Minimizando a ausência de políticas públicas

23/11/2010 - 13h17

Autismo: Voluntariado faz a diferença

 

Em setembro, um grupo de pais de crianças autistas, que só se conhece pela internet, lançou a revista Autismo, depois de constatar a necessidade de informação sobre o assunto e a falta de publicação especializada. "Foram seis meses de pesquisa pela internet e contato com entidades, inclusive no exterior", diz o jornalista Paiva Júnior, responsável pela edição. O resultado, segundo ele, foi a primeira publicação exclusiva sobre autismo na América Latina e a primeira em lingua portuguesa no mundo.

Um dos pais, Waldemar Casagrande, tem uma gráfica em Santa Catarina e conseguiu que um dos seus fornecedores doasse o papel. O publicitário e artista plástico Martim Fanucchi foi responsável pelo projeto da revista e Paiva pelo conteúdo. Com uma tiragem de 5 mil exemplares, rapidamente esgotada, a revista está disponível pela internet (www.revistaautismo.com.br). Até o final do ano, segundo Paiva, deve estar disponível a sua versão para o inglês e no final de janeiro para o espanhol. Atualmente semestral, o desafio, acrescenta, é encontrar patrocínio para torná-la trimestral.

Esse voluntariado tem ajudado a minimizar a ausência de políticas públicas e o sofrimento das famílias. Todas as entidades que compareceram à audiência na CAS, por exemplo, reúnem pais e parentes de autistas. A Associação Brasileira de Autismo (Abra) é presidida por Marisa Furia Silva, mãe de autista de 32 anos, que revelou a preocupação com a velhice do seu filho e dos demais adultos autistas. "O básico é ter seguridade social e educação", defendeu na audiência.

A pedagoga Juceli Vianna Antunes, avó de criança autista, resolveu fundar a Adefa, depois que descobriu a precariedade do atendimento no Brasil. Decidiu partilhar seus conhecimentos e suas pesquisas sobre o assunto. A entidade sobrevive do voluntariado e mesmo com parcos recursos já atendeu cem crianças autistas.

Mais contundente, a presidente da Associação de Amigos do Autista da Bahia (AMA-BA), Rita Valéria Brasil, que há 17 anos trabalha em instituições para autistas, reclamou da falta de prioridade aos portadores do TEA. Ela mostrou, na sua apresentação, como a intervenção adequada pode melhorar a qualidade de vida de crianças e adolescentes com TEA, com exemplos animadores de autistas carentes assistidos pela entidade.

Na audiência, o professor Marcos Tomanik Mercadante, da Escola Paulista de Medicina, dimensionou a falta de especialistas no assunto. Ligado ao Departamento de Psiquiatria Infantil da Associação Brasileira de Psiquiatria, ele informou que apenas 300 profissionais filiados à entidade possuem especialização em Psiquiatria da Infância e há apenas outros 250 a 300 neuropediatras.

 

Cíntia Sasse / Jornal do Senado

Notícias

Previdência privada pode facilitar o planejamento sucessório

OPINIÃO Previdência privada pode facilitar o planejamento sucessório 1 de agosto de 2021, 15h12 Por Sara Quental Os planos de previdência privada constituem, na atualidade, um instrumento facilitador do planejamento sucessório, sendo uma alternativa menos burocrática, mais flexível, rápida e...

Pais devem pagar pensão à filha sob guarda da avó materna, decide TJSP

Pais devem pagar pensão à filha sob guarda da avó materna, decide TJSP 07/07/2021 Fonte: Assessoria de Comunicação do IBDFAM A 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo – TJSP negou provimento ao recurso dos pais de uma menina, que buscavam reformar decisão para se eximirem...

Plataformas online oferecem ferramentas para herança digital

PERFIL POST MORTEM Plataformas online oferecem ferramentas para herança digital 28 de julho de 2021, 7h31 Atualmente, todas essas situações são reguladas pelas disposições gerais de Direito Sucessório e Digital. Assim, os procedimentos e configurações das plataformas, ainda que limitadas, são o...