RS: Juiz Luís Antônio Johnson fala sobre importância da atividade extrajudicial durante o 73º Encontro do CNB/RS

Porto Alegre, 31 de outubro de 2019

RS: Juiz Luís Antônio Johnson fala sobre importância da atividade extrajudicial durante o 73º Encontro do CNB/RS

por Equipe do Site

Apresentando o tema ‘A relevante missão do notário no atual cenário brasileiro’, o juiz diretor do Foro da Comarca de Lajeado, Luiz Antônio de Abreu Johnson, deu continuidade ao 73º Encontro Estadual dos Tabeliães de Notas e Protesto do RS. Promovido pelo Colégio Notarial do Brasil – Seção Rio Grande do Sul (CNB/RS), o evento acontece nesta sexta-feira e sábado (25 e 26), no Hotel Deville, em Porto Alegre.

Johnson iniciou sua fala comentando o caso de dois haitianos refugiados que se mudaram para Lajeado, cidade do interior do Estado, e desejavam se casar. Conforme o juiz, inicialmente, o casamento civil dos dois não podia ser realizado, em função do que considerou “documentos precários e sem valor jurídico” para identificação que receberam da embaixada no Brasil.

Enquanto juiz diretor do Foro da Comarca de Lajeado, o caso chegou a seu conhecimento. “Atualmente existem de três a quatro mil haitianos, senegaleses e de outras nacionalidades em Lajeado, em função das empresas frigoríficas. Essa é uma situação que nunca tinha acontecido, mas baseado nos princípios da dignidade humana, da afetividade e igualdade dos cidadãos, decidi permitir o casamento”, explicou.

Ele continuou justificando a razão da contextualização. “Contei este caso para mostrar a importância da atividade do notário e do registrador, porque esse documento transformou a vida de pessoas que não tinham quase nenhum direito civil. Hoje, eles ainda estão casados e tem filhos registrados na forma correta da lei”.

Na sequencia, apresentou o contexto histórico do Direito Notarial, destacando que fontes históricas evidenciam o surgimento da matéria ainda no período dos Impérios e Reinos. “Escribas e tabeliones estiveram presentes ao lado dos soberanos e Pontífices para redigir e portar por fé os atos da realeza, da vida comum e os atos eclesiásticos”, explicou.

Conforme Johnson, o primeiro ato notarial realizado no Brasil foi lavrado por Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, que narrou a descoberta do país e a posse da terra em caráter descritivo.

Encaminhando-se para o fim da apresentação, o juiz mencionou o papel importante das serventias na desjudicialização e citou a Lei nº 11.441/2007 que permitiu o divórcio consensual diretamente nos cartórios. “O fenômeno da desjudicialização é tema constantemente abordado em muitos países que enfrentam crise no poder judiciário, dentre eles, o Brasil. Neste contexto, a atividade notarial representa importante instrumento para plena, rápida e eficaz realização do direito, tornando-se um braço forte do Estado”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Imprensa Felipe Vieira
 

Notícias

Imposto sobre herança pode combater desigualdades, afirma auditor fiscal

Imposto sobre herança pode combater desigualdades, afirma auditor fiscal Por Congresso Em Foco Em 03 jun, 2020 - 19:04 Última Atualização 03 jun, 2020 - 21:53 O ITCMD, tem potencial de dar aos estados a condição de sobreviverem sozinhos, "sem ficar pedindo ajuda à federação o tempo todo", segundo o...

Doações de bens feitas por idosos na pandemia poderão ser revistas

Doações de bens feitas por idosos na pandemia poderão ser revistas 03/06/2020, 13h54 Doações de bens feitas por idosos durante o período da emergência em saúde provocada pelo coronavírus poderão ser revogadas em um prazo de até um ano. É o que diz projeto de lei (PL 3.049/2020) do senador Arolde...

SC: Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia

SC: Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia A liminar é da juíza de Direito substituta Ana Luisa Schmidt Ramos do JEC do Norte da Ilha/SC. segunda-feira, 13 de abril de 2020     Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia. Com...

Mulher trans obtém direito de ter nome no registro de nascimento da filha

Mulher trans obtém direito de ter nome no registro de nascimento da filha Defensoria Pública foi acionada em 2018 e o caso foi encerrado, com sucesso, neste mês de maio Por: Portal Folha PE em 29/05/20 às 16H09, atualizado em 29/05/20 às 16H18 Carolina*, mulher trans, ainda no ano de 2018, buscou a...

CNJ autoriza retomada de atividades presenciais a partir de 15 de junho

CNJ autoriza retomada de atividades presenciais a partir de 15 de junho Publicado por Enviar Soluções Burocráticas há 1 hora De forma gradual e sistematizada, o Judiciário brasileiro está autorizado a retomar as atividades presenciais a partir de 15 de junho. Nesta segunda-feira (1/6), o Conselho...