Artigo – Estadão – O descomplicado divórcio extrajudicial – Por Lucas Nowill de Azevedo

Artigo – Estadão – O descomplicado divórcio extrajudicial – Por Lucas Nowill de Azevedo

Devido à notória pandemia de coronavírus, em conjunto com o necessário e recomendado isolamento social, houve, inexoravelmente, uma mudança de hábitos aptos a influenciar de sobremaneira as relações humanas, como nunca antes visto, sendo um de seus efeitos o aumento considerável no número de divórcios.

Segundo o Conselho Notarial do Brasil[1], em relação ao Estado de São Paulo, no mês de junho, por exemplo, houve o maior aumento no número de divórcios – para este mesmo mês – desde o ano de 2017, ao passo que a quantidade de casamentos despencou em 50%, quando comparado ao mesmo período em outros anos.

Não obstante, conforme dados do Google, as buscas pelo termo “divórcio online” cresceram 1.100% em julho de 2020 se comparado ao mês anterior, representando, assim, uma escalada descomunal no número de interessados no tema em questão.

Entretanto, diferentemente do que a grande maioria pode pensar, o divórcio, hoje em dia, pode ser realizado de forma célere e sem grandes dores de cabeça.

Isto porque, se antes era necessária a prévia separação judicial de, no mínimo, 2 anos para que o casal conseguisse o esperado divórcio, hoje em dia, com a promulgação da Emenda nº 66/2010, instituindo o artigo 226, parágrafo sexto da Constituição Federal, não mais subsiste tal condição.

Neste sentido, interessante pontuar ainda que, com o advento da Lei nº 1147/07, houve a introdução da possibilidade de realização do divórcio pela via administrativa (extrajudicial), perante o Cartório de Notas, bastando, para tanto, o consenso entre o casal, ausência de filhos comuns (ou, caso os tenha, sejam eles maiores de idade ou emancipados), além da participação obrigatória de um advogado no trâmite em comento.

A presença obrigatória do advogado, nesta situação em específico, não deve ser encarada como uma burocracia desnecessária, uma vez que sua participação é de singular importância para a promoção de um divórcio eficaz, rápido e seguro, pois poderão surgir questões sensíveis ao longo do procedimento, tais como a discriminação dos bens da partilha, fixação de alimentos e etc.

Acerca dos bem do casal, dependendo do regime escolhido no casamento, será necessária a fixação da partilha, que nada mais é que a divisão destes bens com a consequente definição de quem ficará com cada montante, sendo que no divórcio extrajudicial, particularmente, a mesma poderá ser feita da forma como as partes bem decidirem.

Com isso, constata-se que o divórcio na seara administrativa constitui medida mais rápida e simples para um procedimento que, por sua própria natureza, é complexo e moroso, de modo que a via judicial, em verdade, deve ser utilizada em caráter excepcional, reservada a situações especiais, que demandem algum tipo de litígio.

Salutar observar ainda que, mesmo na hipótese do casal ter se valido anteriormente de um processo judicial para o divórcio, nada obsta a sua desistência, com a ulterior opção de sua continuação em Cartório, desde que preenchidos os requisitos legais anteriormente elencados.

Para o IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família) a possibilidade de se utilizar tal via administrativa é positiva, haja vista que reduz a interferência do Estado na vida privada do cidadão, além da desnecessidade do desgaste emocional e financeiro com o ajuizamento de uma demanda judicial para se perseguir o desejado divórcio.

Por fim, diante do explanado e com a finalidade precípua de eliminar a intervenção do Poder Judiciário em relações jurídicas de conteúdo exclusivamente pessoal, o divórcio entre pessoas maiores e capazes não mais carece da tutela jurisdicional, podendo ser definido, amigavelmente, na forma administrativa, menos custosa e mais ágil, resguardando a função estatal apenas para aquelas situações conflitantes que demandem uma análise jurídica mais apurada, por parte de um Magistrado, respeitando-se um devido processo legal.

Fonte: O Estado de São Paulo
Extraído de Anoreg/BR

Notícias

MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos

LEI 14.063/20 MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos 24 de setembro de 2020, 12h22 Por Tiago Angelo A normativa (Lei 14.063/20) prevê a criação de duas modalidades de assinatura: a simples e a avançada. Clique aqui para ler a lei Confira em Consultor Jurídico

Alteração do regime de bens do casamento

Alteração do regime de bens do casamento Marina Aidar de Barros Fagundes Aqui cabe apenas um parêntesis para destacar que casamento celebrado para maiores de 70 anos enseja a aplicação do regime da separação legal, ou separação obrigatória de bens. quarta-feira, 23 de setembro de 2020 Ao se...

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr.

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr. Podemos, enfim, comemorar. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que regulará o tratamento de dados pessoais, veio, enfim, ao mundo (18/9). Porém ao estabelecer como todos nós poderemos exercer nossos direitos, ela traz em sua...

STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas

INSTRUMENTO DE COERÇÃO STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas 22 de setembro de 2020, 7h26 Por Danilo Vital Na avaliação do ministro Benedito Gonçalves, no caso, as astreintes foram transformadas em uma forma indireta de agravar a multa administrativa. Confira em Consultor...

Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos

VOTO 'CAFÉ COM LEITE' Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos 20 de setembro de 2020, 7h18 No caso julgado, o TJ-SP entendeu que o voto pode ser desconsiderado quando este for o único integrante de uma das classes de créditos do processo. Confira em Consultor...

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck Contrariando as expectativas daqueles que acreditavam que a Lei 13 709/2018 (LGPD) teria vigência a partir de janeiro de 2021, o atual cenário indica que a entrada em vigor acontecerá nos próximos dias. Do ponto de vista do titular...