ARTIGO: “EU LI E ACEITO OS TERMOS”: A MAIOR MENTIRA DA INTERNET - POR KARIN RICK ROSA

Origem da Imagem/Fonte: Colégio Notarial do Brasil - Seção São Paulo

ARTIGO: “EU LI E ACEITO OS TERMOS”: A MAIOR MENTIRA DA INTERNET - POR KARIN RICK ROSA

Publicado em: 06/07/2018
Karin Rick Rosa*

Pense quantas vezes você já clicou naquele pequeno quadrado ao lado da frase “Eu li e aceito os termos”, simplesmente aceitando termos e condições que efetivamente não leu? Este comportamento ingênuo, para não dizer negligente, é tão comum que pode nem chamar a sua atenção. O que talvez se explique pelo desconhecimento, por nós, do valor real de nossos dados pessoais. De fato, é muito provável que a maioria de nós nem sabia quais de nossos dados pessoais estão sendo armazenados nos aplicativos e plataformas digitais e o que será feito com eles. Pois bem, é bom começar a prestar a atenção. Isso, porque a maioria dos termos e condições de plataformas e/ou aplicativos digitais são abusivos. Dentre as práticas comuns que resultam do consentimento fictício, fornecido a partir do clique para aceitar, estão o acesso pelas empresas de mais dados pessoais do que o necessário para o serviço contratado; a permanência com os dados pessoais por mais tempo do que o necessário; o rastreamento de dados pessoais em outros sites, e a permissão a terceiros para que também o façam.

E qual o interesse alguém pode ter nos dados pessoais de outros? Dados pessoais e sensíveis são monetizáveis e fundamentais para certos modelos de negócios, o que explica a atenção às informações pessoais. 

Neste contexto, a “Terms of Service Didn’t Read”, cujo slogan é o título deste texto e mais a promessa de arrumar isso (aceitar sem ler), dedica-se à prestação de serviços que consistem em destacar as cláusulas dos contratos e termos de uso aceitos pelo usuário nos meios digitais, para informar aos seus clientes com o que eles concordaram quando clicaram, classificando as cláusulas em escala que vai de muito boa (Class A) até muito ruim (Class E).

É inquestionável que o assunto privacidade e proteção de dados está no radar das discussões mais atuais que envolvem direito e tecnologia, e é de tamanha relevância, que no dia 25 de maio último passou a vigorar a nova legislação europeia, destinada a regular e harmonizar as leis de proteção de dados e privacidade, denominada GDPR (General Data Protection Regulation). Fruto da pressão social por controles mais rígidos sobre as informações fornecidas por usuários de serviços digitais, a GDPR tem, dentre as principais diretrizes a garantia da privacidade em relação às informações repassadas a empresas, o direito de saber quais foram os dados coletados e a possibilidade de solicitação destes dados a qualquer momento, além da obrigação por parte das empresas, de eliminação das informações se assim desejar o usuário (direito ao esquecimento). De acordo com a lei, o usuário deve consentir com a coleta de cada informação solicitada e fornecida, ficando as empresas obrigadas a utilizar linguagem concisa, transparente, inteligível e de fácil acesso para comunicar sobre as informações acessadas. A GDPR se aplica a todas as empresas que forneçam serviços a cidadãos europeus, razão pela qual as empresas brasileiras também ficam submetidas.

No Brasil, o Marco Civil da Internet protege os dados pessoais, mas não de modo suficiente, pois sequer define o que é dado pessoal, ou o que significa tratamento de dados. Não existe em nosso país uma autoridade específica garantidora para a proteção de dados, situação que precisa ser revista, pois, como foi dito no Forum Econômico Mundial, no ano de 2011, “dados são o novo petróleo.”  Enquanto nossa legislação não estabelece meios de maior proteção à privacidade e aos dados sensíveis, cabe a cada um de nós a leitura atenta dos termos de uso e contratação antes de darmos o nosso consentimento por meio de um simples clique e entregarmos informações sem saber o que com elas será feito.

  “I have read and agree to the Terms” is the biggest lie on the web. We aim to fix that. https://tosdr.org

Fonte: CNB/SP

 

Notícias

Mas o que vem a ser a usucapião extrajudicial?

Usucapião Extrajudicial (*) Jonas Machado Por Redação - 14 de setembro de 2018 A Lei 13.015, de 16 de março de 2015, implementou várias mudanças no Código de Processo Civil (NCPC), assim como a publicação da Lei 13.465/17, que alterou vários artigos do Código Civil no rol dos Direitos de...
Leia mais

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos Published 1 dia atrás em 16/09/2018 Por Susana Küster Documentos sem o nome do pai representam mais do que a falta legal de reconhecimento paterno. Entre outros fatores, o nome traz cidadania e pode, em alguns casos, criar um vínculo...
Leia mais

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos    12/09/2018, 14h29 Atualmente, jovens entre 16 e 18 anos podem se casar, desde que haja o consentimento dos pais ou responsáveis. No entanto, o Código Civil admite, excepcionalmente, a união de quem ainda não...
Leia mais

Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis

JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis 10 de setembro de 2018, 8h00 Por Raul Haidar “Na permuta, com recebimento de torna em dinheiro, será considerado o valor de alienação somente o da torna recebida ou a receber.” Quando ambos os imóveis tiverem...
Leia mais

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, por unanimidade, negou  provimento ao recurso dos autores que objetivava a declaração da prescrição aquisitiva do imóvel em que residem, alegando que preenchem os...
Leia mais

Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito

MP NO DEBATE Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito 3 de setembro de 2018, 11h47 Por Airton Florentino de Barros Assim, antes de punir infratores no trânsito, é dever do Estado — até para cumprir sua função educativa (artigos 5º, 6º, I e 74) ­— promover a necessária...
Leia mais

Casais homoafetivos e a reprodução assistida

Quinta-feira, 30 de agosto de 2018 Casais homoafetivos e a reprodução assistida “Qualquer maneira de amor vale a pena e ninguém, nessa vida, deve ser diminuído em razão dos seus afetos. A vida boa é feita dos nossos afetos, dos prazeres e da busca pela felicidade”. Luiz Roberto Barroso “Os meus, os...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados