Senado instala Comissão da Reforma Política

10/02/2011 - 21h08

Senado instala Comissão da Reforma Política na semana que vem, diz Sarney

 

[presidente do Senado, José Sarney]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma comissão de reforma política deverá ser instalada pelo Senado na semana que vem, dando início imediato aos seus trabalhos para a apresentação de um anteprojeto sobre a matéria em um prazo de 45 dias. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (10) em coletiva à imprensa dada pelo presidente do Senado, José Sarney. Ele disse que a comissão deverá reunir "os homens mais experientes da Casa, ex-presidentes, ex-governadores", o que não impedirá a participação dos demais senadores que queiram contribuir com o colegiado.

- Isso não quer dizer discriminação. É muito bem-vinda a participação de todos - disse Sarney, ao ser questionado sobre queixas, que ele disse desconhecer, dos senadores Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Pedro Simon (PMDB-RS), por não terem sido convidados.

Sarney afirmou que não compete ao presidente do Senado indicar os integrantes de comissão, tarefa regimental que deve ser desempenhada pelas lideranças partidárias.

- Apenas fazemos a leitura [das indicações] em Plenário - afirmou.

Mais uma vez defendendo a criação da comissão de reforma política, o presidente do Senado disse não ver vantagens na votação isolada de matérias que procuram aprimorar a atividade política, a exemplo de proposta de emenda à Constituição que há alguns anos tramita no Senado e institui regras para a escolha de suplentes.

Em sua avaliação, "reformas tópicas atrapalham uma reforma mais ampla" que contemple, por exemplo, alterações no atual sistema de voto proporcional, utilizado na escolha de deputados.

Sarney também explicou que não cabe a ele indicar o corregedor do Senado, que deve ser eleito em Plenário, mas apenas indicar o Ouvidor-Geral, função a ser implementada na Casa.

Sarney ressaltou ainda o avanço de matérias como o projeto de reforma do atual Código de Processo Civil (PLS 166/10), que tramitava há 12 anos e foi aprovado no segundo semestre de 2010 pelo Senado. O projeto foi encaminhado para o exame da Câmara dos Deputados, assim como o projeto que altera o atual Código de Processo Penal (PLS 156/09).

O presidente também citou a criação de duas comissões para propor alterações no Código Eleitoral e no Código de Defesa do Consumidor.

Sarney também adiantou que o Senado examinará a possibilidade de criar uma comissão para avaliar mudanças na Lei de Execuções Penais. Nesse sentido, ele defendeu o estabelecimento de um sistema de inteligência que possa combater o crime organizado.

Paulo Sérgio Vasco / Agência Senado
 

Notícias

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados