Divórcio judicial ou extrajudicial? Consensual ou litigioso?

Origem da Imagem/Fonte: Massa News

Divórcio judicial ou extrajudicial? Consensual ou litigioso?

Mariana Demetruk Marchioro | Publicado em 11 de maio de 2018 | 17h22  

Pouco mais de quarenta anos após a instituição da lei do Divórcio no Brasil e pode-se dizer que um terço dos casamentos termina em divórcio. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e apontam para um significativo crescimento no número de dissoluções. Os divórcios que antes representavam cerca de 10% do universo de casamentos em 1984, em 2016, passaram a representar 31,4%, ou seja, para 1,1 milhão de matrimônios, há 344 mil dissoluções.

É inconteste que as dissoluções dos casamentos estão cada vez mais frequentes e que ninguém se casa pensando no divórcio, mas quando o divórcio é inevitável, o importante é procurar a forma menos gravosa de dissolver a união.

Divórcio
O divórcio é uma das formas de dissolver o vínculo conjugal e alterar o estado civil dos cônjuges, que passam de casados a divorciados. Antigamente, para a dissolução do matrimônio, exigia-se que antes fosse requerida a separação judicial e, somente após o prazo de um ano, poderia ser requerida a sua conversão em divórcio. Com a Emenda Constitucional nº 66/2010, a separação prévia e o decurso do referido prazo passaram a ser dispensáveis, de modo que, atualmente, o divórcio pode ser requerido a qualquer tempo.

Assim, se houver interesse do casal no divórcio, não há nenhum requisito legal e nem tampouco temporal, que os impeça. O divórcio pode ocorrer inclusive no mesmo dia do casamento, sem qualquer necessidade de justificação. No entanto, a ausência de requisitos legais não torna o divórcio menos drástico. De modo que o divórcio deve ser sempre a última alternativa do casal.

Divórcio consensual ou litigioso?
Quando existe o consenso do casal em relação à dissolução do casamento e seus possíveis desdobramentos, eventual partilha dos bens, os termos da guarda dos filhos e o valor devido a título de pensão alimentícia, o divórcio será considerado consensual. Por outro lado, em não havendo consenso sobre qualquer dos pontos pertinentes à dissolução, o divórcio será considerado litigioso e será necessária a intervenção do judiciário a fim de solver o conflito de interesses.

Divórcio extrajudicial ou judicial?
O divórcio poderá ser extrajudicial, ou seja, poderá ser realizado diretamente no cartório, somente se existir consenso entre as partes sobre todos os termos do divórcio e se o casal não possuir filhos menores de 18 anos ou incapazes, advindos da união a ser dissolvida. É importante destacar que mesmo o divórcio sendo realizado em cartório será necessário o acompanhamento de ao menos um advogado. O divórcio judicial, por sua vez,poderá ser consensual ou litigioso e, obrigatoriamente, deve ser proposto por um advogado.

Por que mesmo sendo consensual eu preciso propor um divórcio
judicial?
O nosso ordenamento jurídico determina que sempre quando existe a disposição dos interesses de menores ou de incapazes deverá, necessariamente, ocorrer a fiscalização e acompanhamento por um juiz e por um membro do Ministério Público. Desse modo, considerando que na dissolução de casamento haverá a disposição sobre os interesses dos filhos, tais como a fixação da guarda e de alimentos, e, se forem os filhos à época do divórcio menores ou incapazes, ainda que exista consenso sobre todos os termos da dissolução, o divórcio deverá necessariamente ser judicial, a fim de viabilizar o acompanhamento e a fiscalização do Ministério Público e direta intervenção do juiz e assegurar o melhor interesse dos filhos.

O Divórcio Consensual Judicial é um procedimento relativamente célere, no qual serão lavrados os termos para o divórcio e tão somente será necessária a homologação do divórcio pelo juiz e a anuência do representante do Ministério Público.

Quais são as despesas que terei para me divorciar?
Em se tratando de divórcio extrajudicial, serão devidos honorários advocatícios, taxas do cartório e emissão da escritura pública e impostos devidos pela transferência de bens. Já em se tratando de divórcio judicial, serão devidos honorários advocatícios, taxas e despesas judiciais e impostos devidos pela transferência de bens.

Em ambos os casos é possível fazer o requerimento de assistência judiciária gratuita, mediante a juntada dos comprovantes de rendimento e de despesas fixas, o qual será devidamente analisado e julgado pelo respectivo órgão. Caso seja procedente, estarão as partes dispensadas do pagamento das taxas do cartório e das despesas processuais.

Cumpre ainda esclarecer que serão devidos impostos somente se houver partilha de bens e se a partilha de bens não for equânime.

A guarda dos filhos e pensão alimentícia após o divórcio
Em se tratando de divórcio consensual, os genitores definirão livremente a modalidade da guarda dos filhos, a visitação e o valor da pensão alimentícia, sempre vislumbrando o melhor interesse do menor. Não havendo consenso entre as partes, caberá ao juiz determinar como se dará a guarda e arbitrar o valor da pensão alimentícia, considerando o trinômio “necessidade-possibilidade-proporcionalidade”. Cumpre ainda esclarecer que além da fixação da pensão para o filho, poderá haver pedido de pensão para um dos cônjuges, a qual deverá ser fixada considerando o trinômio já mencionado.

Conclusão
Por fim, se o divórcio for inevitável, opte, sempre que possível, pelo divórcio consensual, seja judicial ou extrajudicial, pois certamente é o meio menos custoso financeiramente e emocionalmente e o que melhor preservará os interesses do casal e certamente dos filhos, se houverem. Em que pese já se tenha passado pouco mais de quarenta anos da instituição da lei do Divórcio no Brasil, é inconteste que o divórcio gera muitas dúvidas, preocupações e inseguranças, que talvez não tenham sido sanadas por este artigo. Se você ainda ficou com dúvidas, nos encaminhe um e-mail!

Mariana Demetruk Marchioro Mariana Demetruk Marchioro
Advogada.

Fonte: Massa News

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados