Brasil Sem Miséria

12/07/2011 - 20h35

Aprovado crédito de quase R$ 1 bilhão para programa Brasil Sem Miséria 

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) aprovou nesta terça-feira (12) crédito suplementar de R$ 999,1 milhões em favor dos ministérios do Desenvolvimento Agrário e do Desenvolvimento Social (PLN 3/11). O dinheiro será utilizado nas despesas decorrentes da instituição do programa Brasil Sem Miséria, com ações que visam superar a situação de extrema pobreza da população em todo o país.

A aprovação do projeto, que ainda precisa ser examinado pelo Plenário do Congresso Nacional, foi bastante criticada pelos parlamentares da oposição. Segundo eles, um crédito suplementar no valor de quase R$ 1 bilhão, em plena vigência do orçamento atual, aprovado no final de 2011, seria um claro indício da falta de planejamento e de programação adequada por parte do governo.

A comissão também aprovou crédito especial de R$ 48,9 milhões em favor da Justiça Eleitoral e da Justiça do Trabalho, da Presidência da República, do Ministério Público da União (MPU) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Os recursos, previstos no PLN 9/11, são destinados a diversos projetos em execução, como construção de fóruns trabalhistas e ampliação de cartórios, aquisição de imóveis, dragagem de portos e assistência jurídica a pessoas carentes, entre outras finalidades.

A comissão aprovou ainda crédito suplementar de R$ 38 milhões, em favor das Justiças Federal, Eleitoral e do Trabalho e do Ministério Público da União para reforço de dotações constantes da lei orçamentária em vigor. O montante será usado no aprimoramento do sistema de armazenagem de processos, modernização de instalações judiciárias e conclusão de obras, entre outras.

Copa do Mundo

Também foram aprovados pela comissão requerimento do deputado Wellington Roberto (PR-PB) para a criação de um grupo de trabalho destinado a acompanhar o cumprimento dos compromissos assumidos pelo governo federal para a realização da Copa do Mundo de 2014. O requerimento foi aprovado com voto contrário dos senadores Jayme Campos (DEM-MT) e Cyro Miranda (PSDB-GO).

Antes de ser aprovado, o requerimento constou da pauta de reuniões anteriores da comissão, sendo sempre obstruído pelos parlamentares da oposição, contrários à proposta. Segundo eles, a criação do grupo de trabalho representa uma superposição de funções, tendo em vista que já existe na CMO um comitê encarregado de avaliar, fiscalizar e controlar a execução orçamentária. Esse comitê é coordenado pelo deputado Vaz de Lima (PSDB-SP).

Outro requerimento aprovado pela comissão, de autoria do deputado Cláudio Cajado (DEM-BA), é o que inclui o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, entre os convidados para debater a adoção de regime licitatório diferenciado (RDC) nas contratações da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos. A adoção do RDC foi aprovada no último dia 6 pelo Senado.

Na mesma reunião, a comissão aprovou ainda outros requerimentos, avisos e relatórios de gestão fiscal referentes a diversos órgãos de governo, assim como demonstrações de exercícios financeiros do Banco Central de 2009 e 2010, além de relatório do Fundo Constitucional do Centro-Oeste de 2008.

Da Redação / Agência Senado

Notícias

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias A proposta é um importante mecanismo de aprimoramento do mercado imobiliário e de oferta ao crédito No fim de novembro, o governo federal enviou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei nº 4.188/21, o novo Marco Legal das...

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos O texto, que tramita no Senado, tem como objetivo deixar as decisões dos Tribunais Superiores e de 2ª instância mais claras. quarta-feira, 5 de janeiro de 2022 Está em tramitação no Senado Federal o PL 4.311/21, de autoria do senador Rodrigo Cunha,...

Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ

FUNÇÃO PÚBLICA Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ 23 de dezembro de 2021, 18h19 Por Danilo Vital Em seu voto, a ministra Nancy Andrighi explica que os imóveis públicos, mesmo desocupados, possuem finalidade específica, de atender a necessidades da...

Artigo: Pacto antenupcial e contrato de namoro – Por Luís Ricardo S. Vinhaes

Artigo: Pacto antenupcial e contrato de namoro – Por Luís Ricardo S. Vinhaes O contrato de namoro é o estabelecimento de regras ao namoro entre pessoas, que visa afastar os efeitos da presunção da união estável. Já o pacto antenupcial é um instrumento de prevenção de conflitos entre cônjuges, um...

JusBrasil – É importante regulamentar a União Estável?

JusBrasil – É importante regulamentar a União Estável? A União Estável está presente na vida de muitos casais, muitos ainda não sabem a importância da regulamentação da União Estável, para fins de prova, após, uma eventual separação. Infelizmente, somente após uma separação, é possível perceber a...

STF valida georreferenciamento obrigatório para registro de propriedade rural

QUESTÕES DE TERRA STF valida georreferenciamento obrigatório para registro de propriedade rural 28 de dezembro de 2021, 11h15 O interesse público é atendido porque a obrigatoriedade de georreferenciamento dos imóveis rurais e sua consequente certificação pelo INCRA permite combater a grilagem de...

Enfim, uma boa notícia no âmbito do Imposto de Renda

JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Enfim, uma boa notícia no âmbito do Imposto de Renda 27 de dezembro de 2021, 8h00 Por Fernando Facury Scaff Como se vê, é um projeto simples e direto, em busca daquilo que a sociedade necessita, que é o alívio da carga tributária — parabéns ao Senador e sua assessoria. Confira em...

Condomínio não é parte legítima para pagar IPTU de áreas comuns, diz TJ-PB

PAGA OU NÃO PAGA? Condomínio não é parte legítima para pagar IPTU de áreas comuns, diz TJ-PB 21 de dezembro de 2021, 7h23 O magistrado pontuou, ainda, que a jurisprudência do STJ estabelece que "somente a posse com animus domini é apta a gerar a exação predial urbana, que não ocorre com o...