Propostas poderão normalizar fornecimento de remédios

 

27/12/2010 12:11
 

Para relatores, propostas poderão normalizar fornecimento de remédios

 

 

O relator do Projeto de Lei 3171/00 na Comissão de Seguridade Social e Família, deputado Dr. Nechar (PP-SP), acredita que, caso vire lei, a medida forçará o SUS a manter medicamentos em estoque para não ter de ressarcir farmácias e drogarias comerciais que forneçam o produto. A proposta concede aos portadores de doenças crônico-degenerativas o direito de receber gratuitamente medicamentos de uso contínuo em farmácias comerciais sempre que não houver o produto na rede própria, contratada ou conveniada do SUS.

Segundo o relator, no entanto, o principal benefício do projeto será ampliar o acesso a medicamentos. "Isso aumentaria a capilaridade das farmácias em benefício da população", afirma. O projeto tem caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

De acordo com o deputado Dr. Nechar (PP-SP), que foi relator da proposta na Comissão de Seguridade Social e Família, a principal reclamação dos pacientes do SUS é a falta de medicamentos. "Dar o medicamento é investimento e não gasto", afirma. Ele lembrou que a ausência de remédios para doentes crônicos pode gerar, além da piora do paciente, cirurgias e gastos com internação.

O parlamentar também disse que em cidades pequenas a entrega de remédios chega a ser negociada por votos, como se o medicamento fosse uma concessão do prefeito. "Caso o paciente tenha acesso à medicação, vamos acabar com esse tipo de corrupção", afirmou o parlamentar.

Clareza
Para o relator do PL 7445/10, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), ao definir um protocolo clínico para nortear a assistência terapêutica integral do SUS, prevista na Lei Orgânica da Saúde (8.080/90), o projeto garante mais clareza nos critérios utilizados por médicos e juízes para embasar as decisões sobre o acesso a medicamentos. A proposta também tramita em caráter conclusivo e aguarda análise pela CCJ – já foi aprovada pela Comissão de Finanças e Tributação.

"Essa área é uma selva e precisa de ordem", defende Perondi. "Com a aprovação dessa proposta, haverá mais ordenamento e acesso facilitado do usuário aos remédios de que necessita". O deputado afirma ainda que o texto regulamenta a conturbada questão da medicação excepcional, que se refere a remédios de uso prolongado para tratamento de doenças crônico-degenerativas.

 

 

Reportagem - Tiago Miranda
Edição – Wilson Silveira - Agência Câmara

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados