Comissão aprova relatórios das áreas de Educação e Meio Ambiente

09/12/2010 - 20h45

 

Comissão aprova relatórios das áreas de Educação e Meio Ambiente

[Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO)]

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) aprovou na tarde desta quinta-feira (9) os relatórios setoriais do Orçamento de 2011 nas áreas de Educação e Meio Ambiente.

Em reunião na próxima segunda-feira (13), às 18h, os integrante da comissão pretendem votar relatórios setoriais de Infraestrutura e de Turismo, os últimos ainda pendentes. Também deverá ser votado o relatório sobre a reestimativa da receita orçamentária para o próximo ano, a cargo do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), em razão do corte de 12 bilhões nos recursos anunciado nesta semana pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

Depois de aprovados, os dez relatórios setoriais passarão a constituir o relatório-final do Orçamento, que deve ser votado até o próximo dia 22.

Educação

A proposta orçamentária de 2011 para a área composta pelos Ministérios da Educação; Ciência e Tecnologia; Cultura; e Esporte é de R$ 72,8 bilhões, o que representa 7,1% da receita corrente do Tesouro Nacional estimada para o próximo ano.

O relator do setor, deputado Edmilson Valentim (PCdoB-RJ), alertou os parlamentares de que os recursos destinados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) estão R$ 1,4 bilhão abaixo do que determina a legislação. Segundo Valentim, a União deveria reservar R$ 9,1 bilhões para complementar os gastos dos estados e municípios com educação. No entanto, a proposta orçamentária para 2011 só destina R$ 7,7 bilhões ao fundo.

Para a distribuição de livros didáticos, transporte e merenda escolar, foram reservados R$ 6,6 bilhões. Foram alocados recursos adicionais para custeio e pessoal para as instituições que apresentarem projetos de expansão de vagas, com prioridade para o ensino noturno, o aumento do numero médio de estudante por docente e a flexibilização de currículos. A proposta orçamentária destina R$ 1,9 bilhão para o programa de reestruturação e expansão das universidades federais (Reuni), com a oferta de 106 mil vagas em 2011.

O orçamento do Ministério da Educação compõe-se de 140 unidades orçamentárias, que compreendem 61 instituições federais de ensino superior, 38 Institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifets), o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e 33 hospitais universitários vinculados à pasta.

Cultura

O Orçamento prevê R$ 1,6 bilhão para o Ministério da Cultura em 2011, que representa 20% de crescimento em relação a 2010 e de 35% se comparado a 2009. A programação engloba ainda a Fundação Casa de Rui Barbosa, a Fundação Biblioteca Nacional, a Fundação Cultural Palmares, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Fundação Nacional de Artes, a Agência Nacional do Cinema (Ancine), o Instituto Brasileiro de Museus e o Fundo Nacional de Cultura.

Ciência e Tecnologia

Ao Ministério da Ciência e Tecnologia foram destinados R$ 7,3 bilhões, o que corresponde a um acréscimo de 9% em relação à proposta para 2010. A proposta encaminhada pelo Executivo dá destaque à concessão de 72.783 bolsas de estudo e pesquisa; ao fomento à pesquisa, desenvolvimento e inovação em áreas estratégicas (biotecnologia e nanotecnologia); ao apoio ao desenvolvimento tecnológico da indústria eletrônica e de semicondutores; à capacitação para desenvolvimento e utilização de tecnologias espaciais; às ações voltadas ao Programa Nacional de Atividades Nucleares; às políticas voltadas ao desenvolvimento social; e às políticas de inclusão social combinadas com as de indução do desenvolvimento regional sustentável.

Esporte

A proposta orçamentária de 2011 destaca a importância de políticas públicas voltadas para o fortalecimento do esporte nacional, com enfoque nos segmentos educacional, recreativo, de lazer e de alto rendimento. Os preparativos para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 foram contemplados com a previsão de recursos da ordem de R$ 132 milhões, enquanto os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 ficaram com R$ 605,6 milhões.

No tocante à Copa de 2014, destacam-se as ações de apoio à realização do evento e à implantação do controle de acesso e monitoramento nos estádios de futebol para segurança do torcedor. Em relação aos preparativos para os Jogos de 2016, destaca-se a constituição do consórcio público entre União, o estado do Rio de Janeiro e o município do Rio de Janeiro, denominada Autoridade Pública Olímpica (APO), criada pela Medida Provisória 489/10, e da Empresa Brasileira de Legado Esportivo (Brasil 2016), instituída pela MP 488/10.

O valor total do ministério do esporte para representa pouco mais do triplo do total da proposta anterior: R$ 408 milhões em 2010 e R$ 1,3 bilhão no próximo ano. Um acréscimo de R$ 880 milhões.

Integração e Meio Ambiente

A proposta orçamentária de 2011 para o Ministério da Integração Nacional é de R$ 4,2 bilhões. Para a realização de suas atividades, o ministério conta com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), o Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) e as Superintendências do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Nordeste (Sudene).

A programação dos investimentos prioriza os programas voltados ao fornecimento e à utilização de água, por meio da integração de bacias hidrográficas, melhoria na infraestrutura hídrica, no desenvolvimento da agricultura irrigada e na revitalização de bacias hidrográficas em situação de vulnerabilidade e degradação ambiental.

Ao Ministério do Meio Ambiente foram reservados R$ 2,9 bi. Incluem-se na estrutura do ministério a Agência Nacional de Águas (ANA), o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o Serviço Florestal Brasileiro, o Fundo Nacional do Meio Ambiente e o recém criado Fundo Nacional sobre Mudanças do Clima (FNMC).

A área de Integração e Meio Ambiente teve como relator o senador Inácio Arruda (PC do B-CE).

Paulo Sérgio Vasco / Agência Senado
 

Notícias

Artigo – Sou filho único. Preciso mesmo abrir um inventário?

Artigo – Sou filho único. Preciso mesmo abrir um inventário? Inventário é a abertura de um processo judicial ou extrajudicial, no qual é feita a descrição de todos os bens do falecido e qual quinhão pertencerá a cada herdeiro. A perca de um ente querido é sempre um momento muito difícil, na verdade...

Valor Econômico – Judiciário concede separação por liminar

Valor Econômico – Judiciário concede separação por liminar Nos últimos anos, medida sem prévia citação de uma das partes sobre o processo tem se tornado menos rara A prática tem se consolidado desde então, segundo Rodrigo da Cunha Pereira, presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família...

Casamento homoafetivo ainda não é regulamentado por lei no Brasil

Casamento homoafetivo ainda não é regulamentado por lei no Brasil Janaína Araújo | 19/01/2022, 10h10 O casamento homoafetivo no Brasil ainda não foi regulamentado por lei, embora seja garantido por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Esse é um dos pontos que ficaram de fora do novo Código...

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias

Valor Econômico – Artigo – Nova proposta para o Marco Legal de Garantias A proposta é um importante mecanismo de aprimoramento do mercado imobiliário e de oferta ao crédito No fim de novembro, o governo federal enviou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei nº 4.188/21, o novo Marco Legal das...

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos

Projeto quer alterar CPC e regras de julgamentos O texto, que tramita no Senado, tem como objetivo deixar as decisões dos Tribunais Superiores e de 2ª instância mais claras. quarta-feira, 5 de janeiro de 2022 Está em tramitação no Senado Federal o PL 4.311/21, de autoria do senador Rodrigo Cunha,...

Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ

FUNÇÃO PÚBLICA Não é possível usucapião de imóvel abandonado financiado pelo SFH, diz STJ 23 de dezembro de 2021, 18h19 Por Danilo Vital Em seu voto, a ministra Nancy Andrighi explica que os imóveis públicos, mesmo desocupados, possuem finalidade específica, de atender a necessidades da...