Importação de instrumentos musicais poderá ter isenção fiscal

30/11/2010 - 16h10

Importação de instrumentos musicais poderá ter isenção fiscal

 

Instrumentos musicais importados poderão passar a ter isenção fiscal, conforme projeto de lei aprovado, nesta terça-feira (18), pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). A proposta, do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), agora será examina pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), em decisão decisão terminativaDecisão terminativa é aquela tomada por uma comissão, com valor de uma decisão do Senado. Quando tramita terminativamente, o projeto não vai a Plenário: dependendo do tipo de matéria e do resultado da votação, ele é enviado diretamente à Câmara dos Deputados, encaminhado à sanção, promulgado ou arquivado. Ele somente será votado pelo Plenário do Senado se recurso com esse objetivo, assinado por pelo menos nove senadores, for apresentado à Mesa. Após a votação do parecer da comissão, o prazo para a interposição de recurso para a apreciação da matéria no Plenário do Senado é de cinco dias úteis. .

Pela proposta (PLS 86/04), os instrumentos importados serão beneficiados com a isenção do Imposto de Importação, bem como das contribuições aos programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Para se beneficiarem da isenção, as orquestras ou entidades similares, assim como os músicos, devem comprovar a atividade profissional.

O projeto estabelece que os músicos poderão se beneficiar da isenção para uso pessoal apenas uma vez a cada 36 meses para a importação, e uma vez a cada 24 meses para compras no mercado interno. O texto aprovado é um substitutivo apresentado pelo senador Sérgio Zambiasi (PTB-RS) para incorporar sugestões PLS 345/06, do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) e outros, que tramita em conjunto com a proposta de Mozarildo. A matéria já havia sido aprovada pela CE e enviada à CAE. Com a decisão de trâmite conjunto, a matéria teve de voltar ao exame da CE.

Zambiasi destacou que, apesar de a indústria nacional ser promissora, ainda não consegue produzir equipamentos com a mesma qualidade oferecida pelas tradicionais marcas internacionais. Na avaliação do senador, a isenção é importante para contribuir com o aprimoramento do músico.

- O acesso ao instrumento de mais alta qualidade possível. E o Brasil precisa oferecer as condições para o aprimoramento pleno do talento dos seus artistas, em prol do fortalecimento da própria cultura nacional - disse Sérgio Zambiasi.

Iara Farias Borges / Agência Senado
 

Notícias

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido?

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido? Lúcia Soares 3 ago 2022 - 10h59 (atualizado às 13h06) Parece inacreditável, mas até 2002, ainda vigorava no Brasil uma lei, que estabelecia que o marido poderia anular o casamento e devolver a mulher à família, caso descobrisse...

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança Além de causar mal-estar às famílias, litígio desvaloriza bens e é prejudicial para rentabilidade A herança de uma pessoa é a soma de todo o patrimônio conquistado ao longo da vida, como investimentos, imóveis, empresas, bens e até...

Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges

OPINIÃO Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges 28 de julho de 2022, 21h27 Por Paulo Eduardo Razuk e Denise Zanutto Tonelli Oliveira "INVENTÁRIO. Decisão que declarou a ineficácia da escritura pública, determinando a aplicação da Súmula 377 do E. STF. AGRAVO DE INSTRUMENTO....

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável Processo: REsp 1.852.807-PR, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, Terceira Turma, por unanimidade, julgado em 10/05/2022, DJe 13/05/2022. Ramo do Direito: Direito Civil Tema: Extinção de união estável. Partilha de imóvel comum....