anteprojeto de revisão do Código Civil Luciana Faisca Nahas segunda-feira, 15 de julho de 2024 Atualizado às 06:58 A ampliação da liberdade de pactuar nas relações familiares conjugais e convivenciais é uma demanda crescente no cenário jurídico e social, e é...

Sem citação válida, ação de execução de título extrajudicial é anulada

LOCAL INCERTO Sem citação válida, ação de execução de título extrajudicial é anulada Paulo Batistella 11 de julho de 2024, 20h39 Além de anular a ação, a juíza ainda determinou que a instituição financeira pague os honorários de sucumbência, uma vez que deu causa à nulidade. Confira em Consultor...

Por abandono afetivo, mulher consegue retirar sobrenome paterno de registro

quinta-feira, 11 de julho de 2024 Por abandono afetivo, mulher consegue retirar sobrenome paterno de registro Para magistrada, manutenção do nome do suposto genitor condenaria mulher a reviver passado de abandono. Mulher consegue o direito de retirar sobrenome paterno do registro civil devido a...

Casal homoafetivo consegue adotar criança após criá-la por nove anos

Direito de família Casal homoafetivo consegue adotar criança após criá-la por nove anos Magistrada identificou prática ilegal de adoção dirigida, mas optou por destituir genitora do poder familiar em prol do melhor interesse da criança, já adaptada ao lar do casal. Da Redação segunda-feira, 8 de...

Juíza permite paternidade biológica e socioafetiva em registro

Dupla paternidade Juíza permite paternidade biológica e socioafetiva em registro Magistrada considerou que a paternidade não é apenas um fato biológico, mas também um fato cultural e afetivo. Da Redação sexta-feira, 5 de julho de 2024 Atualizado às 15:29 Criança poderá ter dupla paternidade em...