Você é PJ?: como proteger sua empresa com contratos

Você é PJ?: como proteger sua empresa com contratos

Gestão de contratos evita multas em pequenas empresas e regula uso em SaaS. Conheça modelos

Pela redação - www.incorporativa.com.br
10/06/2011 - Perla Rossetti/IT Web 

O que difere a pequena da grande empresa? Na maioria das vezes, o faturamento é determinante, mas a gestão de contratos a fim de evitar multas com pagamentos atrasados ou desencontro de informações garante a sobrevivência de organizações menores, como é o caso das prestadores de serviço em TI. A afirmação é do professor, diretor da consultoria Escepti e membro da norte-americana Contract Management Association, Enio Salu.

O especialista comenta que o controle da vigência e prazos prevê e evita atrasos, inclusive de fornecedores e parceiros, através de programação e follow-up, por e-mail ou telefone. Grandes companhias aferem e evitam penalidades previstas em contratos de fornecedores ou clientes através de assessoria jurídica. Porém, o pequeno pode quebrar num embate com um cliente ligado à autarquia pública, por exemplo. “Conheço empresários que, ao descumprir uma obrigação, o cliente, uma empresa pública, aplicou multa de 20% do valor total do contrato. Os sócios tiraram dinheiro do bolso e fecharam a empresa em seguida”.

Da mesma forma, estabelecer contrato previne prejuízos com retrabalho ou horas a mais de serviço, fora do valor acertado. “Serve para mensurar antecipadamente as necessidades. Descreva em que condições o serviço está sendo feito e insira cláusulas informando a dificuldade de mensuração, estabeleça o prazo para as partes, inclusive para avaliar resultados, dar continuidade ou encerrar a conversa”, diz Salu.

Especialmente quem trabalha no sistema de Software as a Service (SaaS), fornecendo hardwares nas instalações do cliente, deve proteger o ativo via contrato. “O documento deve ser assinado e constar detalhes sobre as condições do comodato, inclusive as penalidades em caso de sinistros”.

Mesmo sem firma reconhecida, as melhores práticas definem o instrumento como meio de evitar riscos e, segundo o Código de Defesa do Consumidor, o prestador de serviço pode pedir para o cliente também assinar o orçamento.

Nota fiscal não vale

E de acordo com o professor do curso de Administração de Serviços na Fundação Vanzolini, entidade gerida por professores do Departamento de Engenharia de Produção da Poli/USP, Leopoldo Santana Luz, a nota fiscal não é instrumento hábil para comprovar o acordo comercial como um contrato, pois é emitida apenas após a conclusão do serviço.

“Melhor é documentar por escrito o contrato e orçamento aprovado pelo cliente, antes do início do serviço. As cláusulas especificam os serviços a serem prestados, declaram os excluídos, e demonstram a intenção do empresário em respeitar os direitos básicos do cliente, fixados no Código de Defesa do Consumidor”.

E não é preciso recorrer a uma junta de advogados. Para proteção dos dois lados, há modelos de contratos disponíveis na web que são confiáveis, de acordo com o grau de complexidade do serviço, aponta Salu. Para acessar exemplos do documento, acesse www.contratos.net.br e clique no link “Modelos de Cláusulas”.

Fonte: Revista INCorporativa


 

 

Notícias

Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável

MP NO DEBATE Apontamentos sobre o reconhecimento da união estável 17 de junho de 2019, 8h00 Por Maria Fátima Vaquero Ramalho Leyser Antes da promulgação da Constituição Federal de 1988, a convivência entre homem e mulher, como se fossem casados, isto é, a união estável entre pessoas de sexo...
Leia mais

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará

Governo divulga lista de negócios que podem ser abertos sem alvará Publicado em 12/06/2019 - 20:49 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil  Brasília Foi publicada hoje no Diário Oficial da União uma lista com 287 atividades econômicas que não precisarão de autorizações prévias para...
Leia mais

Artigo - Cadê meus bens? – Por Ivone Zeger

12/06/2019 Artigo - Cadê meus bens? – Por Ivone Zeger A comunhão é parcial, mas há quem insista em pedir a herança do que não lhe pertence. Quando ela iniciou o relacionamento, ele já tinha uma empresa. Permaneceram em união estável por cinco anos, até o falecimento dele. Nesse período, a empresa...
Leia mais

Site que intermediou venda não é responsável por produto com defeito

RELAÇÃO DE CONSUMO Site que intermediou venda não é responsável por produto com defeito 11 de junho de 2019, 7h25 Por Gabriela Coelho "O site presta serviços de veiculação e intermediação de produtos e serviços na internet, integrando a cadeia de fornecimento de produtos e serviços, restando...
Leia mais

Casamento infantil atinge 115 milhões de meninos no mundo

Casamento infantil atinge 115 milhões de meninos no mundo por Celio Martins[09/06/2019] [20:45] Quando se trata de casamento infantil, na maioria das vezes os estudos se referem a meninas. Apesar de os casos de casamentos precoces terem maior incidência no sexo feminino, um grande número de meninos...
Leia mais

Jurisprudência mineira - Cobrança - Fundo de promoção - Legitimidade passiva - Empresário individual - Pessoa natural - Confusão patrimonial - Morte - Espólio - Responsabilidade solidária do sucessor

11 - JUN, 2019 - Jurídico Jurisprudência mineira - Cobrança - Fundo de promoção - Legitimidade passiva - Empresário individual - Pessoa natural - Confusão patrimonial - Morte - Espólio - Responsabilidade solidária do sucessor COBRANÇA - FUNDO DE PROMOÇÃO - LEGITIMIDADE PASSIVA - CERCEAMENTO DE...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados