A CONVIVÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS COM O FUTURO DO TRABALHO

A CONVIVÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS COM O FUTURO DO TRABALHO

Por notariado   Postado em 25 de julho de 2019 

Não é mais novidade que a contratação de uma força de trabalho em regime de Pessoa Jurídica (PJ) tem aumentado a cada ano, assim como tem crescido o número de empresas que permitem que o funcionário trabalhe pelo menos em algum dia da semana no esquema home-office, o que culmina em redução de custos e maior flexibilidade de horários.

A estimativa de que nos próximos 20 anos a força de trabalho terá passado pela sua maior transformação em um curto espaço de tempo, seguindo a rapidez da nossa realidade, o avanço tecnológico e o acesso mais rápido à informação. A tecnologia de hoje, ao contrário do que muitos pregam, veio para ser nossa aliada e não para eliminar postos de trabalho. No entanto, é importante ressaltar que as oportunidades virão para os que compreenderam a mudança de cenário.

Hoje é comum verificarmos a existência de vagas de emprego que priorizam conhecimento aprofundado e experiência de assuntos específicos em vez de um alto grau de formação

Um estudo realizado em 2018 pela CIO e pela Computerworld do Reino Unido, intitulado de Workplace of the Future verificou que “um local de trabalho do futuro para profissionais da área de Tecnologia da Informação será definido tanto pela cultura, colaboração e flexibilidade como por tecnologias emergentes, como internet das coisas (IoT) e inteligência artificial”.

Para muitos pesquisadores, a inteligência artificial pode ser de grande importância para nos liberar de tarefas repetitivas e termos mais tempo e espaço para pensar de forma estratégica. As próximas gerações, aliás, desempenharão funções que ainda sequer existem.

Você ainda pode se perguntar: mas e os serviços braçais? Sim, eles também estão sendo gradativamente substituídos pelos robôs e outras máquinas. O learning machine, a robótica, a nanotecnologia, a genética e a biotecnologia serão cada vez mais integradas e com sistemas mais inteligentes. Lembrando que produzir e realizar a manutenção dessas tecnologias abrem novas áreas de trabalho.

Alguns empregos formais devem ser, sim, substituídos por serviços automatizados. Ao mesmo tempo, surgirão outros com foco na experiência humanizada. Cito como exemplo os call centers, que deverão contar cada vez mais com chat bots e robôs, permitindo assim que a mão de obra humana foque em um atendimento mais individual e personalizado ao cliente.

A tendência é que esse futuro tecnológico impulsione a remuneração por produtividade, ambientes de trabalho mais integrados, valorização de estruturas hierárquicas verticais para modelos horizontais e a liberdade para exercer múltiplas tarefas.  Novas ferramentas e ocupações surgirão, mas a inteligência, a capacidade de criação, inovação e planejamento continuam um privilégio do ser humano.

Autor:

Joelson Sell – Sócio e fundador da Escriba. Diretor de negócios e expansão. Formado em Gestão Comercial pela UNOPAR.

Nota de responsabilidade:
As informações aqui veiculadas têm intuito meramente informativo e reportam-se às fontes indicadas. O Colégio Notarial Seção RS não assume qualquer responsabilidade pelo teor do que aqui é veiculado. Qualquer dúvida, o consulente deverá consultar as fontes indicadas.

Fonte: Colégio Notarial do Brasil

Notícias

Imunidade do ITBI não alcança valor que excede capital integralizado, diz STF

VITÓRIA DO FISCO Imunidade do ITBI não alcança valor que excede capital integralizado, diz STF 6 de agosto de 2020, 14h40 Por Danilo Vital “Nada impede que os sócios ou os acionistas contribuam com quantia superior ao montante por eles subscrito, e que o contrato social preveja que essa parcela...

Incide ICMS na venda de veículos por locadoras, diz STF

CONVÊNIO DO CONFAZ Incide ICMS na venda de veículos por locadoras, diz STF 5 de agosto de 2020, 20h26 Por Danilo Vital Ao serem revendidos, perdem essa característica e passam ser considerados mercadoria, pois introduzido no processo circulatório econômico. Por isso, incide ICMS. Confira em...

Quando o divórcio ultrapassa o âmbito das varas cíveis

Quando o divórcio ultrapassa o âmbito das varas cíveis Martina Catini Trombeta Quando o processo de divórcio ou dissolução de união estável passa a ter um agressor e uma vítima, pode ser necessária a adoção de medidas protetivas. Nesse momento ultrapassa -se o âmbito do direito de família, e há uma...

A casa depois do divórcio. E agora?

A casa depois do divórcio. E agora? A casa de morada da família pode ser entregue ou atribuída a ambos os cônjuges. Redação 04 agosto 2020, 5:11 O que acontece à casa de morada da família quando há um ponto final numa relação? Com o divórcio – a pandemia da Covid-19 está a contribuir para que haja...

Cartórios lançam Campanha Nacional para Proteção Patrimonial dos Idosos

Cartórios lançam Campanha Nacional para Proteção Patrimonial dos Idosos Ouça a entrevista com Fernanda de Almeida Abud Castro, diretora executiva da Anoreg/BR Revista Brasil No AR em 29/07/2020 - 12:25 Os idosos têm sido foco de atenção dos cartórios de todo o país,...