Você é PJ?: como proteger sua empresa com contratos

Você é PJ?: como proteger sua empresa com contratos

Gestão de contratos evita multas em pequenas empresas e regula uso em SaaS. Conheça modelos

Pela redação - www.incorporativa.com.br
10/06/2011 - Perla Rossetti/IT Web 

O que difere a pequena da grande empresa? Na maioria das vezes, o faturamento é determinante, mas a gestão de contratos a fim de evitar multas com pagamentos atrasados ou desencontro de informações garante a sobrevivência de organizações menores, como é o caso das prestadores de serviço em TI. A afirmação é do professor, diretor da consultoria Escepti e membro da norte-americana Contract Management Association, Enio Salu.

O especialista comenta que o controle da vigência e prazos prevê e evita atrasos, inclusive de fornecedores e parceiros, através de programação e follow-up, por e-mail ou telefone. Grandes companhias aferem e evitam penalidades previstas em contratos de fornecedores ou clientes através de assessoria jurídica. Porém, o pequeno pode quebrar num embate com um cliente ligado à autarquia pública, por exemplo. “Conheço empresários que, ao descumprir uma obrigação, o cliente, uma empresa pública, aplicou multa de 20% do valor total do contrato. Os sócios tiraram dinheiro do bolso e fecharam a empresa em seguida”.

Da mesma forma, estabelecer contrato previne prejuízos com retrabalho ou horas a mais de serviço, fora do valor acertado. “Serve para mensurar antecipadamente as necessidades. Descreva em que condições o serviço está sendo feito e insira cláusulas informando a dificuldade de mensuração, estabeleça o prazo para as partes, inclusive para avaliar resultados, dar continuidade ou encerrar a conversa”, diz Salu.

Especialmente quem trabalha no sistema de Software as a Service (SaaS), fornecendo hardwares nas instalações do cliente, deve proteger o ativo via contrato. “O documento deve ser assinado e constar detalhes sobre as condições do comodato, inclusive as penalidades em caso de sinistros”.

Mesmo sem firma reconhecida, as melhores práticas definem o instrumento como meio de evitar riscos e, segundo o Código de Defesa do Consumidor, o prestador de serviço pode pedir para o cliente também assinar o orçamento.

Nota fiscal não vale

E de acordo com o professor do curso de Administração de Serviços na Fundação Vanzolini, entidade gerida por professores do Departamento de Engenharia de Produção da Poli/USP, Leopoldo Santana Luz, a nota fiscal não é instrumento hábil para comprovar o acordo comercial como um contrato, pois é emitida apenas após a conclusão do serviço.

“Melhor é documentar por escrito o contrato e orçamento aprovado pelo cliente, antes do início do serviço. As cláusulas especificam os serviços a serem prestados, declaram os excluídos, e demonstram a intenção do empresário em respeitar os direitos básicos do cliente, fixados no Código de Defesa do Consumidor”.

E não é preciso recorrer a uma junta de advogados. Para proteção dos dois lados, há modelos de contratos disponíveis na web que são confiáveis, de acordo com o grau de complexidade do serviço, aponta Salu. Para acessar exemplos do documento, acesse www.contratos.net.br e clique no link “Modelos de Cláusulas”.

Fonte: Revista INCorporativa


 

 

Notícias

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido?

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido? Lúcia Soares 3 ago 2022 - 10h59 (atualizado às 13h06) Parece inacreditável, mas até 2002, ainda vigorava no Brasil uma lei, que estabelecia que o marido poderia anular o casamento e devolver a mulher à família, caso descobrisse...

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança Além de causar mal-estar às famílias, litígio desvaloriza bens e é prejudicial para rentabilidade A herança de uma pessoa é a soma de todo o patrimônio conquistado ao longo da vida, como investimentos, imóveis, empresas, bens e até...

Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges

OPINIÃO Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges 28 de julho de 2022, 21h27 Por Paulo Eduardo Razuk e Denise Zanutto Tonelli Oliveira "INVENTÁRIO. Decisão que declarou a ineficácia da escritura pública, determinando a aplicação da Súmula 377 do E. STF. AGRAVO DE INSTRUMENTO....

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável Processo: REsp 1.852.807-PR, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, Terceira Turma, por unanimidade, julgado em 10/05/2022, DJe 13/05/2022. Ramo do Direito: Direito Civil Tema: Extinção de união estável. Partilha de imóvel comum....