Aplicada revelia por atraso de oito minutos em audiência

Atraso

Aplicada revelia por atraso de oito minutos em audiência

30/5/2012

O atraso de oito minutos do representante do BB para a audiência foi suficiente para a SDI-1 do TST reconhecer a revelia e, consequentemente, aplicar a pena de confissão ficta, cujo efeito é o de tornar em verdade processual as alegações do trabalhador que ajuizou a ação relativas à matéria de fato (artigo 840 da CLT).

Iniciada a audiência na qual seriam tomados os depoimentos das partes, a empregada respondia ao juiz questões sobre sua contratação, função, duração da jornada e local do trabalho quando o preposto do banco adentrou na sala, justificando que havia se envolvido numa confusão de trânsito. O magistrado da 14ª vara do Trabalho de Florianópolis/SC entendeu que a chegada do preposto durante o depoimento pessoal da empregada, embora tardia, não implicaria a penalização do banco com a pena de confissão pois, naquele momento, estava em curso a fase de colheita dos depoimentos pessoais.

A sentença foi confirmada pelo TRT da 12ª região, e os autos vieram ao TST por meio de recurso de revista da empregada, que não obteve êxito na 4ª turma. Ainda inconformada, a bancária recorreu à SDI-1.

Ao examinar os autos, a ministra Delaíde Miranda Arantes entendeu de forma diversa das instâncias anteriores. Para a relatora, a diretriz da Orientação Jurisprudencial 245 da SDI-1 não permite tolerância com atraso no horário de comparecimento da parte em audiência, por falta de previsão legal. No julgamento foi destacado que, a despeito de haver precedentes admitindo impontualidades de um e três minutos, o fato de a tomada do depoimento da empregada ter sido iniciada pelo juiz configura prática de ato processual que atrai a preclusão (perda do direito de agir) para o oferecimento de resposta pelo Banco.

Para a relatora, admitir a tolerância nessa hipótese seria afrontar o princípio da igualdade de tratamento das partes. "É de se exigir delas o rigor na observância do horário previamente estabelecido para a audiência, sob pena de aplicação do previsto no artigo 844 da CLT", concluiu.

O recurso de revista foi provido, por maioria, para reconhecer a revelia e, consequentemente aplicar a pena de confissão ficta quanto à matéria de fato e determinar o retorno dos autos à Vara de origem, para o exame dos pedidos.

Processo: RR-626385-60.2005.5.12.0014


Veja abaixo a íntegra da decisão.

______

 

A C Ó R D Ã O

SDI-1

GMDMA/GN

RECURSO DE EMBARGOS REGIDO PELA LEI 11.496/2007. ATRASO DE OITO MINUTOS DO PREPOSTO DO RECLAMADO EM AUDIÊNCIA. DEPOIMENTO PESSOAL JÁ INICIADO. EFEITOS. Discute-se se o atraso de oito minutos do preposto do reclamado à audiência, quando a reclamante já se encontrava prestando depoimento pessoal, pode elidir a revelia. A diretriz firmada na Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1 não permite tolerância com atraso no horário de comparecimento da parte em audiência à míngua de previsão legal. Nesse cenário, reputa-se inviável a elisão da revelia e de suas consequências legais. Registre-se que a hipótese de mitigação da referida Orientação Jurisprudencial efetuada por esta Subseção só foi levada a efeito quando ocorreram atrasos de um minuto e de três minutos sem a prática de qualquer ato processual que pudesse configurar a preclusão do instante processual para o oferecimento da resposta, caso diverso da espécie em debate. Recurso de embargos conhecido e provido.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Embargos em Embargos de Declaração em Recurso de Revista n.° TST-E-ED-RR-626385-60.2005.5.12.0014, em que é Embargante ROSANI MARIA ANDRIANI e Embargado BANCO DO BRASIL S.A. (SUCESSOR DO BANCO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A. - BESC).

A 4.ª Turma não conheceu do recurso de revista da reclamante, quanto ao tema -atraso do preposto em audiência - efeitos-, pela incidência do óbice da Súmula 221, II, do TST (fls. 497/509).

Os embargos de declaração opostos pela reclamante (fls. 511/511v.) não foram providos (fls. 516/518).

A reclamante interpõe recurso de embargos. Sustenta que o seu recurso de revista merecia conhecimento, por violação do art. 844 da CLT. Insiste que o atraso do preposto em audiência importa a decretação de revelia. Indica contrariedade à Súmula 221, II, do TST e à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1, além de trazer arestos a confronto (fls. 520/525v.).

Impugnação apresentada (fls. 535/538).

Desnecessária a remessa dos autos ao Ministério Público do Trabalho, nos termos do art. 83, § 2.º, II, do RITST.

É o relatório.

V O T O

1 - CONHECIMENTO

Atendidos os pressupostos extrínsecos de admissibilidade, passa-se ao exame dos específicos do recurso de embargos, que se rege pela Lei 11.496/2007.

1.1 - ATRASO DE OITO MINUTOS DO PREPOSTO DO RECLAMADO EM AUDIÊNCIA. REVELIA

A 4.ª Turma não conheceu do recurso de revista da reclamante, quanto ao tema em epígrafe. Na oportunidade, deixou registrado:

 

-Afirma a Recorrente que o preposto designado pela Reclamada compareceu à audiência em que deveria prestar depoimento com atraso de quinze minutos, estando ausente no início dos trabalhos. Requer, por conseguinte, seja aplicada a pena de confissão, com suporte nas disposições contidas no art. 844 da CLT, no inciso I da Súmula n.º 74-TST e na OJ 74 da SBDI-1.

Sobre o tema, pontuou a Corte Regional (a fls. 395/396):

'Insurge-se a autora contra a decisão originária, requerendo a aplicação dos efeitos da confissão ficta ao réu.

Informa a Reclamante que a audiência do dia 17.01.2008 iniciou no horário aprazado (9h20min), sendo que, após iniciados os trabalhos, foi observado que o preposto estava ausente, tanto que na própria audiência foi requerida a aplicação da pena de confissão ao réu, o que foi rejeitada pelo Juízo de origem.

Alega a autora que o preposto chegou com 8 minutos de atraso à audiência, o que ocorreu durante o seu depoimento pessoal.

Sustenta a Reclamante que a não aplicação da pena de confissão ficta ao réu beneficia o leniente e premia o desmazelo, sendo ato desrespeitoso com todos aqueles que compareceram no local, data e horários designados para a audiência, inclusive o Juiz. Entende que, no presente caso, houve afronta ao artigo 844 da CLT, Súmulas n.º 74, I, e n.º 122, ambas do TST.

Sem razão a Reclamante.

Embora o preposto tenha comparecido com atraso, ou seja, durante o depoimento pessoal da autora, o fato é que ele efetivamente compareceu à audiência, não sendo cabível a aplicação da pena de confissão ficta ao réu. Aliás, como bem salientou o Juízo de origem, 'ainda não havia sido encerrada a fase de colheita dos depoimentos pessoais, portanto não há falar em preclusão' (fl. 295).

No tocante à aplicação das Súmulas 74 e 122 do TST, melhor sorte não lhe socorre. As citadas Súmulas tratam de hipóteses em que a parte não compareceu à audiência, o que não é o caso dos autos.'

Do que foi acima transcrito, tem-se que o preposto, ainda que com atraso, compareceu à audiência, em momento em que ainda não se encontrava encerrada a fase de colheita dos depoimentos pessoais.

Por conseguinte, afastadas as hipóteses declinadas no art. 844 da CLT, na Súmula n.º 74, I, do TST e na OJ 74 da SBDI-1, visto que todas elas tratam especificamente de hipótese em que não houve o comparecimento do Reclamado, na figura de seu preposto.

A interpretação conferida pelo órgão julgador regional à matéria, na forma da Súmula n.º 221, II, desta col. Corte, impede o processamento recursal.- (fls. 500/502 - grifos nossos)

E, em resposta aos embargos de declaração da reclamante, o Colegiado consignou:

 

-Alega a Embargante que a decisão padece de omissões, estando incompleta a prestação jurisdicional, relativamente ao tópico relativo à confissão patronal em decorrência do atraso do seu preposto em audiência. Afirma que não houve manifestação e análise específica quanto à contrariedade à Súmula 122-TST, bem como às Orientações Jurisprudenciais 74 e 245 da SBDI desta col. Corte.

[...]

Analisando-se a argumentação da parte, não se divisa qualquer vício que comprometa a entrega da prestação jurisdicional, à luz das disposições contidas nos arts. 897-A da CLT e 535 do CPC.

Destaca-se o seguinte trecho da decisão ora embargada (a fls. 501):

'Do que foi acima transcrito, tem-se que o preposto, ainda que com atraso, compareceu à audiência, em momento em que ainda não se encontrava encerrada a fase de colheita dos depoimentos pessoais.

Por conseguinte, afastadas as hipóteses declinadas no art. 844 da CLT, na Súmula n.º 74, I, do TST e na OJ 74 da SBDI-1, visto que todas elas tratam especificamente de hipótese em que não houve o comparecimento do Reclamado, na figura de seu preposto'.

Verifica-se que a OJ 74 da SBDI foi cancelada, em razão de sua incorporação pela Súmula n.º 74-TST. Em todo caso, como bem apontado acima, as hipóteses apresentadas pela Recorrente tratam de situação em que não houve o comparecimento do preposto ou de seu Reclamado em audiência, o que não se caracterizou no caso concreto.

Quanto ao teor da OJ 245 da SBDI, inovatória a sua arguição, vez que esta não se fez presente da decisão regional, tampouco das razões de Recurso de Revista.

Ante o exposto, não padecendo a decisão turmária do vício apontado, não se justifica a oposição dos presentes Declaratórios, os quais merecem ser desprovidos, visto que não configuradas as hipóteses ventiladas nos arts. 897-A da CLT e 535 do CPC.- (fls. 517/518)

A reclamante sustenta que o seu recurso de revista merecia conhecimento, por violação do art. 844 da CLT. Insiste que o atraso do preposto em audiência importa a decretação de revelia. Indica contrariedade à Súmula 221, II, do TST e à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1, além de trazer arestos a confronto.

De acordo com a transcrição da decisão do Tribunal Regional efetuada pela Turma, o preposto do reclamado chegou à audiência com oito minutos de atraso quando a reclamante já se encontrava prestando depoimento pessoal, embora o comparecimento tardio não tenha importado em revelia.

Ocorre que a diretriz firmada na Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1 não permite tolerância com atraso no horário de comparecimento da parte em audiência à míngua de previsão legal.

Todavia, há precedentes desta mesma Subseção afastando a contrariedade à referida Orientação Jurisprudencial e reconhecendo que atrasos de um minuto e de três minutos se mostram perfeitamente aceitáveis, dado a ausência de prática de qualquer ato processual que pudesse configurar a preclusão do instante processual para o oferecimento da resposta, consoante se verifica do E-RR-208900-72.2002.5.12.0029, Rel. Juiz Convocado Douglas Alencar Rodrigues, DEJT 4/12/2009 e E-RR-202900-52.2007.5.12.0006, Redator Ministro Aloysio Corrêa da Veiga, DEJT 6/8/2010.

A dúvida que se coloca é se no caso em debate, com o depoimento pessoal da reclamante já iniciado, não teria havido a prática de ato processual a atrair a preclusão para o oferecimento da resposta.

Penso que sim. Admitir a tolerância nessa hipótese seria afrontar o princípio da igualdade de tratamento às partes. É de se exigir delas o rigor na observância do horário previamente estabelecido para a audiência, sob pena de aplicação do previsto no art. 844 da CLT.

Nesse cenário, ficou caracterizada a revelia pelo comparecimento tardio do reclamado à audiência, motivo pelo qual se reconhece a contrariedade à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1.

CONHEÇO do recurso de embargos, por contrariedade à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1.                     

2 - MÉRITO

2.1 - ATRASO DE OITO MINUTOS DO PREPOSTO DO RECLAMADO EM AUDIÊNCIA. REVELIA

O reconhecimento de contrariedade à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1 impõe, como consequência lógica, o provimento do recurso.

Ante o exposto, DOU PROVIMENTO ao recurso de embargos para reconhecer a revelia e, consequentemente, aplicar a pena de confissão quanto à matéria de fato ao reclamado e determinar o retorno dos autos à Vara de Trabalho de origem, a fim de que examine a demanda, como entender de direito.

ISTO POSTO

ACORDAM os Ministros da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, por maioria, vencidos os Exmos. Ministros Aloysio Corrêa da Veiga e Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, conhecer do recurso de embargos, por contrariedade à Orientação Jurisprudencial 245 da SBDI-1, e, no mérito, dar-lhe provimento para reconhecer a revelia e, consequentemente, aplicar a pena de confissão quanto à matéria de fato ao reclamado e determinar o retorno dos autos à Vara de Trabalho de origem, a fim de que examine a demanda, como entender de direito.

Brasília, 03 de maio de 2012.

Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)

DELAÍDE MIRANDA ARANTES

Ministra Relatora

Extraído de Migalhas

Notícias

Usucapião de apartamento ou casa em condomínio de luxo

Usucapião de apartamento ou casa em condomínio de luxo Você já deve ter pensado que usucapião é apenas para imóveis abandonados ou aqueles imóveis em áreas mais remotas com casas inacabadas Data: 20/05/2024 14:05 Alterado: 20/05/2024 14:05 Autor: Aleksander Szpunar Netto Fonte: Assessoria Pois bem,...

Entidades pedem ao Congresso cautela em análise do novo Código Civil

Entidades pedem ao Congresso cautela em análise do novo Código Civil A nota aponta que alterar o CC sem que as novas regras reflitam verdadeiramente as necessidades e aspirações da sociedade seria equívoco de consequências indesejáveis. Da Redação terça-feira, 21 de maio de 2024 Atualizado às...

Juiz restabelece pagamento de pensão suspenso por união estável

VERBA ALLIMENTAR Juiz restabelece pagamento de pensão suspenso por união estável 20 de maio de 2024, 20h13 “Essa decisão reforça a importância do devido processo legal e dos direitos fundamentais em procedimentos administrativos que afetam diretamente a subsistência dos cidadãos. As autoridades...

Venda de imóveis entre pais e filhos: cuidados legais e planejamento sucessório

OPINIÃO Venda de imóveis entre pais e filhos: cuidados legais e planejamento sucessório Amadeu Mendonça 18 de maio de 2024, 13h26 Assinatura de todos os filhos como testemunhas: para evitar futuras alegações de fraude ou de que a transação prejudicou a legítima dos herdeiros, é aconselhável obter a...