Banco do Brasil defende pagamento obrigatório de seguro rural

Banco do Brasil defende pagamento obrigatório de seguro rural

07/07/2011 - 13h37
NacionalPolítica
Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O vice-presidente de Agronegócio e de Micro e Pequenas Empresas do Banco do Brasil, Osmar Dias, defende o pagamento obrigatório do seguro rural para a agricultura empresarial, assim como já existe nas linhas destinadas, com subvenção, à agricultura familiar. Segundo ele, se todos os agricultores que acessassem as linhas de crédito do Plano Agrícola e Pecuário do governo, com juros reduzidos, tivessem que fazer seguro, o valor ficaria bem menor e haveria ganhos ao produtor e ao restante da sociedade.

A ideia do seguro obrigatório, segundo o ex-senador Osmar Dias, já foi apresentada por ele aos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e da Agricultura, Wagner Rossi, e foi bem recebida. É preciso, no entanto, mais estudos para o aval do Tesouro Nacional, que subvencionaria parte do seguro.

“A esperança que temos é que o Seguro Faturamento seja o seguro que todos terão”, disse Dias. O Seguro Faturamento é uma nova modalidade de seguro rural disponibilizada a partir da safra 2011/2011, que se inicia, e, além de cobrir perdas por eventos climáticos, garantirá o ressarcimento ao produtor da redução de receitas causada pela queda de preço de seu produto no mercado.

Dias disse que, se o seguro já fosse obrigatório a algumas safras, seria desnecessária toda discussão sobre renegociação de dívidas rurais. O Seguro Faturamento lançado agora abrange apenas a cultura da soja e tem isenção de Imposto Operações Financeiras (IOF) e subsídio federal, em média, de 50% do valor do prêmio, podendo ser cumulativo com subvenções estaduais, caso existam.

A expectativa do Banco do Brasil é que sejam segurados cerca de R$ 500 milhões em produção. “A grande novidade do banco para esta safra é o Seguro Faturamento com a cultura da soja, que esperamos ver ampliado pra todas as culturas”, disse Dias.

Edição: Talita Cavalcante
Agência Brasil

 

Notícias

Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos

SEM ABUSO Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos 14 de setembro de 2022, 8h48 Por Danilo Vital A questão toda passa pela interpretação do artigo 51 da Lei da Inquilinato. A norma diz que, "nas locações de imóveis destinados ao comércio, o locatário terá direito a...

TJSP condena pai a indenizar filha por abandono afetivo

TJSP condena pai a indenizar filha por abandono afetivo 04/09/2022 Reparação por danos morais fixada em R$ 10 mil.     Em decisão unânime, a 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um homem a indenizar sua filha por danos morais em decorrência de...